domingo, 21 de novembro de 2010

Os primeiros dias fora do hospital (05/10/2010 a 20/10/2010)

Chegamos no apartamento carregando várias malas, mochilas e bolsas. Todas elas cheias de presentes que a pequena tinha ganho enquanto esteve internada. Incontáveis bonecas, bichos de pelúcia, cadernos, quebra-cabeças, canetas, lápis-de-cor, blocos de anotação, jogo da memória, massinhas de modelar... Muitas pessoas, conhecidas e desconhecidas, nos enviavam mensagens de carinho, apoio e força. E Ana Luiza estava adorando tudo isso.

Enquanto a preocupação da pequena era o McLanche Feliz que Marcos comprou assim que saímos do hospital e que ela estava louca para devorar (e devorou!), a minha eram as recomendações e precauções que os médicos haviam nos dado.

Eu ainda estava meio assustada. Durante os últimos 3 anos, Ana Luiza não tinha tido sequer um resfriado. Eu não sabia mais o que era dar remédios no horário certo, monitorar sinais vitais o tempo todo, triplicar a higienização no preparo de alimentos e nos cuidados pessoais. Os médicos disseram que qualquer alteração, e mesmo que ela tivesse apenas 37,5ºC de temperatura, deveríamos voltar correndo para o hospital.

Os médicos tinham dado tantas informações sobre os cuidados que eu não sabia por onde começar. Mas o Vovô Calmon já havia limpado toda a suíte do apartamento e vovó Eliane também estava preocupada em deixar tudo no lugar a espera da pequena. Todo mundo estava apreensivo, todos querendo ajudar e graças a Deus podíamos contar com o amor e carinho dos nossos pais.

Ana Luiza estava feliz por ter saído do Hospital. Os médicos já tinham nos informado que as reações da quimioterapia se manifestariam imediatamente, pois o protocolo de tratamento que ela estava fazendo, utilizava várias drogas e em altas dosagens. A queda do cabelo ocorreria logo, assim como as náuseas, enjoos, falta de apetite e o risco de infecções pela queda da imunidade.

Aproveitando que a queda na imunidade demoraria alguns dias, fomos cortar o cabelo e aproveitar para passear de Metrô até o shopping onde ficava o salão de beleza. Ao chegar ao salão o primeiro drama começou. Inicialmente ela detestou a ideia de ficar “com cabelo de menino”. Mas o cabeleireiro fez um corte bem moderno e ela adorou. Ela estava adorando o novo “look”. Ela conseguia se alimentar normalmente, não teve nenhuma alteração. Ainda estava curtindo os presentes todos e as visitas. Os efeitos colaterais da quimioterapia, ela pouco sentiu. A única vez que ela apresentou um episódio de vômito, foi no segundo dia em casa. A médica havia receitado 3 medicamentos para enjoo (Plasil, Dramin e Vonau) caso ela tivesse vômitos. Se ela estivesse bem, eles poderiam ser suspensos. Como Ana Luiza estava bem, resolvemos suspender os 3 no segundo dia e obviamente ela passou mal. Depois, notamos que para ela ficar bem, sem ficar nauseada e reclamando de odores, era necessário dar continuamente o Dramin e o Vonau. Assim ela se alimentava melhor e o que comia ficava no estômago.

Ela ainda tinha mais duas aplicações de quimioterapia para fazer, antes de internar novamente para mais uma aplicação “grande”. Após 7 dias da primeira internação, lá fomos nós para o setor de quimioterapia do hospital. Ela estava tranquila. Ficou apenas um pouco apreensiva pois o acesso seria feito no cateter implantado, mas foi tudo ótimo. Ela não sentiu nada.

Ela continuou indo ao hospital para as consultas com a psicóloga e só reclamou do horário: “Credo mãe, porque essa Leila tem que marcar essa conversinha tão cedo!?!”

A psicóloga, desde a primeira consulta com Ana Luiza, quando ela ainda estava internada, disse que ela era muito inteligente. Que ela tinha um vocabulário muito rico e entendia tudo o que estava acontecendo. Ela tinha um QI elevado para a idade e era capaz de compreender tudo sobre a doença e a situação em que ela se encontrava. Pediu que a gente explicasse tudo a medida que ela perguntasse e sempre fizéssemos isso de forma muito objetiva e tranquila.

Na primeira consulta, deixou claro para nós dois, Marcos e eu, que Ana Luiza deveria ser tratada normalmente, que Ana Luiza deveria ter uma vida normal. Enquanto ela falava eu pensava: “Normal?! Vida normal? Como?!?!”

Ela disse que precisávamos manter a disciplina, as regras, os horários, a rotina. Ana Luiza precisava “sentir” que aquilo era um tratamento. Pediu que não a “mimássemos” demais, sob pena de ter uma filha que no futuro, não teria interesse em ficar boa, pois ficar doente era “legal”. Pediu que a gente incentivasse uma vida normal. Que era importante ela caminhar sozinha, fazer as coisas sozinha. Nada de carregar no colo a todo momento, nada de tratá-la como um bebê e sim como a criança inteligente de 7 anos que ela era.

Marcos levantou a plaquinha do “eu já sabia”. Eu vesti a carapuça. Tudo que eu queria era ficar segurando ela no colo, como se de alguma forma o abraço pudesse tirar aquela doença horrorosa de dentro dela. Quando a psicóloga falava em vida normal, só conseguia pensar na nossa vida em Manaus: aquilo sim era normal. Acordar cedo, deixá-la na escola, passear, ir na churrascaria predileta dela, tomar sorvete, andar de bicicleta, jogar Nintendo Wii, fazer reuniões com os amigos em casa, fazer guerra de balão d'água no condomínio, passear com o Luck, fazer mil recadinhos e espalhar pela casa, ir buscá-la na casa da tia Luciana toda suada de tanto correr com a Darah, brigar pra ela ir tomar banho, brigar pra ela sair do banho, banho de mangueira, colocar ela dentro do carrinho de supermercado, assistir Discovery Kids, esconder as lembrancinhas dos aniversários de criança para o papai não comer todos os doces... aquilo sim era normal. Nada do que estávamos vivendo naquele momento era normal.

Eu precisa entender que nossa vida havia mudado para sempre. Mas a dor ainda era grande. Eu ainda sentia (na verdade, ainda sinto), muita dificuldade em acreditar que tudo aquilo estava acontecendo. Mas eu precisava encarar a situação.

Na primeira consulta de acompanhamento, Ana Luiza precisaria submeter-se a um exame de sangue antes de ser avaliada pelos médicos. Ela estava apavorada com as agulhas. Os bracinhos ainda estava cheios de hematomas, mas ela cedeu e, contando até três, respirou fundo e deixou a enfermeira picar o braço.

O resultado mostrou que apesar dela estar radiante, feliz e tranquila, seu organismo estava praticamente sem qualquer defesa. Leucócitos e demais componentes da série branca do sangue estavam praticamente zerados. O valor mínimo de leucócitos é de 1500, Ana Luiza estava com 112. Aquilo deu um desespero. Imaginar o corpo da minha filha sem qualquer defesa, era assustador. A médica informou que ela só poderia internar para fazer o próximo ciclo de quimioterapia, se esse valor subisse, no mínimo, para 700. Além disso, ela não poderia ter nenhuma febre ou infecção. O próximo exame seria antes de internação. Eu não iria morrer antecipadamente. Se tem algo que realmente temos aprendido, é viver cada dia de uma vez.

Fizemos nosso primeiro passeio. Em um dia frio, mas não tanto quanto os anteriores, fomos conhecer o Parque Ibirapuera. A médica disse que poderíamos passear, desde que fossem locais abertos. Nada de shopping, cinema e afins. Ana Luiza ficou radiante logo que chegou! Dezenas de crianças, cachorros de diversas raças, pessoas com visuais de “tribos”, tudo muito diferente. E, como ela pôde constatar também, as diferenças também no nosso estilo de vida. Ela estava louca para ir aos inúmeros brinquedos do parque, mas a presença de outras crianças e mesmo a falta de uma higienização especial a impediria. Ela ficou chateada, claro: “Como o passeio pode ser legal se não posso brincar”? Dizia muito chateada. Marcos prometeu a ela que no próximo passeio, eles andariam em uma bicicleta diferente, uma bicicleta para 2 pessoas. Ela imediatamente abriu um sorriso: “Então eu vou atrás e não vou pedalar, é tu que vai fazer força!”.

Mas uma mudança boa também era notada. Ela praticamente já não virava o rosto para evitar a visão dupla e também já atendia o telefone usando o ouvido esquerdo. Para nós, aquilo significava a esperança de que o tumor já não estava pressionando tanto as estruturas dentro da cabeça dela, ou seja, ele poderia estar diminuindo. Esperança e fé.

Na segunda aplicação de quimioterapia “menor”, ao levantar da maca para irmos pra casa, tufos de cabelo ficaram no travesseiro. Me deu um frio na barriga. Agora Ana Luiza perceberia que a vida realmente estava diferente.

Sentada no sofá, assistindo televisão com a tia Camila, ela passou a mão no cabelo, saiu um tufo enorme na mãozinha e ela disse: “Nossa! Meu cabelo tá caindo muito, né tia?” E continuou assistindo televisão. Parecia não se importar. Mas de “tempos em tempos” ela ia até o espelho do banheiro, olhava-se e via que tudo “parecia” normal. Apesar do cabelo estar caindo MUITO e RÁPIDO, ela não conseguia notar a carequinha. De frente, ainda parecia ter muito cabelo. Com o passar dos dias, o cabelo ainda cairia muito, mas inicialmente ver aquele tanto de cabelo no chão não a incomodava, enquanto ela olhasse no espelho e parecesse “normal”.

Saímos para passear, fomos até Jundiaí passar o dia com amigos maravilhosos e que Ana Luiza sempre gostou: Tio Alencar e tia Nalva. Ele, que tinha perdido o pai recentemente para o Câncer, preparou toda a casa e o almoço para receber a visita especial. Ela adorou o passeio. Conversou bastante, comeu razoavelmente bem e o cabelo caindo demais. Fomos até o parque da cidade, e naquele dia eu notei que ela já estava entendo a mudança. Ela viu duas meninas brincando de bola. A mãe delas convidou Ana Luiza e ela, quietinha e cabisbaixa, disse que não podia. Nessa hora, ela quis ir pra casa. Disse que não tinha a menor graça ir passear e não poder brincar.

A noite, na hora em que nos preparávamos para dormir, Ana Luiza notou que estava ficando careca. Ela foi para o banheiro, para mais uma “checagem” e ao notar a cabecinha com pouco cabelos começou a chorar e me chamou baixinho: “Mamãe, meu cabelo caiu muito. Eu gostava tanto do meu cabelo e agora tô ficando careca”. Ela começou a chorar, soluçando, pela primeira vez. Era um choro sentido, dolorido demais. Ela não gritou e nem se irritou. Marcos veio até o banheiro e nos arrastou de volta para o quarto. Nos sentamos na cama. Ela, no colo do Marcos e nós três, abraçados, choramos muito. Deixamos ela chorar. Ninguém falava nada. Parece que naquele momento caiu a ficha de todo mundo. De coração muito apertado, Marcos começou a explicar que o cabelo nasceria de novo E que quem devia chorar era ele, que também estava careca, mas o cabelo não nasceria mais. Ela deu um sorriso e obviamente, concordou.

Ela finalmente se abriu e disse que não queria ficar careca porque no hospital tinha visto muitos carecas, mas nenhuma menina, só meninos. E ela seria a única menina careca. Pacientemente, expliquei que ela não via meninas porque elas usavam perucas, lenços ou chapéus. Que muitas mulheres também faziam esse tratamento e que da próxima vez que fôssemos ao hospital, mostraria algumas delas.

No dia seguinte ela ainda estava chateada. Toda vez que se olhava no espelho, apontava para a cabeça e fazia uma carinha triste. No terceiro dia, já nem se importava mais. Perguntei se ela gostaria de cortar o cabelo todo, para tirar os fiapos soltos e ela foi veemente: “Não, mamãe! Deixa meu cabelo aqui! Se ele cair tudo bem, mas ele ainda não caiu todo!” Explicamos que tínhamos guardado o cabelo dela para fazer um peruca bem bonita. Ela não quis nem ouvir ou mesmo ver nos sites mulheres com peruca!

Recebemos dezenas de visitas. Pessoas que ainda não conhecíamos ligavam ou mandavam e-mail pedindo para nos visitar. Na internet, aumentava o número de pessoas querendo acompanhar e nos ajudar de alguma forma. Algumas pessoas, , insistiam para que a gente aceitasse valores em dinheiro, para ajudar no tratamento. Outras tantas, não deixavam de ligar e perguntar, a todo momento, como tudo aquilo tinha acontecido. Foi aí que resolvi começar a escrever no blog. E minha inspiração para a escolha do nome, foi o que a psicóloga havia dito alguns dias antes: “Vida normal, mãezinha!”

Na véspera da internação, finalmente tivemos a constatação: Ana Luiza estava com a audição perfeita nos dois ouvidos! Ela submeteu-se a uma audiometria no hospital e o resultado apontou que ela estava com a audição perfeita nos dois ouvidos. E, visualmente, o olho esquerdo também parecia normal. Perguntei se ela ainda via “de dois” e ela disse que não. Só nos restava a dúvida se aquilo era o efeito dos corticoides diminuindo o edema ao redor do tumor ou se já era a quimioterapia fazendo efeito. Não podíamos deixar de agradecer às orações de todos, em favor da nossa filha. Mas não podíamos deixar, principalmente, de agradecer a Deus por esta primeira vitória.

Chegava o dia de mais uma internação. Alguns dos meus familiares estavam em SP: Tio Alex, meu irmão, minha cunhada Aline, tia Camila e vovó Aldenora. Ana Luiza não queria voltar ao hospital de jeito nenhum. Estava apavorada com a possibilidade de tomar picadas. Entretanto era preciso repetir o exame de sangue e levar o resultado para a médica, na consulta pré-internação. Aquele valor não saía da minha cabeça: “Tem que dar mais de 700! Tem que dar mais de 700!”

Ao abrir o resultado dos exames, os leucócitos estavam acima de 3000, totalmente dentro da normalidade. Me deu uma felicidade tão grande! Uma vontade de pular de alegria. A médica olhou para Ana Luiza e rindo disse: “Você é bem forte, hein mocinha?!?” Marcos perguntou sobre a melhora do ouvido e da visão e a médica foi cautelosa: “Provavelmente esta resposta é devido à quimioterapia e aos corticoides, mas definitivamente, um bom sinal”.

Marcos e eu nos olhamos e a sensação que tive foi que respiramos juntos e aliviados. Felizes da vida, fomos para o 1º andar, regularizar os trâmites da internação. Como ainda era cedo, a médica disse que se poderíamos dar entrada no hospital um pouco mais tarde, assim a gente poderia aproveitar o tempo e passear um pouco com ela. Ana Luiza olhou para o Marcos e pediu: “Pai, podemos ir comer mais um Mclanche feliz?” Marcos riu, sabendo que ela estava mais a fim dos brinquedinhos do que da comida em si. Mas, como comer, principalmente em véspera de quimioterapia, era fundamental, nós fomos.

Voltamos ao hospital para a internação e Ana Luiza estava ansiosa demais, falando muito, rindo. Na verdade, eu, que conheço minha pequena, sabia que ela estava preocupada, pois aquela euforia toda não era de alegria. Era nervosismo. Chegamos ao hospital e minha cunhada foi ao banheiro da recepção. Ana Luiza pediu para ir junto. Chegando ao banheiro Ana Luiza confidenciou a ela: “Tia Aline, posso te falar uma coisa? Você promete que não conta para mamãe? Eu estou morrendo de medo desse hospital! Eu estou rindo e tudo mais, mas estou com muito medo, isso sim! Mas não queria que minha mãe ficasse preocupada”

Depois dos trâmites feitos, Aline me chamou no canto da sala e engolindo o choro, contou o que Ana Luiza tinha dito. De onde estávamos, olhei para Ana Luiza e via ela abraçando o recepcionista do hospital, falando alto, cumprimentando todo mundo, contando piada. Uma alegria só.

Eu já sabia que ela estava apavorada, mas sabia também que ela era uma fortaleza. Eu também precisava ser, pois a quimioterapia desta vez não seria fácil.

20 comentários:

  1. #forçaAnaLuiza#
    As lágrimas são inevitáveis estamos com voces, certas da recuperaçao da Ana luiza!

    ResponderExcluir
  2. Querida Carol,quando leio seus tweet ou o seu blog tenho vontade de entrar por dentro do computador e de alguma forma mágica poder te abraçar e te dar colo como faço com meus filhos,todos já na faixa dos 30 anos,toda vez q eles estão enfrentando lutas e desafios.
    Eu e minha família já passamos e ainda estamos passando por grandes batalhas.Antes quando ñ conhecia o poder de DEUS e da fé tudo era mais difícil...Agora dói,mas temos a certeza q a vitória virá ,logo ali na frente.
    E assim será com vcs tbm,DEUS está agindo ,vcs tem visto isso...Continuem firmes nesta fé "SE CRERES VERÀS A GLÒRIA DE DEUS". ELE prometeu,e cumprirá. Amo vcs ,sem nem ter pedido licença para isso..Estou orando sem cessar.Muuuuuitas beijocas na pequena grande Ana Luiza!

    ResponderExcluir
  3. Oi, fisio! Também sou fisio. Estou passando só pra dar um alô e convidar. Tudo bem?

    “Para o legítimo sonhador não há sonho frustrado, mas sim sonho em curso” (Jefhcardoso)

    Gostaria de lhe convidar para que comentasse o meu “A Cruel Vingança De Seu Ignácio”. Ok?
    http://jefhcardoso.blogspot.com de blog em blog.

    ResponderExcluir
  4. Olá Carol, assim que eu soube o que vocês estavam enfrentando, corri pra frente do PC e já li o seu blog inteiro bem como alguns artigos que encontrei pela web. Saiba que eu, particularmente, confio todas as minhas dificuldades ao Salmo 91, e a partir de hoje irei orar também pela pequena Ana Luiza e pela sua família! Confia em Deus e saiba que a partir de hoje serão mais pessoas orando pela saúde dela.
    Um forte abraço!
    Herciliana (Manaus-AM)

    ResponderExcluir
  5. Oi

    Via muita gente usando na foto o nome da Ana Luiza, mas não sabia pq, hj minha amiga Mariane, contou o q leu e disse que vai rezar muito, eu fiquei curioso e ela me passou o endereço do blog pelo twitter, isso não faz 15 minutos.

    Este foi o primeiro que li, tenho 2 filhas a Emily de 15 anos e a Maria Luisa de 4 anos, senti um aperto no peito e meio que nao sei o q faria se estivesse nessa situação, dá vontade de chorar e se não se segurar, chora mesmo.

    Fiquei meio arrependido de não ter ido a igreja hj com a Naila e com a Maria Luisa, Deus abençoe vcs e possa dar muita força, espero que um dia tudo isso seja um passado distante, cinza, quase esquecido, e que todos vcs estejam novamente reunidos para celebrar a vida da Ana Luiza, sua formatura, ou seu casamento, ou o primeiro filho e tantos sonhos mais que nós pais cultivamos.

    Que Deus ilumine mesmo vcs, um beijo no coração e nosso abraço em vcs em especial na Ana

    ResponderExcluir
  6. Carol, como mãe, somos como leoas, nunca desistimos dos nossos filhos...

    Continuo orando por vcs todos, afinal, a Ana precisa de forças mas, vcs muito mais para auxiliá-la...

    Vc é uma heroína, e a Ana ? Nem se fala ...

    Deus está com vcs, não se apavore, apenas ore !

    Amo vcs , e que minha sobrinha postiça fique a cada dia melhor.

    bjs da tia-amiga Dani Brandão (Manaus/Am)

    ResponderExcluir
  7. Carol, não nos conhecemos, acabei de deixar outro comentário no post sobre o dia do Avião UTI.
    Fiquei muito emocionada com a história de vcs, entrei no blog pela 1ª vez hj e li tudo q vc escreveu. Vc narra os fatos de uma forma tão clara que nos faz sentir como se estivéssemos aí com vcs. Espero que esse blog vire um livro um dia, com um final lindo e feliz.
    Chorei por diversas vezes durante os posts e estou enviando vibrações positivas pra vc e Ana Luiza estará sempre nas minhas orações.
    Vc é uma guerreira e vitoriosa!

    ResponderExcluir
  8. Segui o rastro da minha amiga Lica que comentou algo no twitter...
    Tb não nos conhecemos.. Além de me comover com a história como ser humano, me comovi tb pq sou mãe de uma menina linda chamada Maria Clara. E fico imaginando a sua força, a sua garra nesses momentos dificeis.
    Vcs estarão em minhas preces.. Pedirei ao nosso senhor Jesus que ilumine a Ana Luiza, que ilumine vc dando cada vez mais, força para dá esse suporte materno a filhota.
    Estarei sempre aqui para saber notícias...
    Fiquem bem... Beijos

    ResponderExcluir
  9. Não sou mãe,mas nem precisa ser pra entender o que vc está passando! Sua filha é uma benção de Deus e pode ter certeza que ele está com ela. Tudo vai dar certo,essa princesinha vai melhorar,nós estamos torcendo. Fico suuper feliz quando leio que a Ana Luiza tá bem e fazendo graçinhas *-* Fiquem com Deus e que ele lhe dê mais força ainda pra vcs superarem as dificuldades!
    Muuuuuuuuuuuitos beijos!!

    ResponderExcluir
  10. oi mana,
    recebi as boas notícias hoje pela Arleide, pessoa maravilhosa por sinal.
    Pulamos todas de alegria, eu, Jack, Sâmia e Flávia, é uma vitória de Deus, com certeza.
    Estava me lembrando dos nossos dias na perlos, e me deu muita saudade de vc. Espero que volte logo, e sei com certeza que isso vai acontecer e junto com vc virá tbm Ana Luíza, para sua vida normal.
    A história de vcs vai mudar, aliás, já está mudando a vida de muita gente, a minha inclusive.
    Vi a foto de vcs no jornal, e notei seu sorriso amarelo e o sofrimento no rosto do Marcos, vcs são heróis, os heróis da Ana Luíza, e é um privilégio pra mim conhecer vc pessoalmente, realmente uma honra.
    Um grandíssimo abraço minha querida.

    ResponderExcluir
  11. Carol, Varella e Aninha!!
    Só ficamos sabendo da situação esta semana.
    Deus é maior, é poderoso e vocês são especiais...Lembro-me sempre, apesar da nossa falta de contato, saibam que moram no meu coração e que nós eu, Rina e Laurinha estamos rezando por vocês!!Tudo vai terminar bem!!CONTE CONOSCO PRA QUALQUER COISA, SEMPRE!!!

    ResponderExcluir
  12. Carol, Marcos e Ana,
    não nos conhecemos. Quer dizer, vcs não me conhecem mas já fazem parte de minhas orações.
    Não tenho palavras pra reconfortar vcs, mas Deus tem. Conversem com Ele...
    Estou aqui, fazendo parte dessa corrente que torce por vcs e admira a força que vcs estão tendo.
    Vou ficar aqui, esperando boas noticias, tao boas como a melhora da audição e da visão e do exame de sangue pra lá de bom.
    Abraços

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Conversando essa semana com o Renato, e contanto sobre a Ana para ele, e vendo sua cara de espanto e peruntando mais a "Carol mesmo?" Lembrei me do tempo da igreja... Quando soube do que tinha ocorrido a primeira coisa que me veio a cabeça foi um "menina- mulher frágil", mais lendo os seus post's vi o quanto estava engana. Você é um exemplo de força e esperança...
    Parabéns Carol pq se hoje a Ana tem forças para lutar e pq vc a ensinou ser assim.
    Ahhh quero assisitir o testemunho dela de recuperação, mas o primeiro, aonde for eu vou. Principalmente para conhecer essa garatinha que me fez chorar babstante... Beijos

    ResponderExcluir
  15. oi Carol tava escrevendo no meu blog e qd olhei p TV tava passando o programa do Jô c o Arthur + já no final ai como vi o email fui pro google procurar e parei no mesmo blog q vc, li tudo sobre ele e chorei bastante, depois escrevi um depoimento pra ele e em cima do meu estava o seu e me chamou a atencao a palavra manaus, eu sou de manaus + estou morando fora, entao fui vê o seu e só agora + de 2hrs da manha terminei de ler todo seu blog... naum sou mae e nem sei que palavras usar p te conforta e te incentivar só posso dizer que a Ana estará em minhas oracoes e em meu coracao, peco a Deus que como eu disse ao Arthur é um Deus de milagres, e de bondade infinita que coloque sua mae sobre a vida dela e lhe dê a cura... que Ele lhe dê forca p seguir e lhe dê conforto e consolo... Ana e Arthur ainda iram se conhecer e ser grandes amigos tenha certeza que para esses dois pequenos herois Deus tem planos e os está usando como bencao nas nossas vidas, como luz para os que os cercam... fikem c Deus, estaremos em oracao por vcs...
    "O Senhor te abençoe e te guarde.
    O Senhor faça resplandecer o Seu rosto sobre ti
    E tenha misericórdia de Ti
    O Senhor sobre ti levante o Seu rosto
    E te dê a paz.
    Amém."

    ResponderExcluir
  16. Olá Carol!
    Você ainda está em São paulo?
    Em concordância com Mike (que escreveu à cima), Deus é mesmo um Deus de milagres, e ele acaba de me dar uma ordem, de ir de encontro a você e orar pela a Ana.
    Meu celular é 11 9511 1736, me chamo Sérgio.
    Tem coisas que não tem como explicar, porque nem sabia da sua história, mas sei que preciso orar por você e o quanto antes.

    Meu email é sergio.garb@gmail.com

    Deus abençoe vc e toda sua casa.

    ResponderExcluir
  17. Sua filha é maravilhosa! Sempre me deixa sem palavras!
    Eu acredito muito que as coisas vão voltar ao normal na vida de vocês! Seja forte!

    Bjs,
    Michele Navega

    ResponderExcluir
  18. Acho q esse foi o blog mais emocionante q ja li em toda minha vida.......
    li cada post seu e me senti muito emocionada com tudo, me senti na sua pele, nunca irei saber ou sentir o q vc esta sentido, pq tudo isso é unico, cada pessoa sente diferente, mais coompreendo tudo q ta passando, e imagino qto sofrimento e q força, das duas e do seu marido, o pai de verdade dela, é lindo ver o amor ele tem por vcs...
    força muita força infelizmente é só o q posso desejar pra vcs, e orar pra q sua princesa se encontre com saude dentre em breve....boa sorte com tudo

    ResponderExcluir
  19. oi gatinha estou muito emocionada com sua historia e almesmo tenpo feliz em saber que existe pessoas fote como voce que o menino jesus ilumine sia vida estou torcendo por voce e vou colocar voce em milhas oracoes beijo carmen luiza

    ResponderExcluir
  20. Minha mulher está com linfoma, mas graças a Deus, a quimio está acabando com tudo e ainda faltam 4. Vc nos deu mais força...fica com Deus gatinha

    ResponderExcluir