segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

31 de Janeiro a 20 de fevereiro de 2011

Antes da internação para fazer quimioterapia sempre tem a consulta de rotina para verificar as condições do sangue da pequena. Felizmente, após 30 dias sem quimioterapia, o hemograma dela estava ótimo (para uma criança em tratamento de câncer, obviamente!).

Mas o melhor resultado de exame que tivemos naquela consulta, definitivamente, não foi o exame de sangue. Foi algo totalmente inesperado. Nem lembrávamos da biópsia do material retirado na cirurgia. Mas o oncologista, de frente pro computador, imprimiu o resultado e nos entregou: “Ausência de células neoplásicas no material analisado”.

Não sabíamos nem o que falar. Marcos e eu nos entreolhamos e demos uma risada! “Então não tinha mais nada?” - Perguntou Marcos. O oncologista disse: “Sim! Não tinha mais nada. Mas se não tivéssemos feito a cirurgia, nunca saberíamos.”

Foi impossível não pensar nas pessoas que, antes da cirurgia, diziam que não ia aparecer mais nada... Tio Fernando, Tio Buri, Josely, Simão e a própria Ana Luiza. Todos eles podiam levantar a plaquinha: “Eu já sabia!”

Ana Luiza foi logo dizendo: “Eu bem que avisei que não precisava dessa cirurgia, mas vocês não me escutaram. Agora tô aqui, com a cabeça costurada...” As risadas da gracinha da pequena, se misturaram com a alegria eufórica de mais uma notícia maravilhosa! Ainda meio assustada, tudo que eu pensava era: “Queria tanto ter essa certeza no meu coração. Essa fé inabalável, que a pequena tem. Que vergonha de mim...”

Perguntei ao médico quais seriam os próximos passos, mas nem ele sabia dizer ao certo. Nenhum dos médicos do setor de oncologia pediátrica do hospital imaginava uma resposta tão excelente à quimioterapia. Um rabdomiossarcoma espalhado por todo o corpo (como era o caso da Ana Luiza) dificilmente respondia de forma tão rápida, desaparecendo completamente apenas com a quimioterapia. Os médicos, no seu estilo lacônico, característico da linguagem científica, demonstravam seu entusiamo com a regressão do tumor apenas dizendo: “A resposta à quimioterapia foi brilhante. Excelente.”

Eles já tinham comentado conosco sobre o transplante autólogo – modalidade de transplante onde são coletadas células tronco hematopoiéticas (que dão origens aos componentes sanguíneos) e, após a aplicação de altas doses de quimioterapia (que de tão forte “mata” a medula óssea – produtor de células sanguíneas), elas são reinjetadas e a medula volta a funcionar, produzindo todos os componentes sanguíneos imprescindíveis para uma vida normal.

O transplante autólogo só é indicado para determinados tipos de câncer, conforme os critérios estabelecidos por institutos de pesquisas e comitês de ética, nacionais e internacionais. O principal critério para a adoção dessa modalidade de tratamento é que todas as metástases e o tumor principal tenham sido eliminados, restando muito pouco, ou apenas câncer a nível celular. Só assim, o transplante pode ser indicado com segurança e com chances de sucesso, ou seja, diminuindo as chances de recidiva precoce do tumor - o que é característico do Rabdomiossarcoma.

O rabdomiossarcoma metastático não possui indicação de trasplante autólogo pois existem poucos estudos que estabeleçam essa modalidade de tratamento como sendo eficaz para evitar recidivas. Mas, o grande motivo de não existirem estudos, é que não existe uma quantidade suficiente de crianças que sobrevivam e que consigam chegar até essa fase do tratamento.

Se por um lado saber disso é extremamente assustador, afinal Ana Luiza é uma das crianças que possuem o pior tipo de rabdomiossarcoma existente, por outro lado nos faz ter a certeza e a convicção de que Deus foi extremamente misericordioso conosco e que tudo isso tem um objetivo. Sem dúvidas, passar por essa experiência tem um propósito muito especial, que nos forneceu a chance de mudarmos completamente nossas vidas, perspectivas e atitudes diante das pessoas e da vida.

Internamos para o que seria a última quimioterapia de Ana Luiza antes do suposto transplante autólogo, que seus médicos estavam totalmente inclinados a submetê-la.

Assim que chegamos ao hospital, recebemos a visita muito especial de uma pessoa que também estava enfrentando sua própria luta contra o câncer – a Fabiana.

Mulher linda, por dentro e por fora. Entrou em contato conosco através do blog e combinamos de nos encontrar, pois tanto ela quanto Ana Luiza estariam fazendo quimioterapia no mesmo período. Nós já tínhamos nos conhecido antes, quando ela veio visitar Ana Luiza no pós-cirúrgico, mas essa visita foi especial, pois pudemos conversar bastante e eu pude constatar como os problemas não escolhem momento, nem pessoas.

Fabiana é uma mulher jovem, linda e muito simpática, que teve um diagnóstico devastador de câncer na região abdominal alguns meses após seu casamento. Ela morava na Europa há 10 anos e vivia sua vida feliz, entre sua rotina de trabalho e as reuniões nas casas de amigos e familiares do marido. Recém casada e ainda vivendo um período que para muitos casais é mágico – o início do casamento - resolveu investigar as dores constantes que tinha no estômago e o emagrecimento repentino, quando finalmente descobriu o câncer – incomum para a idade dela e de difícil tratamento.

Desnorteada, resolveu voltar ao Brasil para contar pessoalmente a trágica notícia a sua mãe e familiares, buscando neles, o apoio que é fundamental para um tratamento tão rigoroso como o que ela enfrentaria. Optou por fazer o tratamento no Brasil (no A. C. Camargo, onde seria atendida pelo SUS, após uma longa fila de espera, mas evitando os gastos excessivos que teria caso fizesse o tratamento em Portugal, onde morava).

Infelizmente, seu marido não quis dividir com ela esse fardo e a abandonou sozinha, numa luta extremamente desleal, onde a presença de um companheiro parece ser fundamental. Foi inevitável não me emocionar com sua força. Apesar da triste história (e de tantas outras que vamos conhecendo pelo caminho), Fabiana seguia sua vida. Sem seu companheiro e ainda muito machucada pelo abandono inesperado, ela encontrou forças nos familiares, amigos e pessoas que conheceu ao longo de sua jornada.

Histórias como a de Fabiana e de inúmeras pessoas que conheci, nos mostram o que é problema de verdade. E a gente passa e enxergar as “dificuldades” do dia a dia com tanto desdém que ficamos até meio chatos.

Mas depois de devidamente alojados no quarto, a primeira pergunta de Ana Luiza foi: “Mãe, quero passear lá fora. Podemos ir ao quarto do Arthur? Ele ainda está no hospital, né?

Aquela pergunta me deu um frio na barriga. Sem saber explicar que o Arthur havia falecido, pedi pra que ela me aguardasse no corredor, enquanto eu chamava o Marcos.

Cheios de dedos, explicamos que o Arthur tinha falecido, que estava com papai do céu, sem sentir dor nenhuma. Com uma cara de pavor ela retrucou: “Ele morreu? O Arthur morreu?” Eu imaginava a tristeza dela, principalmente porque a pequena nunca teve contato tão próximo com alguém que tivesse falecido e o pior: de uma doença que ela também tinha, afinal o Arthur também era portador de um rabdomiossarcoma.

Ela não quis mais passear. Quis voltar para o quarto imediatamente e os olhos cheios de lágrimas me deixaram com um nó na garganta. Marcos foi mostrar as notícias sobre o Arthur na internet. “E os pais dele, mamãe? E a vovó dele? Eles devem estar muito tristes...” Disse Ana Luiza, ainda sem acreditar.

Conversamos muito, Marcos explicou que Arthur estava no céu e que estava bem, sem dores, sem doença nenhuma. E que seus pais, apesar da tristeza de terem perdido o lindo filho, entendiam que ele estava bem e feliz.

Após algumas horas vendo e lendo tudo sobre o Arthur na internet, finalmente Ana Luiza entendeu a situação e simplesmente voltou ao normal. Foi passear pelos corredores e brincar. Mais uma lição que a pequena me dava. Ela demonstrou que a vida continua e que se ele está bem, porque ficar se lamentando? Quando eu soube da morte do Arthur, fiquei extremamente abalada por semanas e ainda hoje me entristeço quando lembro das palavras de sua mãe e do amor de seus familiares. Mas Ana Luiza não. Ela é, definitivamente, melhor do que eu.

A quimioterapia começou bem. Seria o mesmo esquema do último ciclo: dois dias de drogas “menos agressivas” e poderíamos ir pra casa. Entretanto, a equipe de oncologistas pediátricos veio até o quarto e nos informou que eles haviam definido os próximos passos: Ana Luiza seria submetida ao transplante autólogo de medula óssea. Para tanto, eles aproveitariam esta internação para implantar o cateter central por onde coletariam as células tronco e as reinjetariam posteriormente.

Os médicos explicaram que, diferente do cateter que ela já utilizava para receber a quimioterapia, este cateter central era externo, com duas vias e um tanto desconfortável – mais tarde entendi que eles usaram de muito eufemismo com relação ao desconforto do cateter. Por ser externo e precisar de curativos diários, o risco de infeccionar era muito elevado, mas que ele era imprescindível para a realização dos procedimentos do transplante.

No dia em que deveria receber a alta hospitalar, ao invés de ir pra casa ela foi para o centro cirúrgico para colocar o tal cateter. Ela estava irredutível, não queria “de jeito nenhum” ir novamente para “aquele lugar horrível”... Mas foi paparicada pelas enfermeiras e rapidamente cedeu, apenas enfatizando que não ia querer “cheirinho” nenhum, se referindo a anestesia inalatória feita com máscara facial. Exatamente como da vez anterior, eu mesma a posicionei na mesa de cirurgia. Rapidamente ela dormiu e eu deixei a sala de cirurgia.

O fato é que nunca vou me acostumar com isso. Vê-la tão indefesa, desmaiada e sendo manipulada por tantas pessoas é sempre desesperador. A sensação é a mesma desde a primeira vez que ela foi para um centro cirúrgico. Acho que nunca vou deixar de temer e me preocupar!!

O procedimento foi muito rápido. Em 40 minutos tudo havia terminado e ela estava na recuperação anestésica. Voltar da anestesia geral é sempre ruim e pra piorar, tinha um cateter com 15cm de plástico pra fora do pescoço dela. Parecia uma grande seringa espetada em seu pescoço. A coisa mais feia e desconfortável que eu já tinha visto. Mas felizmente, os médicos aproveitaram que ela estava anestesiada e tiraram os pontos da cirurgia da cabeça, o que a poupou de mais um incômodo.

Assim que ela acordou da anestesia, achou “um absurdo” aquele cateter. Chorando, ela falava mal de todo mundo: “Esses médicos são terríveis, mãe! Eu não consigo nem mexer o pescoço! Que coisa mais horripilante! Chama essas enfermeiras aí e avisa que eu quero ir embora desse lugar!!”

Voltamos para o quarto no 5º andar e Ana Luiza virou um robô: não mexia, sob qualquer hipótese, o pescoço. Andava toda torta e dura, como se tivesse engolido um cabo de vassoura. Tudo incomodava, principalmente dormir, pois só conseguia ficar em uma única posição. Deitar e levantar da cama era um suplício pois ela sempre sentia muita dor.

No dia seguinte, a chefe da oncologia pediátrica nos chamou até o ambulatório de pediatria para conversar sobre os próximos passos do tratamento. Ela, que sempre demonstrou certa frieza e distanciamento, nos explicava com um olhar mais esperançoso que o transplante, apesar de ainda não ser protocolo em tratamento de rabdomiossarcoma, era uma estratégia que valia a pena tentar, em virtude da excelente resposta a quimioterapia que Ana Luiza tivera.

Ela enfatizou, entretanto, que a equipe estava tendo dificuldades em definir qual seria o condicionamento – drogas utilizadas na quimioterapia de altas doses - que seria aplicado em Ana Luiza. Eles haviam entrado em contato com diversos hospitais, tanto no Brasil, quanto no Exterior e cada um deles dava uma estratégia diferente. O caso de Ana Luiza era completamente incomum e portanto, quase não existiam estudos de caso, artigos ou relatos em outros hospitais de um caso clínico parecido. Sendo assim, o transplante poderia ser um tratamento definitivo ou não. Era um risco que eles estavam assumindo, em virtude da rápida e excelente resposta ao tratamento com quimioterápicos.

Por um lado aquilo me deixava convicta da cura da minha pequena, do milagre recebido e da benção que nunca seria suficientemente agradecida por mim e meus familiares. Mas por outro lado, tudo que a médica explicava me deixava com os nervos a flor da pele e pensando bobagem: “Então os médicos vão testar isso em Ana Luiza? Então eles vão tirar da cabeça deles o que fazer com ela? ” - Que sufoco. Meu coração estava doído demais.

Enfatizou também que quando a medula fosse reimplantada, poderia levar algum tempo até ela voltar a funcionar perfeitamente, o que aumentava os riscos de infecção e dias de internação.

Mas isso vai curá-la?” Perguntei, de olhos arregalados. “Não sabemos, pois como expliquei anteriormente, não existem muitos estudos. Mas esperamos que isso diminua as chances de recidiva do tumor e aumente a sobrevida da sua filha”.

Sobrevida! Como tenho raiva dessa palavra. Eu sei que os médicos a utilizam de forma acadêmica e blá, blá, blá... mas eu não quero que minha filha tenha “sobrevida”. Quero que ela fique curada e pronto. Não quero que ela seja uma estatística, tratada como um número (um óbito a mais ou a menos)... Ouvir as palavras da médica naquelas circunstâncias, era o mesmo que estar comendo um bolo e alguém passar e jogar areia em cima. Ela tentava ser simpática, mas me dava calafrios.

Antes de sairmos do ambulatório, a médica disse que Ana Luiza necessitaria se submeter a uma biópsia da medula, para garantir que não existia mais nenhuma célula cancerígena no material que seria transplantado. Ela disse que tentou subir com a equipe para fazer a biópsia no dia em que ela colocou o cateter, mas que não conseguiram, pois ela já estava acordando da anestesia.

Eu não gostei da ideia de levá-la mais uma vez ao centro cirúrgico. Mas não tínhamos opção e eu entendia certos “desencontros” da equipe, pois eles também estavam tentando assimilar a rapidez das coisas e a melhora repentina de Ana Luiza. Agora era o momento de manter a firmeza e correr atrás das autorizações do plano de saúde, uma dor de cabeça sempre presente quando se trata dessa doença. Felizmente, nosso plano de saúde era excelente e até aquele momento tivemos pouquíssimos aborrecimentos.

Voltamos para o quarto e Ana Luiza estava bem, mas ainda andava igual um robô. Contei que no dia seguinte ela teria que ir, novamente, ao Centro Cirúrgico e ela, como esperado, detestou a ideia. Mas entendeu a importância e disse que a biópsia “nem doía tanto assim”.

No dia seguinte, lá fomos nós, mais uma vez, para o bendito Centro Cirúrgico. Dessa vez, a oncologista preferida de Ana Luiza faria a biópsia, o que a deixou mais tranquila. Assim que o anestesista chegou, Ana Luiza foi logo dizendo: “Nada de cheirinho, viu? Eu detesto esse 'cheirinho fedidinho' que vocês colocam...” Fui até a sala de cirurgia e ela não queria ficar deitada na mesa de jeito nenhum. Dizia que no ato de deitar-se, o local onde tinha sido implantado o cateter, doía demais. E ela ficou sentada.

O anestesista pediu que segurássemos ela com cuidado, pois ele injetaria a anestesia e ela imediatamente perderia os sentidos. Um enfermeiro e eu estávamos ao lado da Ana Luiza quando ela praticamente desmaiou nos meus braços sob efeito da anestesia. Arrumei-a na mesa e os médicos, como sempre, apenas disseram: “Agora você já pode ir, mãe!” E o frio na barriga era exatamente o mesmo das outras vezes em que a deixei na mesa de cirurgia.

O procedimento foi mais rápido que o anterior e Ana Luiza foi para a recuperação anestésica aguardar para voltar para o 5º andar. Ela estava muito desconfortável. No pescoço tinha um cateter horrível, super desconfortável. E agora tinha dois furos nas costas, que a incomodavam bastante para levantar e sentar. Ficou no hospital mais um dia, não dormia bem e sentia dificuldade para andar normalmente.

Além de tudo, ela começou a tomar, duas vezes ao dia, um medicamento via subcutânea (injeção na barriga), para estimular a produção de células de defesa (leucócitos) e células tronco (CD34+). O pavor de injeção (seja do tamanho que for) era pior do que 1000 cateteres enfiados no pescoço e o choro desesperador era inevitável. E o pior, ela tomaria esse medicamento por uns bons 15 dias até ter células tronco suficientes para serem coletadas.

Enfim, recebemos alta. Os médicos vieram conversar e explicaram que aquele era o último ciclo de quimioterapia de Ana Luiza e que se tudo corresse dentro do cronograma, provavelmente no final de maio, receberíamos alta do tratamento, com remissão completa da doença, devendo vir ao hospital uma vez ao mês para exames e consultas de rotina.

Ouvir aquilo era maravilhoso, vocês não conseguem imaginar a alegria do meu coração! Saber que teríamos apenas o transplante e as 30 sessões de radioterapia para concluir o tratamento, era a melhor notícia possível! Quantas crianças não estavam lá, há anos, enfrentando um tratamento? Quantas famílias esperavam anos até conseguir voltar para suas cidades de origem e tocar a vida? E quantas, após anos de luta, viam seus filhos cada vez mais enfraquecidos diante da doença?

Quando chegamos em SP, não existia qualquer previsão para voltarmos para Manaus. Os médicos mais otimistas nos diziam que ela ficaria em tratamento em SP por pelo menos 1 ano e meio. A literatura científica era muito menos otimista e muitas vezes catastrófica, reafirmando inúmeras vezes as poucas chances de uma criança com rabdomiossarcoma metastático sobreviver ao tratamento.

E em apenas 4 meses o câncer de Ana Luiza desapareceu. O que minha família e meus amigos vivenciávamos era algo espetacular. E eu, com meu coração de mãe, não me permitia comemorar por completo. A celebração ocorreria no dia em que eu voltasse com minha filha para nossa casa em Manaus. No dia em que ela entrasse em seu quartinho cheio de bonecas e pulasse na cama! No dia em que eu sentisse o cheiro da minha casa, dos meus lençóis, da minha cozinha... Neste dia sem dúvidas eu me permitiria comemorar, pois finalmente estaríamos tentando voltar a ter nossa vida normal de sempre!

Sem dúvidas receber aquela notícia me deixava feliz. Entretanto, eu estava consciente de que ainda existia um longo e árduo caminho a percorrer. E de fácil, ele não teria absolutamente nada. Marcos voltou mais uma vez para Manaus e ficamos apenas nós três: Ana Luiza, minha mãe e eu.

Ao sair do hospital teríamos uma jornada cansativa: Diariamente, viríamos ao hospital, duas vezes ao dia, para que Ana Luiza recebesse as aplicações de Granulokine e fizesse os hemogramas. Todos os dias saíamos de casa com o céu ainda escuro, pegávamos um táxi, aguardávamos no laboratório, para ela coletar amostras de sangue e, em seguida, aguardávamos quase 1h para ela receber a dose de Granulokine e voltávamos pra casa. No fim da tarde, pegávamos outro táxi, esperávamos mais 1h para a aplicação do medicamento e voltávamos pra casa.

Os 2 primeiros dias foram bem difíceis, mas rapidamente Ana Luiza passou a tirar de letra. Sempre inventava uma brincadeira diferente, conversava com todos os atendentes e enfermeiros, fazia novas amizades e pronto: Aquilo não era nada demais. E o cateter nem incomodava mais.

Mas eu... bem, eu estava moída! Além da rotina desgastante eu não conseguia dormir direito, pois ficava vigiando o sono dela, com medo que ela deitasse por cima do cateter (colocado do lado esquerdo do pescoço) e prejudicasse de alguma forma a coleta das células.

Os médicos estimaram que após o 12º dia de aplicação de Granulokine, os leucócitos estariam bem elevados e ela poderia fazer um exame específico para detectar as células tronco CD34+ na corrente sanguínea. Todavia, 4 dias antes do esperado, os leucócitos haviam subido sobremaneira (50 mil leucócitos!!!) e a enfermeira do setor de transplante de medula pediu que viéssemos ao hospital para fazer o exame específico para avaliar a presença de células CD34+.

Depois de indas e vindas dentro do hospital por causa da falta de autorização do plano de saúde, paguei particular o tal exame e finalmente Ana Luiza conseguiu fazê-lo. Sem este exame, era impossível detectar a presença das células tronco na corrente sanguínea, o que atrasaria a possível coleta. Eu ficava imaginando qual o motivo do plano de saúde autorizar um transplante tão caro e não autorizar um exame de 400 reais, que é imprescindível para o procedimento.

Enfim... Feito o exame, a enfermeira pediu que fôssemos até o Banco de Sangue de SP, localizado dentro do hospital, pois eles seriam os responsáveis pela coleta das células. Os dois médicos nos explicaram como era feito o procedimento e que seria indolor, mas o medo do desconhecido é algo incontrolável. Só em visualizar aquela máquina de aférese enorme e barulhenta que seria utilizada para separar as células, Ana Luiza entrou em pânico achando que fosse sentir dor. Foi dureza convencê-la, mas entre choros e olhos arregalados, ela finalmente entendeu.

Eu precisava resolver inúmeras coisas ao mesmo tempo e, infelizmente, minha mãe tinha amanhecido com uma crise de coluna que a impedia de andar. Quem sabe o que é crise de hérnia discal entenderá a “invalidez” temporária que a pessoa é acometida quando entra em crise.

Minha mãe não é meu braço direito. Ela é meus dois braços e minhas duas pernas. Sem ela aqui desde o início, acho que eu teria sucumbido a primeira avalanche de problemas. Mas naquele dia ela estava impossibilitada, momentaneamente, de me ajudar com Ana Luiza enquanto eu resolvia as burocracias.

Mais uma vez eu contei com Marcos, que de longe me ajudava a resolver as dificuldades com o plano de saúde. E enquanto aguardávamos o resultado dos exames, eu corria de um lado para o outro, tentando que o plano aprovasse os outros exames que ela precisaria, caso o primeiro evidenciasse a presença insuficiente de células. Os médicos esclareceram que é necessária uma quantidade “n” de células tronco e que, as vezes, isso pode demorar algumas semanas, tendo que submetê-la a mais de uma coleta e mais de um exame até a quantidade de células ser suficiente para o transplante.

Eu não achava justo ter que pagar 400 reais todos os dias para fazer um exame que estava diretamente relacionado ao transplante, procedimento que já havia sido autorizado pelo plano de saúde. Aquilo era irracional e eu lutaria até o fim para que eles entendessem a bizarrice da situação.

Incrivelmente, Ana Luiza não precisou mais de nenhum exame, nem de continuar recebendo doses cavalares de Granulokine: O exame apontou que ela tinha 8 vezes mais células que o necessário para a coleta. Os médicos disseram que sua medula óssea, apesar da agressividade da quimioterapia que ela tinha se submetido, estava em excelentes condições e rapidamente respondeu ao estímulo do medicamento, produzindo células tronco de qualidade e em quantidade acima do esperado.

Fiquei extremamente feliz e Ana Luiza iniciou a coleta na mesma data do exame, dia 09/02, às 13h. A coleta das células consistia, basicamente, em: acoplar a máquina de aférese nas duas vias do cateter. Uma das vias, aspirava o sangue da corrente sanguínea e levava até a máquina, que fazia a separação dos componentes sanguíneos, ficando apenas com as células CD34. Estas células ficavam armazenadas em algo parecido com uma bolsa de sangue. Enquanto separava as células, a máquina devolvia, simultaneamente, o restante do sangue pela outra via do cateter.

O processo levava aproximadamente 5 horas para ser concluído e apesar do medo e do choro iniciais, após 1h de coleta, Ana Luiza caiu em sono profundo, acordando somente no término do procedimento.

Terminada a coleta, a bolsa contendo as células tronco era novamente submetida a análise laboratorial (desta vez, depois dos nossos apelos, o plano de saúde autorizou) e em seguida era congelada e ficava armazenada no Banco de Sangue, aguardando o momento de ser reinjetada em Ana Luiza, através do mesmo cateter utilizado na coleta das células.

Em virtude da rapidez com que o procedimento foi feito, o transplante autólogo foi agendado exatamente após 21 dias do último ciclo de quimioterapia, ou seja, dentro do prazo ideal para que ela se mantivesse sempre “protegida” pela quimioterapia, antes de iniciar um novo (e último) ciclo.

E quando eu respirei aliviada, pensando que teríamos alguns dias de “folga” antes da internação, os oncologistas nos “presentearam” com uma lista enorme de exames que Ana Luiza precisaria se submeter antes do transplante. E reiniciava outra maratona.

Consegui agendar todos os exames: Cintilografia óssea, tomografia, ressonância magnética, eletrocardiograma, ecocardiograma, exames laboratoriais (47 exames – foram coletados exatamente 9 tubos de amostras de sangue), consulta com estomatologista, raios X panorâmico dos dentes e consulta com dermatologista e dentista. Todos eles para a mesma semana.

Minha mãe (meus braços e pernas) precisou voltar para Boa Vista e “passou o bastão” para a outra avó: Minha sogra Eliane. Um dia antes de minha mãe voltar para Boa Vista, meus sogros chegaram e participaram da rotina exaustiva de exames.

Segundo os médicos, Ana Luiza precisava estar “100%” antes do transplante. Uma cárie nos dentes poderia ser o suficiente para ela ter uma infecção mais difícil de tratar, ou facilitar o ambiente para a proliferação da mucosite. Ainda tinha a preocupação com a unha do polegar da mão direita, que parecia ter um fungo. Os odontólogos parabenizaram a pequena: seus dentes estavam em perfeitas condições. Ela fez uma limpeza, mas não precisou de mais nada. E durante a consulta com a dermatologista, descobrimos que não se tratava de um fungo na unha e sim de um granuloma piogênico, uma espécie de tumor benigno, que ocorria geralmente em virtude de um trauma ou infecção na unha (algo que até agora não compreendi como aconteceu!!)

A dermatologista nos deu duas opções de tratamento: aplicar anestesia local e retirar parte da unha, ou cauterizar a lesão com ácido e usar iodo e rifamicina duas vezes ao dia.

Conversei com Ana Luiza e era difícil pedir que ela escolhesse entre dois procedimentos traumáticos e doloridos. A dermatologista, optou pelo menos traumático, mas a gritaria ao cauterizar a lesão foi absurda! Mas era algo necessário. Ver minha pequena berrando de dor, maltratava demais meu coração. Eu não podia fraquejar enquanto ela superava mais um desafio. Me restava manter a firmeza, dando toda força do mundo pra ela.

Os exames ocorreram todos dentro do planejado. Apesar da exaustão do corpo (e da mente) e de alguns atrasos que me faziam correr feito louca de um lado para o outro do hospital, tivemos êxito total na realização dos exames. Mais uma vez, Deus mostrava que estava sempre ao nosso lado.

Além da maratona desgastante no hospital, a rotina em casa também era bastante cansativa: Além da dificuldade para tomar banho por causa do cateter, ainda era necessário cuidar da unha duas vezes ao dia e refazer o curativo do cateter 1 vez ao dia. Além disso, tinha as diversas vitaminas e alimentos especiais, para tentar fortalecer sua imunidade antes do transplante.

Enfim, depois da correria, finalmente tivemos um final de semana de descanso. Marcos, que estava em Manaus, veio ficar conosco e a presença dele sempre nos fortalecia muito. Estarmos juntos na véspera desse importante passo no tratamento de Ana Luiza é muito importante para todos nós!

95 comentários:

  1. oi carol meu nome é ana paula moro em itarare-sp e estou encantada com ana luiza.como ela é forte linda e abençoada por deus.sinto vergonha pelas x que reclamei por coisas míseras e hj vejo que td k tive nao era nada perto do que a sua fortaleza esta enfrentando. e tenha certeza DEUS está com vcs e com vcs permanecerá. sei que hj é um dia mto importante e sera de mta vitória. alias vcs ja são vitoriosas.estou longe mas meu coração e meus pensamentos estão ai pertinhos de de vcs. orando e pedindo a DEUS que td corra bem e logo logo isso faça apenas parte de um passado. mas com uma liçao e durará a vida inteira. beijos a vc carol e milhões de beijos a ana (minha xará), que todos os anjinhos e nossa mãe nossa senhara aparecida esteja com ela. fiquem com DEUS. beijos .ANA PAULA

    ResponderExcluir
  2. Carol, além da força da Pequena, eu fico muito impressionada com a sua força e a do Marcos, não deve ser nada fácil (apesar de toda a confiança que depositamos na sabedoria dos médicos) aceitar que a sua filhinha seja submetida a tantos tratamentos, internações, etc e ainda mais em um caso que não há um protocolo guia como este. Mas vocês estão corretos, porque vocês não confiam apenas nos médicos humanos, e sim, como eu já li aqui muitas vezes, confiam no Médico dos Médicos, que é Quem está olhando e cuidando da Ana de verdade.
    Muita força para vcs três. Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Oi Carol...vc com tanta coisa pra pensar e se preocupar, resolver...ainda se lembrou de mim...e com tanto carinho e serenidade como sempre...embora nos vimos pouco, e vamos nos ver mais com certeza...
    estou sempre a pensar em vcs...que familia linda, que exemplo de amor, união, de força...admiro demais vcs...que Deus continue abençoando grandemente essa familia linda..
    beijos
    e vai dar tudo certo, acredito..vcs sao muito especiais.

    ResponderExcluir
  4. Oi Carol! Conheci a história de vcs por meio da internet e amigos em comum que temos, desde então tenho acompanhado a luta de vcs, torcido e rezando. Como mãe imagino a aflição de vcs. Fico feliz que tudo esteja dando certo e continuarei aqui mandando energias positivas até eu ler nesse blog a palavra ALTA. Deus está com vcs e continuará a guiar os seus passos. Abraços

    ResponderExcluir
  5. Oi Carol,
    acompanho a história de vocês desde dezembro, mas nunca comentei aqui...
    Mas sempre que tem um post novo fico com muito pensamento positivo esperando boas notícas no próximo!
    A força de Ana Luiza é impressionante, e isso se reflete nos resultados do tratamento.
    Mande um beijo enorme pra ela, e diga que a Denise aqui de Florianópolis está torcendo um montão pra ela. E se um dia quiserem vir conhecer as praias do Sul, são minhas convidadas lá em casa :)
    Um beijo pra família inteira!
    Denise

    ResponderExcluir
  6. Carol, Marcos e Ana, vcs são uma família abençoada! Mesmo tendo que passar por tantas provações, estão cientes de que Deus está a frente de tudo e que o dia da ALTA e CURA da Aninha está se aproximando... As orações continuam, a torcida idem! Cada vez que vc atualiza o blog, é como se estivéssemos participando realmente de cada etapa do tratamento (além do que acompamhamos por twitter/facebook). Vc detalha tão bem tudo, que nos faz sentir uma forte emoção e um carinho especial por vcs! Obrigada por nos permitir acompanhar tudo... E que esta nova etapa do transplante seja um SUCESSO como tudo o que aconteceu até aqui! Fiquem com Deus  e contem conosco! Um grande bj da Danielle Brandão e familia
    M

    ResponderExcluir
  7. Essa menina e muito amada do Pai, tem uma missao linda, hj vcs nao entendem, mas amanha entenderao.BjusLucia

    ResponderExcluir
  8. A Ana Luiza está curada, graças a Deus e a sua força. Fé sempre, minha querida prima!E muita força nessa jornada que pelo que li é dificílima! Mas Deus sabe o que faz. Um beijo grande. Te amo, fica com Deus!

    ResponderExcluir
  9. Oi Carol que bom receber noticias tao animadoras, que maravilha vê o Poder de Deus agindo na vida da Ana, que Ele continue com sua mao poderosa sobre a vida dela e tenha certeza que vai dar tudo certo, estaremos aki orando por vcs, que Deus te dê forca e sabedoria, conforto e consolo e logo mais a cura total da Aninha e nós estaremos esperando ela retornar pra Manaus e escrever um livro pra fechar com chave de ouro toda sua superacao, seu exemplo de forca, coragem e fé... posso dizer que vcs sao um exemplo de familia e essa pequena nos faz sentir vergonha de como somos fracos e sem fé... forca !!! Deus abencoe vcs !!!

    ResponderExcluir
  10. Oi Carol, meu nome é Luciane, sou de Curitiba-Pr e mãe de duas meninas. Li seu blog inteiro, chorei diversas vezes e agora passo sempre por aqui para saber das novidades dessa Pequena Grande Mulher que é a Ana Luiza. A luta de vocês é digna de um roteiro de filme e sua coragem é algo inenarrável, não tem como definir. Graças a Deus pela cura da Aninha, por te guiar e cuidar do seu coração. Se for possível peço a gentileza de enviar-me um e-mail com seu endereço para enviar-mos um presentinho para a Ana Luiza, pode ser? Meu e-mail é lujost@gmail.com Um grande abraço com carinho!!

    ResponderExcluir
  11. Carol, Marcos e Ana Luiza!!

    Estou muito feliz. Vou continuar na torcida, pedindo a Deus que essa princesa, possa logo voltar à terrinha curada!!

    Beijo grande em todos,

    Valéria Abreu

    ResponderExcluir
  12. Sua história mexe demais comigo. tenho uma filha da idade da sua, e não consigo imaginar nada parecido acontecendo comigo...Você e Ana Luiza são heroínas. As vezes nem consigo terminar de ler suas atualizações, me emociono e fecho a página. Passei alguns traumas, nada comparado ao que você está passando. Mas ainda dói...
    Você merece toda a força do mundo.
    Minha filha acompanha também seu blog e reza sempre por Ana Luiza...
    Conheço uma amiga sua, que foi quem indicou o blog. Espero um dia, quando tudo estiver sido superado, conhecer vocês duas.
    Que Deus abençoe vocês, a cada minuto.

    ResponderExcluir
  13. Olá Carol, me chamo Fabiola, sou de Manaus e temos amigos em comum. Acompanho via blog com muito choro e muita alegria cada passo,cada vitória da Ana Luisa.
    Não tenho filhos, proém tenho sobrinhos e já tenho um amor enorme por eles. Imagino o amor de uma mãe.
    Força!! Principalmente força e muita saude para a pequena.
    Que seja louvado nosso Deus por tantos milagres que tem realizado!!!
    Continue tendo Fé....afinal, Deus é onipresente, onisciente e onipotente!!

    Fiquem com Deus.
    Fabiola Guimarães

    ResponderExcluir
  14. Querida Carol e princesinha, vcs são exemplo de força e fé. Todos estão d eparabéns por nunca, nunca terem desistido. Vcs são grande exemplo pra mim! Parabéns por tudo, e com certeza Deus está cuidando imensamente de vcs. Milagre!! Beijossss e continue com força e fé sempre. beijãooooo

    ResponderExcluir
  15. Nem sei o que dizer, só sei que há meses torço todos os dias pela Ana Luiza e por você, oro para que Deus dê a vocês a força necessária para superar tudo isso.

    E nossa, como ele tem sido bom, olha o milagre da vida da pequena, tirando de letra um câncer tão mortal! É de animar o coração de qualquer um!

    Que DEUS continue com vocês, guiando a mão dos médicos e orientando todos os procedimento. A torcida já é enorme, pode ter certeza.


    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Carol Passei por tudo isso....meu filho teve um rabdomio, fez transplante autologo no Einstein, com o Dr Vicente odone, usou este cateter, sei bem o que vc esta passando...desejo tudo de bom para nossa pequena Ana Luiza e para sua familia, quero saber a data do transplante para fazer orações, e mentalizar a cura e recuperação dela. Seja forte, pense e foque: Esta Passando, ela vai ficar livre disso tudo e ter uma vida normal,correr brincar, ir a escola, e acima de tudo te dar muitas alegrias.

    ResponderExcluir
  18. Carol,

    Só posso desejar muita força e ainda mais fé para você, Marcos e Ana Luiza... Deus está no comando e não apenas ele, mas toda a espiritualidade, todos os amigos espirituais, ao lado de vocês, auxiliando, confortando, dando força....
    Fé, apenas isso que precisamos, a Ana Luiza vai sair mais uma vez vitoriosa dessa batalha e todos estão logo logo de volta a Manaus, seguindo a vida, que não será mais normal, mas será imensamente mais FELIZ...

    ResponderExcluir
  19. Olá Carol, MArcos, e família, e especialmente Ana Luiza.Conheci o blog pelo um retwitter de uma amiga, então começei a ler e não parei mais até saber todas as notícias da pequena grande guerreira, pois ela ensina a nós todos o verdadeiro sentido da esperança. Não as conheço, mas é como se vocês fossem amigas a muito tempo.Fico muito feliz ao ler cada post com uma nova alegria na busca da cura desta doença dão terrível, a luta da Ana me fez refletir muito sobre o verdadeiro sentido da vida, e o quanto devemos ser gratos por cada segundo que passamos, e neste mundo tão cheio de coisas e pessoas ruins é muito bom ler estas linhas escritas com muito amor que só uma MÃE verdadeira pode retratar com tamanha fé.
    Torço e rezo para que cada dia as notícias sejam as melhores e quero com certeza acompanhar a evolução da pequena na luta pela vida. Abraços carinhosos. obrigada.

    ResponderExcluir
  20. Bom dia família abençoada.
    Acreditem....Jesus, na sua imensa bondade, sempre teve um amor muito grande pelos doentes. Tds os que Dele se aproximavam ou pediam sua misericórdia foram acolhidos e curados. Mas, Jesus olhou em primeiro lugar para a fé de cada um deles. Também nós, em nossa confiança no Deus da Vida, pedimos sua misericórdia. Se Deus não dá aquilo que pedimos, jamais deixará de nos conceder aquilo de que precisamos. Confiemos, pois, no Senhor, seja qual for a circunstância de nossa vida. E isso sei que vcs fazem sempre, confiar no Senhor. Ele não vos abandonará. bjs e fiquem com Deus. Carminha Leão

    ResponderExcluir
  21. Carol,

    Sem dúvida, uma das melhores coisas que aconteceu na minha vida foi descobrir a sua história! E olha, infelizmente só vim descobrir agora.
    A paralvra que não sai da minha cabeça é: VERGONHA.
    Vergonha de achar que eu é que tinha problemas, Vergonha de achar que Deus é sim, o maior de todos, mas que ela não lembrava de mim, Vergonha de reclamar de tudo que eu achava que não era a maneira certa de ser/acontecer, Vergonha de nunca procurar saber o que era quando via no twitter as pessoas colocando #ForçaAnaLuiza.
    Mas acretido, assim como vc diz acreditar, que Ele sabe o que faz!
    E queria te parabenizar por ser essa guerreira que és, e se a Ana Luiza é uma fortaleza, é que o exemplo maior ela teve dentro de casa.
    Saúde, paz e Força sempre!

    Bjs

    Carina

    ResponderExcluir
  22. Oi Carol,
    Vi nesse link que vocês estão precisando de doadores de sangue. http://twitpic.com/4663xm
    Eu posso mas só estarei em SP na quinta feira!
    Se você achar que der, não sei, me mande um email, não sei como funciona esse negócio do tempo, nem onde ir, nem nada na verdade!
    meu email é: ca1456@gmail.com

    Que a Ana continue se recuperando rápido!
    Muita saúde e felicidade pra todos ai!

    bjo,
    Carolina Freddi

    ResponderExcluir
  23. Que história linda a de vocês. Independente do futuro, o presente de vocês é lindo, porque é cheio de amor. Também sou mãe, me emocionei muito e amanhã mesmo vou ligar no hospital para ver se posso ser doadora.

    ResponderExcluir
  24. Parabéns pelos exemplos de vida!

    Confesso que ainda estou sem palavras, nada do que penso em escrever está à altura de vocês.

    Você, seu marido e principalmente sua filha, merecem todas as bençãos. Ela realmente é uma menina muito especial.
    Estou na torcida para que em breve vocês recebam a notícia que aguardam desde o diagnóstico.
    Conheci o blog ao receber por email o pedido de doação de sangue, que já repassei para todos os amigos.
    Li os posts mais recentes, fiquei muito tocada e antes de ler o blog todo, quero deixar meu apoio, pois li no twitter que ela está na UTI para controlar a pneumonia. Que este Carnaval na UTI seja o mais tranquilo e alegre possível. E que logo ela receba alta para ir pra casa.
    Todo amor para Ana Luiza.

    Bia

    ResponderExcluir
  25. Parabéns pela força!!!!

    Chorei do inicio ao fim lendo esse post e vendo as fotos da pequena. Imagino a sua dor e lhe admiro por estar firme e forte. Nessas horas vemos do que somos capaz.
    Ana Luiza é uma criança super abençoda por Deus e logo logo não vai precisar estar passando por mais nada disso, ela é forte linda e ILUMINADA.

    Estarei rezando por vocês e que ela tenha alta logo e possa voltar a sua vida normal!

    Beijos, carinhos, abraços solidarios de Karina

    ResponderExcluir
  26. Olá, vi sua campanha nos TT da Rede mulher e mãe, depois por amigos em comum de RR. Estou chorando MUITO lendo seu post! Vc e a Ana Luiza são guerreiras, mãe! Força só o amor dá, e vcs parecem ter muito! Abraços!

    ResponderExcluir
  27. Carol,

    vim ler sua história hoje embora já tivesse ouvido falar por alto no twitter.

    Meus parabéns, sua filha é muito parecida com a minha sobrinha e é muito doloroso pensar que poderia ser qualquer um de nós, mas, não sei se o "nós" tem tanta força como vocês. Força! Paz! Vocês merecem!

    Caso haja algum problema financeiro - em qualquer momento - não exite em fazer uma vaquinha online.

    ResponderExcluir
  28. Vivi essa luta ao lado do meu marido por dois anos! Câncer e metástase...hoje, ele está há 1 ano em revisão..e nada aparece...
    Sei o quanto essa doença maluca nos aterroriza!
    Vi muitos amigos vencerem e outros partirem nesse tempo, nas comunidades de câncer que comecei a participar.
    Sempre pedi a Deus que isso nunca acontecesse a um filho meu. Por isso quero te dizer que minha orações e vibrações estarão com vcs!
    Sua filha vai vencer essa!!

    ResponderExcluir
  29. ANjA Luiza - este deveria ser seu nome!!
    Tão pura, tão doce.. criança!
    Amada,abençoada - ILUMINADA - ANA, ANJA.. Amor!
    Que Papai do Céu te proteja princesinha linda..
    Um beijo em seu doce coração "ANjA Luiza"
    Um beijo a mamãe e ao papai guerreiros!
    Fiquem com Deus - Paz e Luz!

    Com carinho: Marjorie - Jimy e Kleyton
    Ji-Paraná RO

    ResponderExcluir
  30. Carol, difícil mesmo dizer alguma coisa que não pareça boba, como "parabéns pela força". Mas eu quero que você saiba o quanto relatos como o seu são importantes. Você se inspirou na força da Fabiaba e outros, agora muitas pessoas, tenha certeza, se inspiram na sua e da Ana Luiza. E esse bem que você traz aos outros, sem o menor interesse, sem dúvida retorna como bem para vocês também. Tudo de bom pra essa família, também vou rezar por vocês. Encerro com um mantra budista, na tentativa de manifestar todo o bem querer em palavras que não tem mesmo tradução: Om Mani Padme Hung. A propósito, Tashi Delek - o modo como os tibetanos desejam "Feliz Ano Novo" (participei hj de uma cerimônia para saudar o ano novo tibetano). Todo amor do mundo para vocês (e pra todos que sofrem).

    ResponderExcluir
  31. Como mãe de suas meninas agradeço todos os dias à Deus pela saude delas. Hoje agadecerei tambem à força e luta de Ana. E principalmenta às conquistas obtidas por voces até hoje.
    O AMOR está impregnado neste texto... Parabens por ser a mãe que é! Sua filha merece todo este amor que a cerca.

    ResponderExcluir
  32. Sou mais uma na torcida. Ainda estou com o coração apertado, muito mesmo, depois de ler e me emocionar lendo seu relato. Que força sem tamanho! Vocês estarão em minhas orações. Tenho certeza de que o momento mais feliz virá! Vocês vão chegar lá!
    Um grande abraço a todos, um especial à pequena Ana, que hoje me ensinou muita coisa.
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  33. Carolina,
    Impossível imaginar a força necessária para superar um momento tão difícil como este. Mas é muito mais do que admirável a sua força e a força da Ana Luiza!
    Que toda benção que vcs já receberam seja infinitamente multiplicada e que o transplante seja um sucesso!
    E espero que tds possam aprender com essa lição de amor que vc vive tds os dias com sua filha. E também com a coragem de uma criança tão pequena mas tão sábia e valente!
    Parabéns. Novamente, sucesso no transplante e que sua família supere este problema e seja eternamente feliz!

    ResponderExcluir
  34. oi, eu sou Isabelle Fernandes,sou de Manaus, eu vi a sua história e a da sua família por alto no twitter e agora por aqui, eu tenho fator Rh-, sou -B, gostaria muito de ajudar, se tiver alguma forma, por favor, me avisa.

    meu e-mail é bells-fernandes@hotmail.com

    ResponderExcluir
  35. Olá, como podes ver, meu nome é Jeysi. Sou vestibulanda de medicina, e pretendo fazer oncologia pediátrica. A força da sua filha é algo maravilhoso e fantástico, e que me motiva mais e mais a alcançar o meu objetivo e ajudar pessoas. Sou doadora de Sangue e Medula, espero pelo menos assim, enquanto não sou médica, ajudar pessoas. Força a todos vocês, porque não é fácil para a família também aguentar este período. Beijos e Abraços. e ah, colocarei o nome dela na arca de oração de minha igreja.

    ResponderExcluir
  36. Oi Carol!
    Me chamo Fabiana, conheci sua história e da Ana Luiza através do Twitter, já estou te seguindo por lá tbém, como aqui no blog.

    Sou mãe de uma menininha de 4 anos.
    Não paro de chorar lendo seus relatos aqui.
    A dor e o amor que vc sente e expressa por Ana Luiza é tão real, tão intensa, tão forte, q é impossível não se apaixonar, torcer, orar, e lutar junto com vocês.

    Conte conosco em orações, súplicas, e no que mais for necessário.
    Pra qquer coisa.
    Somos de Santo André - SP

    Super beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  37. CAROL, TENHO CERTEZA DE QUE DEUS ESTARÁ SEMPRE AO LADO DE VCS...QUE "GRANDE" PESSOA É A ANA LUIZA, FIQUEI COMOVIDA COM O RELATO DE VCS E AO MESMO TEMPO TIVE UMA LIÇÃO DE VIDA, DE AMOR...PARABENS MÃE!!!!
    GDE BJ

    ResponderExcluir
  38. Oi Carolina!
    Me emocionei com a história de vocês, eu sei que, quando um membro da família passa por um momento como esse, a família inteira sofre.
    Que Deus derrame bênçãos sobre a sua família e sobre a sua filha que, acima de tudo, é o bem mais precioso que você tem e que é uma guerreira.
    Muitas bênçãos pra vocês, que esses tempos difíceis cheguem ao fim e que vocês possam ser uma família feliz, unida e abençoada.

    Milhões de beijocas, muita força pra vocês!

    Ismália .

    ResponderExcluir
  39. Renato - Brasilia / DF5 de março de 2011 14:46

    Ana Luiza e Carol, lendo o post mais recente, e vendo a sequencia de fotos, foi impossivel nao me emocionar.
    Mas tenho certeza de que Deus esta no controle de tudo e continuaremos sempre tendo boas noticias sobre a recuperacao. E eh por isso que passarei a orar.
    Voces sao exemplo de forca, determinacao e sobretudo, de AMOR

    ResponderExcluir
  40. Carol, Marcos, princesinha Ana Luiza...

    eu não os conheço mas estou aqui, chorando tanto... que história! Que coragem! Que força!
    e ainda duvidam da existência de Deus... Ele está com vocês, o tempo todo, dando força, amor, conforto... tenho certeza!

    Eu e todo mundo que já conhece essa história aguarda com ansiedade o desfecho desse triste capítulo... Torcemos, rezamos, imploramos para que Deus haja com compaixão!


    Leia, Carol, o livre Ágape, do Padre Marcelo Rossi, tenho certeza que será excelente para vocês!

    Beijos, muita fé e luz!

    ResponderExcluir
  41. Olá Carol, me chamo Ana Luiza, sou jornalista do jornal Diario de Pernambuco e fui para no seu blog através da hastag #forcaAnaLuiza. Fui ver quem era a minha chará.Comecei a ler esse seu último post e só consegui parar quando ele terminou. Incrível narrativa da difícil situação que vocês estão vivendo desde a descoberta da doença, mas com grandes vitórias e conquistas diárias por você mesmo relatada, graças a Deus! Acredito que Deus tem um plano para cada uma de nós. As crianças tem uma capacidade de superação incrível, a sua pequena, então... Com isso cresce você e crescemos nós que acompanhamos esta história. Quero acompanhá-las daqui do Recife, a partir de hoje. Conte comigo para qualquer tipo de campanha nos jornais daqui. Vou incluí-las no livro de oração para que Deus abençoe e fortaleça vocês. Meu twitter é Analuiza_machad e meu email é anamachado.pe@dabr.com.br
    Beijos
    Ana Luiza Machado

    ResponderExcluir
  42. Li seus relatos e quero parabenizar você,a sua família e principalmente a Ana Luiza pela luta pela vida e pela força pra continuar, vivendo um dia de cada vez. Que Deus abençoe vocês todos com muita luz, paz e amor. Vocês são um exemplo de coragem!!! É muito gratificante para todos nós que passamos por aqui ver cada passo vencido que você descreve e poder ver o quanto a vida de cada um de nós tem tanto valor e as vezes não sabemos dar esse real valor merecido. Estou na torcida e na oração por sua filha, por vc e toda a família. Beijos

    ResponderExcluir
  43. Nossa, acabei de ler seu blog inteirinho,conheci a história de vcs hj, por causa da tag #forcaanaluiza gostaria de saber como ela está? Sorte e Muita força, luz, amor. Deus esta´com vcs. Seu blog me fez ver q meus problemas n são nada. Sinto vergonha, mas antes de ler, eu estava triste pq tem uma goteira no corredor, e chove sem parar... Como nós somos pequenos ne´? Isso por acaso e´problema?? Força Ana. Tô torcendo por vc. Deus é todo sabedoria. Amém.

    ResponderExcluir
  44. Cara Carol, também parei aqui por causa da hashtag, e não consegui parar de ler. Uma amiga muito querida superou um linfoma, no caso dela inoperável, uma luta intensa e, como os relatos da Ana Luiza, muitas vezes era ela quem confortava e dava apoio aos amigos e familiares. Nunca duvide da força de quem dá valor à esse presente que é a vida!

    ResponderExcluir
  45. Carol, comecei a ler e me emocionei muito! Meu irmão foi tratado no A.C Camargo que graças a Deus, é o melhor hospital da America Latina, tem os melhores medicos e especialistas sobre essa doença! Eu tenho dé que a Ana Luiza, vai sair dessa MUITO BEM! Eu sei o que vc passa, eu sei que cada coisa pequena de evolução é uma grande coisa a nós que estamos perto né?! Eu vou orar por ela e pela sua familia, e vou pedir aos meus pais e amigos que façam o mesmo. Estou torcendo muito para que o mais breve possível tudo isso se ajeite! Confie em Deus Carol. Uma coisa eu dizia aos meus pais: FÉ e FORÇA que TUDO vai da certo! Não terminei de ler, quero ler cada post seu aqui! E quero que você saiba, que sua filha esta nas mãos dos melhores medicos que ela poderia ter! Acredite Carol, Deus é maior que esse problema! Um dia você vai se lembrar de tudo que passou, um dia não, todos os dias, e você vai se emocionar cada vez que lembrar, e vai agradecer a Deus por tudo que ele fez! e aos medicos também! Espero manter contato com vcs, e saber que a Ana Luiza esta cada dia melhor! Fiquem com Deus, e TENHA MUITA FÉ! bjo grande, pra vcs!

    ResponderExcluir
  46. Aos moradores de SP que podem nos ajudar com doação de sangue e de plaquetas (A-) para a Ana Luiza:

    http://www.twitpic.com/46e0j7

    Agradecemos de coração!

    Marcos Varella - @mv_mao
    Carolina Varella - @ccvarella

    ResponderExcluir
  47. Oi Carol. Conheci sua história pelo twitter pela tag da #forçaanacarolina , que luta ein?
    Nessas horas é dificil dizer qualquer palavra de consolo, mas só de saber que vocês estão descansando dessa maratona toda já me conforta.
    Deve ser muito estranho assim eu estar falando com você pois eu conheço a sua história e você não a minha e faz de mim um espectador novato da sua luta.
    Gostaria de falar para ti que você pode contar comigo. Gostaria de falar com a Ana Carolina através daqui mesmo pra entreter ela sabe?
    De alguma forma eu gostaria de ajugar.
    Meu nome é Gabriel, tenho 19 anos ( que por sinal acabei de fazer a 13 minutos...) e moro em Vitória.
    Sinta-se abraçada por mim.
    Beijos e fique com Deus.

    ResponderExcluir
  48. MELHORAS PARA ELA, VEI, SERIO MESMO! MANTENHA-ME INFORMADAAA! ESTAMOS TODAS TORCENDO POR VOCE!
    beijo

    ResponderExcluir
  49. Carol, conheci a luta de vcs há poucas horas, mas a admiração que já nutro por vc e pela pequena Ana Luiza é gigantesca. Que exemplo de determinação, fé e coragem!!
    Para mim, sem dúvidas, a Ana Luiza foi escolhida por Deus para enfrentar essa situação e mostrar para todos que não se deve nunca perder a esperança. E, muito além disso, não se deve perder nunca a vontade de viver e de ser feliz ao lado daqueles que amamos.
    Já sou uma grande fã de vcs. Espero que a pequenina volte logo a Manaus e possa irradiar luz a todos ao seu redor!
    beijos e continuem com Deus!!

    ResponderExcluir
  50. Acabei de ouvir a estoria dela pelo radio. E ao final da reportagem falaram que precisava de doacao de sangue A-. Esse eh o meu. Entao gostaria de saber como posso ajudar. Moro no Rio de Janeiro e com frequencia vou ao centro da cidade, entao qualquer lugar no centro do Rio de Janeiro eh possivel para mim. Meu e-mail eh renanrsantos@gmail.com

    Boa sorte

    Renan

    ResponderExcluir
  51. Olá Carol e pequena Ana!
    Vocês são demais! Continuem com paz e serenidade no coração. Deus nunca nos dará um fardo maior do que podemos carregar...
    Acabei de ler os seus posts, por informação do Estadão.com.br.
    Sou de São José do Rio Preto-SP e estou orando pelo restabelecimento da Ana e também por você, para que continue com esta força que só o amor de mãe nos concede.
    Um abraço afetuoso a vocês!

    Samara

    ResponderExcluir
  52. Oi Carol, Conheço sua história há um tempo, temos muitos amigos em comum... estou muito feliz em saber que Ana Luiza está cada dia melhor... Acompanhar a luta de vocês é uma lição de amor, fé e esperança. Tenha certeza que o dia que você escrever a palavra ALTA, muitos dividiram contigo está alegria. Fica com Deus hoje amanhã e sempre. Bjs

    ResponderExcluir
  53. Olá Carol. Desde que conheci a história de vocês ontem, modestamente entrei pro grupo que ajuda a divulgá-la. Nem lembro se disse isso no outro recado, mas é o mínimo que devemos fazer.
    Vocês já fazem a sua parte com amor e coragem. A AnaLuiza faz a dela com "todas as honras e méritos"!
    Então a nossa é ajudar da forma que podemos. Espero que as pessoas divulguem para todos os conhecidos brasileiros, afinal todo mundo conhece pelo menos 1 paulistano! A gente nunca sabe quem será aquele que prontamente vai doar sangue.
    E a campanha não é só pela doação de sangue e plaquetas, também as pessoas devem conhecer a história de vocês.

    Acompanho as notícias pelo FB do Marcos e agora pouco li sobre a matéria no site do Estadão.
    Vim comemorar a ótima repercussão do apelo nas redes sociais, chamando a atenção da mídia.
    Todos nós que visitamos o blog, também devemos escrever para os principais sites de atores sociais, sites de notícias, etc. Após o feriado esta campanha vai crescer mais!
    Espero que todo apoio virtual alegre a AnaLuiza.
    E que além de símbolo da luta contra o câncer, ela também se torne símbolo da doação de sangue. Que todas as milhares de pessoas que não moram em Sampa, mas querem ajudá-la, se conscientizem que devem doar sangue aonde moram. Há muitas Anas pelo Brasil.

    Bia

    ResponderExcluir
  54. Carol, esse filme terá um final feliz! Minha esposa esta com câncer tb. Mas Graças a Deus foi descoberto no inicio e o tratamento é relativamente simples. Fiquei chocado ao ouvir o que ela tinha. De certa forma entendo 1% da sua dor. E é por isso que te admiro ainda mais! E admiro cada vez mais o poder e misericórdia do nosso Deus. Só Ele mesmo poderia criar um exemplo tão maravilhoso de luta e amor pela vida como é a Ana Luiza.
    Minha oração é para que nosso Papai continue a segurar a mão da sua pequenina até o breve dia em que ela vai voltar a ter a infância dela de volta...
    Sou diretor de arte e video. Se precisar de qualquer coisa, algo como um video para conseguir doadores de sangue ou qualquer outra necessidade da Ana por favor entre em contato comigo no www.rluques.com / contato@rluques.com .

    Na certeza da vitória


    Rodrigo Luques

    ResponderExcluir
  55. Carol,

    Eu creio na Vontade de Deus que "é Boa, Perfeita e Agradável" (Bíblia Sagrada).

    Vou orar por você e sua família, para o Senhor Deus renovar as suas forças, sempre.

    Eu creio que, se for da Vontade de Deus, tudo acabará bem. Amém.


    Um abraço apertado.


    Deus continue a te abençoar!

    ResponderExcluir
  56. Sua filha é extraordinária e ler sobre como ela encara esses desafios que fariam muitos adultos se desesperarem é, no mínimo, uma lição de vida. Vocês estão nas minhas orações!

    Um grande abraço, que Deus os abençoe!

    ResponderExcluir
  57. carol, posso doar plaquetas, onde devo ir? posso ir amanhã mesmo. beijos e muita força! meu fone é 8727-3460. Regina

    ResponderExcluir
  58. Putz, força é isto que vocês todos têm!
    E que pequenina corajosa...
    Estejam todos com minha torcida!

    ResponderExcluir
  59. Estou encantada!
    Irei ao hospital doar, contem comigo!

    ResponderExcluir
  60. Carol,em meus pensamentos e orações todo o amor divino para a família e a pequena Ana Luíza.
    Força Ana Luíza !
    Mário Augusto
    http://alagoasreal.blogspot.com/2011/03/forca-ana-luiza-8-mil-pedem-doacao-de.html

    ResponderExcluir
  61. Olá!
    Li sua última postagem e o que eu posso dizer? Me emocionei e muito com sua história e com a história de sua filha. Vocês são extremamente guerreiras!!!
    Logo que comecei a ler, já comecei a pedir por Ana Luíza e tenho certeza de que dentre tantas notícias boas que vieram, a notícia da cura virá também! Basta acreditar e pelo pouco que li, sei que ela acredita muito!
    Que Deus continue dando força a vocês todos!
    E mesmo sem intimidade, deixo um abraço beeeem apertado e cheio de amor!

    ResponderExcluir
  62. Carol, vocês tem uma filha maravilhosa, iluminada!!
    Me emocionei muito com a sua história, com a sua fé e serenidade.
    Estarei todos os dias pedindo a Deus pela saúde da linda Ana Luiza. Que o seu lar seja inundado de amor e paz.
    Carla

    ResponderExcluir
  63. Oi Carol, Marcos, Ana Luiza, vovós.. Todos que estão vivendo essa luta, muita força a vocês, além de Deus mandar todas as pessoas que leram e conheceram a história de luta dela, quer muita força e muita alegria pra Ana Luiza.

    Comecei a ler ontem por causa da #hashtag #forcaanaluiza, li o primeiro post e só parei pra dormir, acordei e terminei de ler os últimos parágrafos hoje.

    Incrível, a força de vocês... incrível, não tenho muitas palavras, parabenizar vocês seria estranho? É pq é muita coisa pra uma menininha e vocês estão conseguindo sair dessa doença horrível...

    Só doadores em SP que é válido né? Queria ajuda-la, apesar de eu ter anemia e não poder doar sangue, mas quando eu melhorar, vou no hemocentro para ajudar alguém, moro em Brasília.

    Abraços e fiquem com Deus.

    ResponderExcluir
  64. Ola. Gostaria de poder ajudar. Me envie informacoes sobre como doar sange e plaqueta... sabrinna.realle@hotmail.com

    ResponderExcluir
  65. Oi karol meu nome é kristine moro em varjota ceará e me emocionei muito com a história de sua linda filha.Sempre costumo ouvir mainha falando pras pessoas e até pra mim mesmo que nada na vida é por acaso.E tenho certeza que Deus não estar punindo vc nem sua filha por nada ,pois Ele sabe o que faz e Ele nunca fecha uma porta sem ter aberto uma janela maior.Tenha fé e conte com minhas orações.
    Felicidades e muita luz.
    kristine carvalho

    ResponderExcluir
  66. mande -me noticia por e-mail
    kristine.carvalho@hotmail.com

    ResponderExcluir
  67. Olá Carol. Fiquei emocionado com a história de sua família e da Ana Luiza para vencer esta doença. Com certeza tudo terminará bem. Desejo muita força e tudo de bom para ela e vocês.
    Embora saiba ser uma situação difícil, aproveito para convidá-la a conhecer o site www.worldcommunitygrid.org É um projeto internacional, com apoio da IBM, que utiliza o tempo livre do processador de seu computador para efetuar cálculos para projetos científicos de diversas universidades do mundo. Dentre eles, há pesquisas visando a cura do câncer e de neuroblastomas, este feito pela Universidade de Chiba, no Japão. Se você gostar e não for pedir mundo, faça download e passe a doar o tempo livre de sua CPU para essas pesquisas e, quem sabe, comente a respeito em seu blog. COm centenas de pessoas ajudando, doenças terríveis que acometem crianças poderão ter descoberta a cura mais cedo do que imaginado.
    Abraços e tudo de bom para vocês.

    ResponderExcluir
  68. Carol,
    Sou repórter do jornal Correio Braziliense, soube da repercussão do caso da Ana Luiza no Twitter e gostaria de conversar com vc. Se puder me passar um telefone, mande para mariz.renata@gmail.com. Meu telefone, caso queira entrar em contato, é 61 32141173/ 61 84678699 / 61 91595199.
    Bj e obrigada!
    Renata

    ResponderExcluir
  69. Olá família linda....
    Antes de mais nada saibam que vcs estão juntos por um propósito. Nada é por acaso!!!
    Como a internet é maravilhosa!!!
    A estória de vida de vcs seria conhecida somente por aqueles que te cercam e é claro teria um impacto muito menor do que aquele que tem hoje por conta da divulgação positiva, sem sensacionalismo ou curiosidade mórbida. Assim sendo, através da força que suas palavras emanam um número enoooooorme de pessoas podem beber nessa fonte.
    E por falar em palavras, vc escreve muito bem Carolina, parabéns!! Sua narrativa é muito dinamica e consegui entrar de cabeça em suas vidas e me senti ali ao lado de vcs em casa passagem triste ou feliz!!!
    Quanto a Ana Luiza, o que dizer de um espírito tão evoluído??
    Vc já sabe de tudo não é mesmo Carol??
    Tb tenho uma Ana Luiza, linda como a sua, só que um pouco mais velha e hoje nós estavamos "de mal" uma da outra por briguinhas dela com o namorado.
    Seu blog "caiu por acaso" (hahaha) em minhas mãos e mostrei as fotos da sua Ana e como a vida pode transformar um corpinho em apenas 4 meses....Perguntei para a minha Ana se podemos perder tempo e oportunidades com ninharias...Não preciso nem dizer a resposta dela.
    Nesse momento choro copiosamente, mas não é de tristeza por vcs ou por mim....E sim de alegria e jubilo, pois a cada dia nossa vida nesse plano material nos prepara ainda mais e melhor para a vida eterna e perfeita, sem dor, doença ou sofrimento, do plano espiritual.
    Se apoiem no amor que unem todos vcs e CONFIEM!!!
    O Pai nunca entrega ao filho tarefa mais pesada ou difícil que sua capacidade de solução.
    Muito obrigada por terem esbarrado em meu caminho.
    Paz e Luz!!!

    ResponderExcluir
  70. Olá Carol,

    Um dia tudo isso passará e temos que confiar muito e sempre !!!

    Meu filho tbm fez tratamento oncológico no HC com a equipe do Dr. Vicente Odone, e a médica dele mesmo era a Dra. Lilian.

    Foram 1 mês de UTI direta, mais de 100 transfusões em questão dois meses meses, port-cath, cateteres, etc e tal.

    Imagino o que vc está passando e sentindo... Mas, com muita fé... posso te dizer que se vc sempre pensar no melhor, o melhor virá com certeza.

    Assim como o meu filho, que felizmente hoje está curado...

    Força aí e se precisar estamos sempre presentes para ajudar.

    Abraços cordiais, Emy Hirakawa

    ResponderExcluir
  71. Carolina, somos uma associação, Associação Chico Viale, que trabalha na captação de doadores de sangue (http://associacaocv.blogspot.com). Estamos buscando doadores para a Ana Luiza e confiamos na cura dela!!!! Perdi meu irmão caçula, quatro anos atrás (acidente de carro) e desde lá venho trabalhando para ajudar quem precisa de sangue!!! grande abraço e coragem!!

    ResponderExcluir
  72. Carol ,me emocionei quando em um desses depoimentos alguém se referiu a sua filha como ANJA LUISA.Sou Kristine Carvalho,15 anos e algumas horas atrás escrevi 2 comentários a respeito de sua filha.Não paro de pensar em vcs.Rezei o santo rosário com minha família e pedimos em oração a cura de sua filha.
    Vc não está só nesse.Conte comigo embora pela net.Parabéns pela mãe maravilhosa que és.
    Felicidades querida.

    ResponderExcluir
  73. Fico emocionada e sem palavras, só digo que Deus está no comando. Vou divulgar, pois estou fora do Brasil e não sou doadora de sangue. Bjooss :(

    ResponderExcluir
  74. Deus está junto de vocês 24 horas por dia. A luta que estão travando será vencida tenham certeza.
    Admiro a coragem e a força que demonstram. Abraços carregados de energia e de bençãos

    Neusa Carolina

    ResponderExcluir
  75. Carol, sou de SP-Capital e só hj soube da sua história. Me emocionei muito e como mãe gostaria de te oferecer ajuda. Não sei do que vc precisa e nem como poderia te auxiliar. Meu e-mail é rprfrankel@hotmail.com.
    Tenho um motorista que fica a minha disposição o dia todo e muitas vezes não tem o que fazer. Se precisar me contate, me mande um e-mail que te passo meu celular. bjs
    Paula M. F.

    ResponderExcluir
  76. Carol, Marco e Ana Luiza, a historia desta pequena e linda guerreira me emocionou, mas a fé move montanhas e com certeza a Ana já esta curada em nome de Deus e Nossa Senhora que a Ana está coberta com o manto protetor de Nossa Senhora. Um grande abraço e nunca esqueça que Deus é fiel.

    ResponderExcluir
  77. carol,marcos e ana luiza e familia ...vi essa noticia e parei td q estava fazendo tenho uma filha 2 anos graças a deus tem uma saude maravilhosa..mas como nos nunca saberemos u dia de amanha fiquei fortalecidamente em saber como ser maravihoso ,nos reclamamos tanto da vida,ana luiza firme forte passando e derrubando varias barreiras em sua vida ao saber do acontecimento,olho pra frente e digo? ñ reclame da vida poois tem pessoa na maiores situçao e estao sorrindo,como ela forte,guerreira e tem uma força imbatível..ela linda e deus eos anjos estao ao lados de sua familia de e sua grande pequena mulher vencedora força,força vcs irao ser muitas mais q felizes bjsssss...

    ResponderExcluir
  78. Carol, Marcos e Ana Luiza

    Mesmo sendo de Lavras, MG, se puder gostaria de doar sangue. Mas acreditem que em minhas preces tenho pensado em vocês. E acredito que essa experiência os fará mais forte e felizes. Que Deus os abençoem e os mantenham firmes. Abraços de Ricardo Calixto, ou simplesmente Cadu, que já trabalhou como doutor da alegria em hospitais.

    ResponderExcluir
  79. Olá Carol estou chegando agora no seu blog atraves do blog http://brechogervasoni.blogspot.com/
    Nossa me emocionei com a história da Ana Luisa.Ela é linda e transmite uma coragem enorme, como não aprender a viver com essa pequena.
    Não posso ajudar doando sangue porque moro longe de S.P, mas posso ajudar em oração. pedindo pra Deus abençoar e trazer a cura a Ana Luisa para que ela se recupere logo, e que vocês possam tornar a ter uma vida normal.
    Tenho um blog e com certeza o que vc precisar para divulgação conta comigo viu.
    Beijos grande e que Deus venha renovar suas forças a cada dia.

    http://ursulinodecor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  80. Olá Carolina é com muita alegria que aqui estou, para te parabenizar por mais uma vitória em sua vida, saiba que vc já é uma guerreira. Continue sempre assim, esperançosa, alegre e com a sua fé inabalável. Sei o que passou, pois hj faz 2 meses que meu pai passou pelo mesmo processo que vc, foi uma luta incansável, hj ele está bem graças a Deus. Desejo muita felicidades pra vc e sua familia. Forte abraço.
    Patricia.

    ResponderExcluir
  81. Aninha linda!!! Vc vai ficar ótima!!! Vc ja é um exemplo e sua história ja vai ajudar mtas crianças (pessoas) a se curar....
    Fui doar hoje mas como é feriado estava "fechado", mas amanhã vou!!!
    Espero que cada dia que passe você melhore e supere toda essa fase que voce junto com sua família tiveram que passar....e lembrem-se:
    Deus dá a cruz conforme cada um consegue carregar...

    Mil beijinhus pra vc e sua mãe que é uma guerreira!!!!

    ResponderExcluir
  82. Ainda não li toda sua história, mas já divulguei ma minha rede para doarem sangue.
    Vou ler tudo que você coloca aqui, mas as imagens dizem por si só. Sou mãe, e avó, e acredite a partir de hoje vc ganha mais uma aliada na sua luta, talvez não tenho muita coisa para oferecer, mas acredite, sempre que precisar estarei por aqui pra te dar um carinho, uma palavra amiga, um colo, pra voces.
    Beijos no coração, e acredite, pois o universo sempre está conspirando a nosso favor, seja sempre positiva que coisas boas acontecerão.

    ResponderExcluir
  83. Torcendo muito pela recuperação de sua filha, ela é muito linda e vai conseguir sair desta! Ações que nascem do Amor são predestinadas a transformar destinos, ou seja, todos nós aqui estamos unidos para fazer com que ela vença esta batalha. Todos nós estamos divulgando muito no twitter eu sou @joanapaularj

    ResponderExcluir
  84. Oi Carol,
    meu nome é Andreia e quando vi no Facebook de um amigo hoje a história da Ana Luiza, me emocionei muito e compartilhei na hora. Sou casada há 12 anos e meu marido foi diagnosticado com Esclerose Múltipla quando tínhamos apenas dois anos e pouco de casados. Por isso a história da Fabiana também me emocionou bastante... fico triste pelo marido que a abandonou.. mas feliz por ver que ela está passando pelo que tem que passar com a cabeça erguida. Eu fiquei ao lado do meu marido e vi um verdadeiro milagre acontecer diante dos meus olhos quando ele passou pelo auto-transplante com células-tronco. O mesmo tratamento que a Ana Luiza está fazendo, ele fêz. Sei o que está passando e saiba que a partir de hoje, tem mais uma aliada nessa batalha tão difícil, mas que traz em meio a dor um aprendizado de amor grandioso. Sou grata a Deus por tudo que passamos juntos.. me transformou numa pessoa melhor. E nossa história continua.. a vida continua.. e mais bonita do que jamais esteve. Hoje tenho uma certeza: a dor, a doença, as dificuldades, são apenas ferramentas usadas pela vida para nos 'lapidar' e nos fazer aprender e dar lições valiosas.
    Sintam-se abraçadas. E muita FORÇA à toda a sua família!
    (Quando puder, assista a esse vídeo.. é uma reportagem feita pelo Jornal Nacional sobre as pesquisas com célula-tronco 1 ano depois que ele fêz o transplante: http://www.youtube.com/watch?v=qdivM6bzYTk)

    ResponderExcluir
  85. Eu desejo muito que a Ana Luiza melhore rapidamente. Se eu pudesse, doaria sangue à ela, mas sou muito jovem para isso. Espero que quando eu tiver 18 anos, ela já esteja completamente curada e nem precise mais de sangue. Rezarei sempre para ela! Acredite em Deus, ele vai direcionar milhares de pessoas para que doem sangue à essa linda menininha! Nunca perca as forças!

    ResponderExcluir
  86. Carol...
    Semana passada, dia 9, depois de deixar minhas meninas na escola, fui até o hospital ACCamargo para fazer a doação para a Aninha.Infelizmente não pude doar por estar pesando 50kg...voltei prá casa muito triste, pois queria de algum jeito poder ajudar...Como moro na liberdade, hj andando próximo ao Hospital Bandeirante, uma senhora me entregou um panfleto do banco de sangue desse mesmo hospital.Fique muito feliz, pois ali pude fazer a doação!!!Como vc mesma já disse existem outras Anas precisando de doações...Estou rezando para que tudo fique bem...Um abraço bem apertado prá Ana Luiza, prá vc e todos que acompanham essa luta!

    ResponderExcluir
  87. RADIO GOSPEL MUSIC LIFE

    http://crescerevencercomjesus.blogspot.com

    ResponderExcluir
  88. Força, persistência e amor.....foi oq pude sentir com essa vida. A presença de Deus em nossas vidas é td, e isso é oq nos da força. Vendo situações como a de sua filha, nos da animo pra continuar a seguir a nossa vida. Uma criança passando por tantos problemas e com um sorriso lindo no rosto, isso so DEUS e mais ninguém pode fazer.....Obrigada por compartilhar a sua vida com tantas pessoas.....Que Deus sempre esteje do sue lado!!!!! Karina

    ResponderExcluir
  89. Olá Carol, meu nome é Luciana, estou muito tocada com a história da sua pequena,tenho uma princesa da idade dela e desde que li o blog não paro de pensar em como ajudar.Meu sangue é A(-), gostaria de doar e ajudar de alguma forma mas moro em Brasília, como faço?Vou deixar meu e-mail:
    lucianaaragaoalves@gmail.com
    Gostaria muito de contribuir de alguma forma.Um grande beijo e fiquem com Deus!

    ResponderExcluir
  90. Bom Dia! Tenho acompanhado a rotina de Ana Luiza através das suas postagens e me alegrei muito por terem saído do Hospital. Fico imensamente feliz por vcs e principalmente pela sua opinião a respeito de Deus,o qual tem um propósito em tudo isso e vcs tem compreendido a dura prova e aceitado com resignação a vontade dele. E sabemos que a superação de tudo isso vem através de Deus mesmo, essa capacidade vem única e exclusivamnete de Deus, pois é ele quem envia suporte para resolver todas as vossas carências.
    "E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito."
    Romanos 8:28

    ResponderExcluir
  91. ...Olá Carol e Ana Luiza pequena guerreira!!

    Que Deus continue sendo o mentor
    desta empreitada de lutas, e assim
    logo logo veremos a vitória da fé
    sendo mostrada por aqui!

    Oro por vocês!

    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  92. Carol
    Graças a nosso grande Pai, que a Aninha esta se recuperando, venho todos os dias pra saber noticias, sou paciente do A.C. Camargo tb, tive muita vontade de poder te ido visitar vcs, mais achei que não deveria, pois a familia nessa hora tem que ter prioridade, que Deus continue a dar tanta força para vcs, não só a Ana Luisa eh guerreira, mais vc tb, porque passar por tudo o que passou, tem que ter muita fé em Deus.
    Bjus fiquem com Deus

    ResponderExcluir
  93. O que acontece em nossa vida não sabemos agora, mas tudo tem um propósito de Deus, sua experiência e os textos deste blog servem de exemplo para muitas vidas que estão passando por dificuldades e provações, creio que Deus fará algo grande em suas vidas, o Melhor de Deus está por vir, a oração muda o propósito e o coração de Deus, veja um exemplo:

    Naqueles dias adoeceu Ezequias mortalmente; e o profeta Isaías, filho de Amós, veio a ele e lhe disse: Assim diz o SENHOR: Põe em ordem a tua casa, porque morrerás, e não viverás.

    Então virou o rosto para a parede, e orou ao SENHOR, dizendo:

    Ah, SENHOR! Suplico-te lembrar de que andei diante de ti em verdade, com o coração perfeito, e fiz o que era bom aos teus olhos. E chorou Ezequias muitíssimo.

    Sucedeu, pois, que, não havendo Isaías ainda saído do meio do pátio, veio a ele a palavra do SENHOR dizendo:

    Volta, e dize a Ezequias, capitão do meu povo: Assim diz o SENHOR, o Deus de Davi, teu pai: Ouvi a tua oração, e vi as tuas lágrimas; eis que eu te sararei; ao terceiro dia subirás à casa do SENHOR.

    (2 Reis 20:1-5)

    ResponderExcluir
  94. Bom dia Mamãe de Ana Luiza, que O Deus da Glória abençoe ricamente vc e a Ana, A paz do Senhor.Abraço

    ResponderExcluir
  95. DINA amiga da TININHA12 de maio de 2011 12:56

    Corol,sou a Dina...amiga de sua irmã Tininha, lembra-se...., estou orando a Deus pela cura da Ana Luiza! estou acompanhado sua luta e sua Vitória! Que Deus dê saúde plena para Ana Luiza!
    Estou em Brasília - DF.
    Beijos!
    Dina

    ResponderExcluir