sábado, 23 de julho de 2011

De 26 de Abril a 31 de Maio de 2011

Depois de arrumar todos os cacarecos de volta nos armários do apartamento do tio Cláudio, finalmente poderíamos fazer uma refeição bem ao gosto de Ana Luiza: comida feita no fogão, como ela dizia.

Mas apesar de todos os esforços, Ana Luiza não conseguia recuperar os quilos perdidos. Ela ainda comia muito pouco e submetendo-se a radioterapia ainda tinha náuseas e uma certa falta de apetite, ambas causadas pelos efeitos do tratamento. Mesmo com toda a criatividade da vovó, ela ainda se alimentava muito pouco.

A radioterapia do crânio seguia bem. Ana Luiza fez amizade com todos os pacientes que também faziam tratamento no mesmo horário. Diariamente, ela conversava, abraçava e cumprimentava os novos amigos. Todos, muito mais velhos que ela. Era muito engraçado ver como ela se relacionava bem com os amigos, todos acima de 40 anos. Gostava de mostrar os brinquedos, os joguinhos, fazia cartinhas e desenhos. Ana Luiza nutria um carinho todo especial pela Denise e pelo Sr. Humberto, dois seres humanos incríveis que estiveram conosco nessa fase do tratamento, cada um segurando o seu fardo, mas sempre com um baita sorriso no rosto.

Todos os dias a rotina era a mesma. Diariamente, no início da tarde, a gente pegava um táxi (e ela também ficou amiga de todos os motoristas do ponto de táxi próximo ao apartamento, em especial o Sr. Walter, que se tornou um grande amigo da pequena), entrava no hospital, depositava os cupons fiscais na urna localizada na recepção, cumprimentava as recepcionistas e seguranças do bloco B, subia até o 5º andar, fazia suas provas e atividades da escola e, por fim, descia até o 1º subsolo, para aguardar o seu horário de tratamento.

Assim que ela chegava lá e pegava uma senha, o salão se iluminava. Ela arrancava sorrisos de todos, sempre cumprimentando todo mundo, abraçando os amigos e indo direito ao balcão de atendimento, onde ajudava os atendentes, que também já eram seus amigos.

Todos tinham muito carinho por ela. E era recíproco. Ana Luiza adorava conversar com cada um deles. Muitos confessavam que a pequena era a alegria do setor de radioterapia. Que com seu jeito cativante e sereno, tornava tudo muito mais fácil. Vários pacientes que precisavam irradiar a região de cabeça e pescoço e necessitavam utilizar a mesma máscara rígida que Ana Luiza utilizava, não tinham a mesma desenvoltura da pequena.

Ana Luiza nunca precisou de sedação. Mas vários adultos precisavam e quase todas as crianças da idade dela também. E ficar imóvel, usando uma máscara desconfortável, era realmente assustador e em alguns casos, impraticável. Mas Ana Luiza saía do tratamento e ainda tranquilizava os pacientes que estavam iniciando o tratamento: “Pode ficar tranquila, Dona Flor. Não dói nada, só o rosto que fica um pouco amassado.”

Na Escola da Pediatria, onde ela fazia as provas e estudava as disciplinas do 3º ano do ensino fundamental, não dava pra ter certeza de quem se divertia mais, se era Ana Luiza, ou se eram as professoras.

Apesar de ter ficado sem estudar desde setembro de 2010, a pequena não tinha nenhuma dificuldade com os ditongos, hiatos, paroxítonas, que a Prof. Rejane a ajudava a lembrar. As cores primárias e secundárias, graças a Prof. Eliane também foram facilmente estudadas, quer dizer, “brincadas”, afinal tudo com a Prof. Eliane virava brincadeira e ela adorava. A matemática com a tia Iara também era tranquila e ela tirava os números de letra, por assim dizer. As provas de história e geografia com a Prof. Camila também eram fáceis e, eventualmente, ainda sobrava um tempinho pra jogar algum jogo, ou fazer algum desenho. E a Prof. Fabiana sempre presente em todos os momentos, sempre brincando e curtindo a presença da Ana Luiza na escolinha.

Apesar de estar sem estudar há 8 meses, ela não teve dificuldade com absolutamente nada. As professoras arriscavam dizer que ela voltaria pra escola no segundo semestre e ainda seria a primeira da turma. Eu ria. Ana Luiza dava de ombros. Desde muito pequena ela se destacava na sala de aula, mas nem ela, nem eu achávamos que fosse algo extraordinário. Ela continuava sendo a criança linda e meiga de sempre. Ingênua, sincera, comunicativa e carinhosa com os amigos. Aprendeu a ler as primeiras palavras aos 4 anos. Aos 5 já escrevia com letra cursiva e contava até 100. Mas pra ela aquilo era normal. Ela nunca se achou especial e eu, também achava que eu não deveria tratá-la como diferente. Ela sempre me pareceu apenas uma criança inteligente. E me preocupava essa “aceleração” do aprendizado. Mesmo tão capaz intelectualmente, ela ainda era uma criança muito nova e agia exatamente como uma criança de 5 anos. Nunca foi estimulada a ser precoce. As professoras me garantiam que estavam indo na velocidade dela. E eu aceitava assim.

Os dias corriam tranquilos. Ana Luiza sempre muito animada, contagiando todo mundo com sua alegria e simpatia. A cada dia, a cada sessão de radioterapia concluída, nos aproximávamos do momento tão esperado: o fim do tratamento e o retorno para Manaus. Ainda havia uma pequena jornada, pois ainda faltava a radioterapia do tórax e da coluna dorsal, mas já havíamos estado mais longe. Estar próximo do fim, gerava uma ansiedade boa e uma certa insegurança de como seria nossa nova vida. Mas sem dúvidas, o maior sentimento, era a alegria nos corações de todos da família.

Todos os dias, na hora de ir embora do hospital, ela nunca caminhava a meu lado, sempre andava muito a frente, sempre cumprimentando os funcionários do hospital que iam passando. Cumprimentava as zeladoras, os funcionários do Banco de Sangue, as enfermeiras, os médicos e as moças que levavam as refeições nos quartos. Se encontrasse um dos médicos, parava pra conversar. Mas sempre que chegava até o local onde pegávamos o táxi para voltar pra casa, ela sempre se escondia no balcão das recepcionistas. E os seguranças, sempre davam risadas, entrando na brincadeira da pequena.

Ela era muito querida, eu não tinha dúvidas. E isso sempre me emocionava. Uma criaturinha de 7 anos, que era capaz de conquistar e cativar tanta gente grande, era motivo de muito orgulho pra mim. Mesmo enfrentando seus próprios problemas (nem poucos, nem simples), ela não se fechou em seu mundo, como a grande maioria de nós, adultos fazemos.

A realidade é que muitos adultos, ao enfrentarem um problema, seja ele grave ou não, já tem motivos e desculpas suficientes para simplesmente deixar de dar bom dia. O porteiro fica invisível, seus colegas de trabalho também. Até seus familiares tem que encarar sua auto-piedade. Nada é maior e mais importante do que nossos próprios problemas. Dar um bom dia sincero, quando o nosso próprio dia é um festival de problemas, é para poucos. Fico feliz e muito orgulhosa de saber que minha filha está nesse pequeno e seleto grupo.

Ao final da radioterapia de crânio, faltando uma semana pra o início da radioterapia do tórax e das vértebras e, finalmente o término do tratamento com a remissão completa da doença, tivemos uma consulta de rotina com a médica responsável pelo tratamento de Ana Luiza, que além de ser a chefe do departamento de oncologia pediátrica, havia se tornado uma pessoa muito especial para nossa família, pois mesmo com todo seu pragmatismo, mesmo com uma “casca” mais séria, ela sabia usar as palavras certas e com muita honestidade, nos dava segurança para seguir firme no tratamento.

Os exames de sangue de Ana Luiza não haviam ficado prontos a tempo para a consulta, mas clinicamente ela estava bem e a médica apenas conversou conosco. Uma conversa franca, mas dolorosa. Como eu costumava dizer, essas conversas pareciam aqueles momentos em que você está se deliciando com um bolo de chocolate e vem alguém e joga areia em cima.

Mas a verdade sempre será a verdade e, por mais dolorosa que ela pareça, é importante para nos sustentar. Ninguém sobrevive as custas de uma mentira, por mais que ela seja doce. A honestidade, além de uma virtude, é uma necessidade básica para encararmos esta doença tão nefasta. Na verdade, se a gente parar pra pensar, está máxima serve pra tudo nesta vida.

A médica esclareceu que Ana Luiza estava bem, que ela estava muito satisfeita com a situação clínica dela, mas que uma recidiva do tumor, colocaria tudo a perder, afinal a pequena já tinha utilizado todo o arsenal disponível para combater esta doença, incluindo quimioterapia de altas doses com transplante autólogo de células tronco, modalidade que ainda não havia sido muito bem relata na literatura como sendo eficaz em casos de rabdomiossarcoma metastático. Ela já havia usado diversas drogas e, caso o tumor voltasse a crescer em alguma parte do corpo, Ana Luiza não teria mais chances de cura.

Ouvir esta verdade foi bastante doloroso. Quando falamos de câncer, a palavra cura, é algo ainda muito distante. Mesmo em pessoas que estão livres da doença há anos, o temor a cada exame de rotina, é como um pesadelo que não nos abandona nunca. Usa-se, apropriadamente, o termo “doença sob controle”, como bem esclareceu um dos maravilhosos médicos da Ana Luiza. E apesar de ter a doença sob controle hoje, o amanhã sempre permanecerá desconhecido. Na verdade esse é o mistério da vida. O amanhã sempre será desconhecido, tendo câncer ou não.

Entretanto, estar com a doença sob controle já é algo a ser comemorado. Um tratamento que foi brilhante desde o início, só pode ser comemorado, apesar das verdades incontestes da médica. A série de milagres que vivenciei, me permitem comemorar. O que fica em nossos corações é o desejo de que a doença permaneça sob controle por toda a vida de Ana Luiza. E que este pesadelo, não passe disso: um pesadelo, daqueles que você acorda e respira aliviada tendo a certeza de que tudo continua bem.

Terminada a consulta, fomos almoçar e logo em seguida nos dirigimos para o setor de radioterapia e, quando os exames de sangue de Ana Luiza ficaram prontos, uma das médicas me chamou até o consultório novamente.

O sangue de Ana Luiza estava muito ruim. Aquilo me deu um frio na espinha. Inesperadamente, os leucócitos e neutrófilos estavam muito baixos e, contrariando a minha vontade (e pela expressão da médica, a dela também), aquilo poderia ser uma recidiva do câncer, na medula óssea.

Era sexta-feira. Respirei fundo e, depois de ter ouvido tudo aquilo sobre uma possível recidiva, só me restava ter calma. Chorar ou me desesperar, seria completamente inútil, mas quem disse que a gente controla nosso coração. A sensação que eu tinha, era que ele tinha parado na minha boca. A médica me orientou a repetir o exame na segunda-feira. Caso estivesse do mesmo jeito ou pior, ela seria submetida a uma biópsia de medula óssea.

São nestas horas que a nossa fé é provada. É tolice tentar demonstrar a nossa fé quando tudo está dando certo. Nas dificuldades é que devemos vislumbrar o nosso amor a Deus e o amor dEle conosco.

Comentei com meus familiares, tentando transmitir uma tranquilidade que não existia em meu coração. Mas deu certo. Ninguém estava tão preocupado, nem a própria Ana Luiza, que apenas disse: “Ai, mãe. Isso não é nada demais! Calma, tá?”

Na segunda-feira, acordei do pesadelo. Exames normais. Ufa! Pra ser mãe de Ana Luiza, tem que ter coração forte, pensei eu. Foi apenas um susto, disse a médica com um sorriso aliviado, mas ainda sem compreender o motivo da queda abrupta da imunidade. Talvez jamais saibamos o que causou essa alteração inesperada. A lição que ficou pra mim, é que esta doença tem que ser respeitada. Cura? Só daqui há 5 anos usarei esta palavra. E olhe lá.

Durante este período mais tranquilo (e menos doloroso) do tratamento, afinal Ana Luiza não teve nenhuma intercorrência grave devido a radioterapia, tivemos momentos de muita tranquilidade. Passeamos, nos divertimos em casa e estávamos, literalmente, curtindo o momento. O cabelo, os cílios e sobrancelhas voltando a crescer, traziam de volta o rostinho de criança saudável que ela sempre foi. Um dia, a pequena se olhou no espelho e, modesta, disse: “É... Até que eu estou me achando bonita de novo.” Rimos, as duas, em frente ao espelho do banheiro. Beijei demais aqueles parcos cabelinhos lavados e cheirosos de xampu!

Mas o mundo não para. Hoje estamos encarando o fim do tratamento, enquanto outros estão no meio dos processos dolorosos que invariavelmente levam a cura e, outros tantos, estão apenas iniciando sua entrada neste “mundo paralelo” que é o diagnóstico de câncer. Muitos estão com a doença sob controle há anos, mas continuam tendo seus próprios pesadelos, ao se submeterem a exames de controle, por medo de uma recidiva. Outros choram, pela falta de chances de cura, ao serem incluídos nos Cuidados Paliativos. Outros estão diantes de caixões, perdendo seus entes queridos para esta doença nefasta.

Enquanto a gente curtia momentos de tranquilidade, era impossível não pensar em outras pessoas. E nestes momentos de alegria, qualquer um de nós passa a ter o direito de apenas “curtir nossa felicidade”, não é mesmo? O pensamento da grande maioria das pessoas é: “Eu já sofri bastante. Tenho o direito de aproveitar meu momento. Não quero mais problemas. Vou me envolver com problemas dos outros?!

Mas recebi várias mensagens, vários e-mails, várias ligações e sempre alguém me pedia algum auxílio ou orientação. Pessoas de São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus. Pessoas desconhecidas. Apenas pediam ajuda. Pra divulgar alguma coisa, pra tentar conseguir uma vaga no hospital, pra agendar uma consulta, pra perguntar o que fazer.

E ao tentar ajudar timidamente, algumas pessoas que me procuravam, passei a presenciar um lado desse "mundo paralelo" que felizmente nunca vivenciei: as dificuldades.

Claro que nós enfrentamos dificuldades. Mas todas as que passamos até aqui, se resumem aos sofrimentos do tratamento em si. Ver minha filha chorar e se angustiar, faz parte do tratamento em busca da cura. É doloroso demais e por vezes parece ser insuportável. Mas esta era a nossa dificuldade.

Os custos nunca foram impossíveis de se pagar. Usamos nossas reservas, inspiradamente guardadas pelo Marcos, desde que nos casamos. Nunca nos faltou também, parentes, familiares e amigos para nos socorrer, nos abraçar e confortar. Até desconhecidos, genuinamente mobilizados, torciam e oravam em favor da pequena. E não eram poucos.

Entretanto, presenciar a negligencia absurda, para com as pessoas mais necessitadas, é MUITO angustiante. Eu não sou Madre Tereza de Calcutá, nem um exemplo de cidadã a ser seguido, mas se você presencia tantas barbaridades e vive sua “vidinha” (e seus próprios problemas) como se as barbaridades não existissem, acredite: Você não é um ser HUMANO. Você é apenas um SER.

Lógico que eu poderia (e estaria no direito) de evitar toda essa carga em cima de mim. Eu já tinha meus problemas e eles eram, de certo modo, muito grandes também. Mas quem é capaz de passar por um câncer infantil e simplesmente voltar a viver a vida como se nada tivesse acontecido? Como não se sensibilizar, quando temos o conhecimento sobre a dor que é encarar um tratamento de câncer, principalmente o infantil?

Me entristecia (além de causar indignação) saber que a grande maioria destas famílias, contava muito mais com a solidariedade dos outros, do que com o governo, propriamente dito. As crianças carentes com câncer não precisam apenas de solidariedade. Elas precisam de dignidade.

Nenhuma família, consegue sobreviver com o dinheiro pago pelo TFD – Tratamento Fora do Domicílio. No máximo, esse valor ajuda com alguma das despesas, mas estar “fora do domicílio”, implica antes de tudo, encontrar um domicílio para ficar. E nisso, as famílias tem que contar com a solidariedade de ONGs e Instituições filantrópicas, que abrigam essas pessoas, depois de critérios (e filas) gigantescas.

E os medicamentos? E o cuidado diário? E a alimentação? E a dignidade?

Sair de sua casa, do conforto do seio da família e dos amigos, para ir em busca de um tratamento, é algo muito triste. Vi muitas mães sozinhas, pais que perderam o emprego, familiares que pularam do barco. Eu vi o que é carência e necessidade, em meio a um problema tão grande.

As coisas, não precisavam ser assim em um país tão rico como o nosso. As crianças acometidas da pior e mais terrível e temida doença, necessitam de mais dignidade e respeito. Num país de dimensões continentais, TODOS os estados da Federação, invariavelmente, buscam o Estado de São Paulo para ter o melhor tratamento e aumentar as chances de cura.

Enquanto eu vejo tantos amazonenses vindo se tratar em SP, é impossível não se indignar com a construção do estádio mais caro da Copa do Mundo de 2014 em Manaus. Vamos tem um estádio moderno (e muito caro), para nossos parcos times se esbaldarem, mas vamos continuar enviando nossas crianças para São Paulo, porque não temos sequer uma UTI pediátrica no único hospital de câncer do Estado.

Temos uma das maiores e mais caras pontes construídas no País (que até hoje ainda não está funcionando), mas continuaremos tendo material hospitalar de péssima qualidade nos hospitais e postos de saúde do Amazonas.

Imaginar que nossa cidade, um dos maiores PIB do País, em pleno 2011, não tem condições de fazer determinados diagnósticos, por falta de estrutura física e capacidade técnica, é simplesmente incompreensível.

Aos dirigentes (e sociedade em geral - sim, também somos responsáveis), cabe apenas dois sentimentos: a indiferença, por acreditarem que tudo está perdido e por isso, dão de ombros à necessidade de tantas famílias e crianças. Ou a tristeza de não conseguirem fazer nada, culpando o “sistema”. Outros continuam e continuarão perpetuando o “lucro” que esta situação lhes proporciona. Outros jogarão a toalha e simplesmente dirão: “Não tem mais jeito”.

Ana Luiza me provou o contrário. Vi milagres. Vi um corpo tomado pelo câncer, voltar a ser um corpo livre de doença, contrariando estatísticas médicas de um dos melhores hospitais de câncer do mundo.

Minha filha me mostrou que é possível, SIM, tornar este tratamento mais humano. Que depende do paciente, mas que depende muito, das pessoas que estão ao nosso redor. O sorriso da recepcionista, o carinho da enfermeira, a atenção do médico. A solidariedade da pessoa desconhecida, a preocupação da mídia, o interesse dos políticos. Tudo isso, é capaz de minimizar a dor, que ela e que nós, familiares, passamos durante os últimos meses.

Mas a verdade inconteste é que a grande maioria dos cidadãos continuará entorpecida pela falta de fé, até um filho/sobrinho/parente/amigo deles adoecer. Essa é a verdade. E a grande maioria dos que são postos à prova ao serem diagnosticados com esta doença desgraçada, se tornam pessoas cansadas. Outras frustradas. E poucas realmente optam por continuar lutando contra o câncer, mesmo quando o seu próprio câncer já foi vencido.

A radioterapia do crânio teve fim. Ana Luiza estava radiante. Nada de máscaras amassando o rosto. Comemoração de todos nós. No dia seguinte iniciou-se a última etapa do tratamento: radioterapia do tórax e das vértebras.

Os médicos estavam felizes, os outros pacientes (tornados amigos), também comemoravam. Sempre que alguém concluía o tratamento e entrava na fase de acompanhamento/controle, era uma grande festa.

A felicidade e a ansiedade estampadas em minha cara, eram incontroláveis. Pouco mais de um mês, era o tempo que nos separava de nossa casa. E durante nosso momento triunfal, onde caminhávamos rumo a vitória, onde tudo era alegria... ao nosso redor, algumas coisas não estava dando muito certo.

A maioria de nós, tomaria a atitude mais comum: “Vou deixar de aproveitar minha felicidade, por causa da infelicidade dos outros?” Quantas vezes deixamos de compartilhar a dor dos outros, simplesmente porque não queremos perder nossos clima de “festa”? Eu estou feliz e lá vem aquele meu amigo triste, com seus problemas...

O que faz a diferença agora, é que sabemos que a tristeza de um amigo hoje, pode ser a minha tristeza amanhã.

Soraya, mãe da linda Giulia, nos avisou sobre uma piora repentina da pequena. Internada na UTI, o câncer de Giulinha parecia ter voltado a crescer. Uma dor sem medida atingiu meu coração. Seus pais, inconsoláveis, seguiam firme ao lado dela, lutando por sua vida. A matéria na revista Veja SP, mostrava uma criança feliz, se tratando de um câncer. Poucas semanas após a entrevista, a doença havia dado uma reviravolta. “Como somos frágeis e limitados”... pensei. E Giulia seguia internada na UTI do GRAAC-SP. E seus familiares apreensivos, seguiam tentando dar forças uns aos outros. A mim, cabia apenas, o papel de um amigo: Estar ao lado deles e me colocar a disposição para o que fosse necessário.

Num destes dias de visita, levei Ana Luiza comigo até o GRAAC-SP e ela, impedida de visitar Giulia na UTI, apenas escreveu um bilhete para Giulia e para seus pais. Paulo, pai da pequena Giulia ficou muito emocionado. A preocupação da minha pequena, não era com Giulia. Era com os pais dela. E ela estava certa. Nestas horas, quem sofre somos nós. Giulia seguia sedada e lutando para viver, tendo os melhores profissionais ao seu dispor. O sofrimento maior residia no coração daqueles pais. E era impossível dimensionar aquele desespero.

Em meio a tudo isso, o Celso, amigo da família, internado a longos dias, faleceu vítima de um câncer no pâncreas. Ana Luiza ia visitá-lo diariamente. Na época da internação de fevereiro/março/abril, quando ela ficou 47 dias internada, o Celso também estava internado. Na ocasião, Ana Luiza tinha feito um “plano de fuga” pra ele. Ele fugiria do quarto do hospital usando um balão de ar quente, enquanto ela fugiria usando balões de gás hélio! Demos muitas risadas, era impossível resistir ao bom humor da Ana Luiza!

Mas toda tarde, ao sair da Radioterapia, nós visitávamos o Celso. Muito fragilizado e já enfrentando seus últimos dias, Ana Luiza entrava no quarto dele dizendo: “Celso, você tá muito magro! Tem que comer mais! As enfermeiras estão fazendo você passar fome, né?”

Era doloroso vê-lo definhar. Mas Ana Luiza não via uma pessoa definhando. Ela via alguém que precisava de forças. E no final das contas, é isso mesmo que temos que fazer. Temos que continuar dando forças e continuar tendo fé, mesmo ao ver um corpo fraco e extremamente debilitado. O espírito precisa se manter forte e temos capacidade de fortalecê-lo com nossa fé.

Ana Luiza via apenas via um corpo que precisava de alimento. Ela não via a morte iminente. Sem querer, ela me dava mais um “tapa na cara”.

Quando dei a notícia de seu falecimento, Ana Luiza pareceu não se importar. Levantando os ombros e virando a cabeça para o lado, como quem diz: “fazer o quê, né?!” ela apenas disse: “Tá bom...” e continuou assistindo TV.

Fiquei um pouco surpresa com a atitude dela. Aos olhos ignorantes de uma mãe em aprendizado, poderia concluir que ela não tinha tanta afinidade com o Celso, ou que era indiferente à sua morte. Na verdade, a atitude dela era de naturalidade. A atitude real de uma pessoa que crê numa vida plena, longe desta Terra deveria ser essa. Morrer é apenas uma etapa da vida. E quando temos a certeza de que existe algo infinitamente melhor nos aguardando, entristecer-se e indignar-se, parece algo paradoxal.

A objetividade das crianças é uma das coisas mais maravilhosas deste mundo. Uma pena que a gente deixa de ser criança tão cedo e, o pior: tem pais que incentivam a maturidade precoce, exigindo de seus filhos atitudes que não lhes pertencem.

Três dias após esta notícia tão triste pra mim e muito dolorosa especialmente para minha mãe, que se colocou a inteira disposição da esposa do Celso, auxiliando-a com os trâmites burocráticos do envio do corpo para Boa Vista-RR, recebo mais uma pancada: Giulinha, com menos de 2 anos de idade, falecia vítima de um neuroblastoma avançado.

Antes de sair de casa para ir até o GRAAC-SP encontrar com os pais de Giulia e prestar minha solidariedade, expliquei para Ana Luiza, que Giulia tinha falecido. E mais uma vez ela apenas disse: “Tudo bem. Vá lá ajudar os pais dela.

Respirei fundo e, tentando ter pelo menos metade da força da minha filha, cheguei no hospital e encontrei com os familiares da pequena Giulia, que chorando me abraçaram. A pequena Giovana, irmã mais velha de Giulinha, de 8 anos, no meio de tudo aquilo, me afligia. Como suportar a dor da perda? Era a pergunta que não saía da minha cabeça. Como eles conseguirão seguir em frente?

Assim que Soraya saiu do elevador, a abracei forte e foi inevitável não derramar lágrimas. Diante de uma mãe que perdeu um filho, nada que você fale, é capaz de diminuir a dor no coração. Sendo mãe, apenas me coloquei em seu lugar e ao imaginar a perda de minha Ana Luiza, conseguia vislumbrar aquele sofrimento absurdo.

Me coloquei a disposição da família. Auxiliei nos trâmites relativos ao embarque do corpo para Manaus, confortei familiares e também fui até o apartamento deles, para ajudar com as malas. Antes de sairmos do hospital rumo ao apartamento, Soraya segurou minhas mãos e disse algo que me desmoronou: “A vitória da Ana Luiza será a vitória que minha filha não teve! Te amo, minha amiga e conte comigo sempre!”

Ouvir aquilo dilacerava meu coração. Que doença terrível, meu Deus! Que dor absurda aqueles pais estavam sentindo. Ao ver o Paulo, pai de Giulia, chorando desesperado, pude visualizar o amor que eles sentiam pela filha. Que sofrimento absurdo! E em pensamento, pedi o consolo aos pais e familiares, mas não deixei de implorar a Deus, que me poupasse dessa dor. Fiquei com eles durante toda a tarde e início da noite. Arrumei a mala da Giulia. Dobrei cada roupinha cuidadosamente e enquanto eu fazia isso, podia ouvir o choro angustiante de Soraya e Giovana. Os auxiliei no que pude e voltei pra casa.

Entrei no apartamento e sem chorar, apenas abracei Ana Luiza. Ela detestava choro e também não era muito fã de abraços longos. Contei o ocorrido a minha mãe, meu braço direito (e esquerdo) aqui em SP e tentei me reequilibrar depois da terrível pancada. Com o coração apertado pela dor daqueles pais e pelo medo de um dia fazer parte deste grupo, me restava apenas buscar consolo em Deus.

E no meio de tudo isso, mais notícias ruins: Fabiana, que já enfrentava uma barra com o câncer no intestino, teve uma piora repentina. Foi internada às pressas e precisou submeter-se a cirurgia, afinal o câncer continuava crescendo. Ela já tinha sido incluída nos cuidados paliativos, pois segundo os médicos, não existia mais chance de cura para a doença. Era possível apenas melhorar/manter a qualidade de vida dela. Aquela piora, deixava todos muito tristes. Ninguém quer entrar numa luta tão árdua pra sair derrotado. E não ter a cura definitiva, para a grande maioria, é sinal de derrota.

Mas será uma derrota mesmo? Pelo que testemunhei, o importante é lutar dignamente. É conseguir aprender em meio ao sofrimento. É a reflexão. E isso jamais poderia ser considerado uma derrota. Derrotado é aquele que viveu e nunca foi capaz de refletir, tendo sofrido de câncer ou não.

Mas apesar de tantas notícias ruins, Ana Luiza seguia firme na radioterapia. Comecei a me preocupar com os enjoos frequentes e a falta de apetite. Eventualmente ela relatava dor de cabeça e aquilo também me deixava preocupada.

Em uma ida ao hospital, conversei com uma das pediatras, que me assegurou que eram efeitos da radioterapia. E conversando com outras mães, tudo indicava que realmente fosse isso. Me tranquilizei, como todas as mães se tranquilizam: com um olho fechado e outro aberto.

Os exames de sangue estavam ótimos, então era momento de aproveitar. Cinema, passeio no sítio, shopping. Minha fiel escudeira, vovó Aldenora, precisou ir até Boa Vista e foi prontamente substituída pela dupla vovó Eliane e vovô Calmon. Marcos também ficou alguns dias conosco, pois na próxima semana teria uma viagem a trabalho, para Argentina, e ficaria alguns dias sem poder nos visitar.

Quando os quatro avós estavam todos em SP, Ana Luiza ficava nas nuvens. Mas quando o “puí” estava conosco, ela não queria saber de mais ninguém. Adorava o “cheirinho do Puí”, adorava tirar sarro de mim, aproveitando as ideias do Marcos. Era bom demais estarmos todos juntos, essa é a grande verdade.

Ana Luiza estava nas nuvens. Super entusiasmada com as visitas, adorando os passeios e muito feliz porque seu cabelo estava crescendo de novo. Eu também estava muito feliz. Me sentia uma verdadeira privilegiada por estar tendo êxito no tratamento. Agradecer diariamente a Deus me parecia completamente insuficiente.

Diante de tantas perdas, meu sentimento ao ver minha filha super bem, era o mesmo de um ganhador da mega sena. Fomos contemplados e nenhuma alegria se comparava a esta sensação. Tudo na vida é uma questão de perspectiva.

Aproveitando a chegada do vovô Calmon, que vinha de carro, de Belo Horizonte para São Paulo, fomos passear num shopping mais distante de casa. Ana Luiza não queria saber de entrar em lojas. Foi direto para a Livraria Saraiva com o vovô, como ela sempre fazia. Eu fiquei com vovó Eliane, entrando de loja em loja a procura de algo que nem lembro o que era.

Na hora de voltar, nos perdemos e pegamos um trânsito terrível. Em meio ao trânsito caótico de São Paulo, Ana Luiza, com sua excelente percepção das coisas, apenas disse: “Ah vovô! Tudo na vida tem um lado bom e um lado ruim. O lado ruim é que estamos no trânsito, mas o lado bom é que estamos todos juntos.” Demos risadas e era impossível não concordar. Realmente, perspectiva é tudo.

Um dia, uma repórter da TV Bandeirantes me telefona e informa que o Departamento de Pediatria do Hospital, tinha lhes dado nosso contato e eles gostariam de fazer uma reportagem sobre a vida de pacientes com câncer. Sobre as vitórias e sobre a retomada da vida, após o diagnóstico.

Fomos ao hospital e filmamos. Foram quase 4 horas de “convencimento”. Ana Luiza detestava câmeras. A repórter, experiente e incrivelmente simpática, levou algumas horas para conseguir arrancar a espontaneidade de Ana Luiza. Conversaram, brincaram e finalmente ela aceitou ser filmada.

Eu estava simplesmente feliz. Faltava menos de 1 mês para o fim do tratamento e Ana Luiza estava linda, alegre e confiante. Tudo aquilo foi evidenciado na reportagem.

Naquele mesmo dia, a médica responsável pelo tratamento, que também foi entrevistada, convidou Ana Luiza para um acampamento bem divertido, organizado e patrocinado pelo hospital. A jornalista queria muito que ela fosse, pois as brincadeiras também seriam filmadas e fariam parte da reportagem.

Ela disse que não iria “de jeito nenhum”. Só iria se eu também fosse. Eu não sei dizer se aquilo me deixava triste ou feliz. Triste por saber que talvez ela tivesse algum tipo de insegurança e necessitasse da minha presença, mas feliz por saber que ela me queria sempre por perto. Mas a incentivei muito, afinal sua médica, enfermeiras e professoras do hospital estariam todas lá. Ela estaria muito mais segura com eles do que comigo.

Mas ela disse que só iria sob uma condição: Se sua amiga Beatriz, amazonense de 16 anos em tratamento de um osteossarcoma condroblástico, também fosse. E mais: dormisse no mesmo dormitório que ela.

Acordo feito, agora era esperar pelo dia 10 de junho, quando Ana Luiza passaria o final de semana inteiro longe da mamãe, pela primeira vez na vida.

Marcos voltou para Manaus, mas deixou um bilhete e uma borrifada de seu perfume no travesseiro de Ana Luiza. Ela adorou. Passou o dia com o travesseiro na mão, cheirando o perfume do papai.

Ela me perguntou porque ele tinha que ir embora e eu expliquei que ele precisava trabalhar, pois tinha que pagar as contas, afinal eram duas casas agora, a de Manaus e a de São Paulo. Além disso, expliquei que eu não estava trabalhando desde setembro e isso diminuía muito o dinheiro. Então Marcos precisava voltar pra trabalhar, enquanto a gente terminava o tratamento.

Usando sua objetividade, Ana Luiza, com cara de atrevimento, apenas disse: “Você é uma folgadinha, hein mãe? Então meu pai tem que voltar, porque você não tá trabalhando, né?!

Eu dei muita risada. A “folgada” aqui, estava cuidando da própria filha e ela ainda me culpava porque o pai precisava voltar pra Manaus. Eu expliquei que estava cuidando dela e, rindo, ela me abraçou e disse: “Eu sei mamãe! Obrigada por cuidar de mim!

165 comentários:

  1. Camila Magalhães23 de julho de 2011 12:25

    Nossa Carol, é de emocionar ler o seu relato.. espero ler os próximos... vc é demais.. e essa pequena tem uma força que é sobrenatural!

    ResponderExcluir
  2. Emocioanante....
    Que Deus conforte o
    coração de todos vocês..
    Essa pequena é um exemplo de guerreira a todos nós...
    Vc e Marcos, e todos que a tiveram a vida, são uns privilegiados...

    ResponderExcluir
  3. Muito linda essa história,me emocionei bastante...mais essa princesa deu uma lição na nossa vida....fiquem c/Deus...

    ResponderExcluir
  4. Simplesmente Fantástico como a Naninha, encarou esse tratamento cruel

    ResponderExcluir
  5. Ain que lindo... Essa Florzinha é sempre será mto especial... Parabéns pela sua FILHA linda! Que Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Oi Carol,
    acho que apesar de let tudo por aqui, nunca comentei.
    Nesse texto de hoje, fiquei horas aqui lendo, passou um filme inteirinho na minha cabeça, imaginando tudo o que aconteceu e cada vez mais, tendo a certeza de que Ana Luiza era anjinho demais pra viver nossas adultices.
    Ela entendia tudo né... Era de uma força e uma sabedoria absurda, tudo isso ela nos deixou, como herança, era uma graciosa mesmo essa menina, além de fazer o mundo melhor com essa delicadeza e alegria, ainda nos deixa o que tinha de melhor como herança :)

    Querida, força e fé, todo santo dia pra vocês...
    aos poucos, tudo vai se ajeitando!

    Um fim de semana de luz!
    Um beijo

    ResponderExcluir
  8. Realmente Ana Luíza veio para nos deixar os seus ensinamentos assim como Giulia, Deus abençoe a todos vocês, Carol, Marcos e família!!!Fiquem com Deus

    ResponderExcluir
  9. Li esse texto aos prantos por saber o final da historia nem sei como vc teve forcas pra escrever + eu te agradeco de coracao por dividir conosco a forca e o exemplo que é, foi e sempre sera nossa pequena guerreira... que Deus conforte seu coracao Carol, hoje vendo vc relatar a dor dos pais da Giulia pude dimensionar o seu, só peco a Deus que Ele te dê conforto e consolo, te dê a certeza de que a princesa hoje tá curada e melhor que todos nós, e lá de cima tá olhando por vc e cuidando de vc... e aqui em baixo sendo exemplo de tudo de melhor que um ser humano pode ser pra todos nós que acompanhamos, sorrimos, torcemos e choramos com vcs... "A felicidade é algo se mutiplica quando se divide" é assim que vejo a Aninha uma bencao sem tamanho que vc diviu com todos nós... Vc deve ser memso muito especial pra Papai do Ceu ter te dando uma filha assim tao abencoada... fica com Deus e muita forca pra seguir escrevendo os dias seguintes no blog e quem sabe trasnformar esse blog em um livro...

    ResponderExcluir
  10. Lindo Carol! Muita emoção! Parabéns vc e uma Super mãe....não poderia ser diferente....afinal Aninha uma grande guerreira! Com vc em pensamentos e orações! Bjos

    Ana Knittel

    ResponderExcluir
  11. Muito lindo esse relato, Carol.

    Ana sempre com suas sábias palavras.

    Fiquei muito triste pela morte de Giulia também :(.Sem palvras.

    Mas o que conforta é saber que ela e Ana nao sofrem mais.E acredite que um dia voces estarao juntas novamente. Deus pai prometeu isso para seus filhos.

    Um abraco apertado.

    Marcia M. Meurer.

    ResponderExcluir
  12. Lindo carol. Parabéns por ter sido uma excelente mãe para a pequena

    ResponderExcluir
  13. Carol,
    Mais uma vez me emocionei com os relatos escritos por vc....realmente a Ana Luiza era de uma força extremamente forte e nos ensinou e principalmente ensinou à vc como enfrentar lutas diárias de coisas que não sabemos pq acontecem....Só nos resta a saudade agora e o conforto de saber que hoje ela não mais sente dores,está livre de todo sofrimento e está com nosso Pai Celestial e quando assim for o momento vc novamente estará com sua filha em seus braços, pq essa nossa vida aqui é apenas uma breve passagem pois tenha a certeza que DEUS tem um plano de vida muito melhor que esses que conhecemos onde toda doença, dor e sofrimento não mais existirá!
    Bjos e fique com DEUS.
    Meg.

    ResponderExcluir
  14. AI CAROL...
    QUANTA SAUDADE DA PEQUENA ANA LUIZA...
    TODA VEZ QUE LEIO OS SEUS TEXTOS EU ME SINTO FELIZ... PQ A ANA LUIZA NUNCA SE DEIXOU ABATER POR ESSA DOENÇA... NOS SEUS TEXTOS A GENTE CHORA, A GENTE RIR, E FICA COM A CERTEZA QUE ELA SEMPRE FOI MUITO FELIZ... ABRAÇÃO PRA VC E PRO PUÍ...
    BY DAIANA DOS PRAZERES...

    ResponderExcluir
  15. Carol,
    nao me canso de vir aqui ler e reler seus relatos, aprendi e aprendo muito com vocês a viver, a ser um SER HUMANO que vive, ensina e nao apenas passa pela terra.Ana Luiza foi iluminada, trouxe vida p muita gente, inclusive p mim e vc uma mae com padrao de excelencia, jamais me esquecerei de vocês.
    Obrigada por compartilhar de sua Ana Luiza conosco, ja amamos sua familia, as portas da nossa casa estao abertas p vcs em todo tempo.

    Um grande abraco p vcs e uma semana de paz e calmaria no coracao de vcs, se estiver ruìm lembre-se que tudo é uma questao de perspectiva, jà dizia ANA LUIZA.

    Abraco!!!!
    Fernanda Monturil

    ResponderExcluir
  16. Ana Luiza foi e vai ser sempre um exemplo pra todos nós. Relato emocionante.
    Deus te escolheu por vc ser essa mãe iluminada, guerreira e maravilhosa.
    Que Deus conforte o seu coração !

    bj

    ResponderExcluir
  17. Carol, soube há pouco a triste notícia... Mas sempre rezei muito por vcs!!! Ana Luiza agora é um anjinho lá no céu, que está olhando por vcs e encorajando-os a seguir em frente e ajudar outras famílias com problemas semelhantes!!! Força e coragem, continuarei rezando mto por vcs!!! Abraços!!!

    ResponderExcluir
  18. "Você nunca sabe a força que tem. Até que a sua única alternativa é ser forte." [Johnny Depp]

    Parabéns por, em meio a dor suprema do ser humano, ter essa força e essa coragem.

    Abraço carinhoso em você e no Marquinhos (é assim que o chamo desde os tempos de infância). Fico muito feliz saber que aquele menino arteiro tornou-se um homem íntegro e de valor.

    ResponderExcluir
  19. ........................
    Mas recebi várias mensagens, vários e-mails, várias ligações e sempre alguém me pedia algum auxílio ou orientação. Pessoas de São Paulo, Rio de Janeiro, Manaus. Pessoas desconhecidas. Apenas pediam ajuda. Pra divulgar alguma coisa, pra tentar conseguir uma vaga no hospital, pra agendar uma consulta, pra perguntar o que fazer.
    ..................................

    Quando conto a história da Carla, quase sempre cito que nosso primeiro contato dentro do AC Camargo foi a Carol. Eram os primeiros minutos do sábado, dia 30 de abril, quando meu irmão Tirson me ligou pedindo para eu entrar em contato com a Carol, em SP... Retruquei que já era tarde, principalmente em razão do fuso horário, que dá uma hora de diferença, a mais para SP. Ele me disse: liga que ela está esperando teu contato... Nunca me esquecerei desse episódio. Muito obrigado Carol!!! Viva Ana Luiza!!!

    ResponderExcluir
  20. Carol, sua escrita me encanta e me emociona. Força para superar e guardar no coração a imensa lição recebida por meio da vida da Pequena. Sei que Deus tem os amparado. Aguardo ansiosamente os próximos posts! Beijo de uma grande admiradora.

    ResponderExcluir
  21. Ai, preciso confessar que tenho saudades desse tempo... :,((((

    ResponderExcluir
  22. Carol, você é um exemplo para muitas mães e por isso ser MÃE é isso guerreira, eu ainda não tiver a oportunidade de sentir esta sensação que é gerar um ser iluminado e abençoado por DEUS, mas conheci você durante 2 anos que a Ana estudou no CEAD eu sei que todo o carinho, amor e meiguise desta princesa eram simplesmente atos naturais de uma pequena criança que com toda essa situação deixou um verdadeiro exemplo de vida e para mim você e ela jamais serão esquecidas. Um grande abraço e que DEUS lhe conforte a cada dia. Para sempre SAUDADESSSS.

    ResponderExcluir
  23. Olha Carol eu tb rezei muito,pedi a Deus para não entrar para o time das "mães orfãs" mas infelizmente ele teve outros planos para eu e meu pequeno..desde q o CA entrou na minha vida e bagunçou tudo provocando tanto sofrimento ao meu filho,e depois deixou toda essa saudade eu não sou mais a mesma pessoa..e tenho certeza q nós podemos fazer a diferença auxiliando as familias q precisam de carinho,de materiais de tudo..pq realmente são poucas as pessoas q se interessam pela causa sem nunca ter conhecido o CA de perto..
    Eu peço a Deus todos os dias para q continue nos dando força e q ele derrame muita alegria aos nossos anjos.
    Beijos

    ResponderExcluir
  24. Pensar no outro, em meio a dor, é mesmo uma lição de solidariedade.

    ResponderExcluir
  25. Carol... eu fico realmente impressionada com a força de Ana Luiza!

    Que criança especial!!!
    Grande beijo


    Carla Noveli

    ResponderExcluir
  26. se você presencia tantas barbaridades e vive sua “vidinha” (e seus próprios problemas) como se as barbaridades não existissem, acredite: Você não é um ser HUMANO. Você é apenas um SER

    QUE LIÇÃO MARAVILHOSA!!! COMO TE DISSE PELO FACEBOOK, VOCÊS REACENDERAM EM MIM SENTIMENTOS HUMANOS ADORMECIDOS, E EU SEREI ETERNAMENTE AGRADECIDA...

    FORÇA SEMPRE!!!

    #PRASEMPREANALUIZA

    ResponderExcluir
  27. MUITA EMOÇÃO. QUE DEUS TE ABENÇOE TE ILUMINE.

    VC É EXEMPLO. ENSINA MUITO.

    LIDIANE DANTAS FORTALEZA-CE

    ResponderExcluir
  28. Oi Carol,

    Você é um ser abençoado.
    Pois apesar do turbilhão que passou por sua vida vc está aqui narrando tudo o que aconteceu com sua pequena.
    Que Deus abençoe sua vida.

    Bjs

    ResponderExcluir
  29. Carol, não conheço você, mas me tornei sua fã apartir do momento que comecei acompanhar sua história de luta, tenho certeza que Deus colocou a mão sobre a sua cabeça e, pôs a luz irmanada de sua filha Ana Luiza, para que você tenha forças para prosseguir na vida, trazendo para todos nós, essa alegria que você tem e passa.
    Que Deus na sua magnitude, olhe por você e por nós e, mantenha a Ana Luiza ao seu lado, para tentar mostrar ao mundo, o que é o Amor.. Um grande beijo, sinta-se abraçada por mim, mulher, mãe e guerreira a quem eu tanto admiro. Inácia

    ResponderExcluir
  30. Carol,
    Não sei nem o que dizer,fiz do seu blog um livro e principalmente de liçao de vida.Que Deus continue iluminando o caminho de vocês e boa sorte na batalha.

    ResponderExcluir
  31. É, simplesmente, incrível essa criança. Ela realmente não pertencia a este mundo. Era anjo na Terra.

    ResponderExcluir
  32. "Quando falamos de câncer, a palavra cura, é algo ainda muito distante. Mesmo em pessoas que estão livres da doença há anos, o temor a cada exame de rotina, é como um pesadelo que não nos abandona nunca. Usa-se, apropriadamente, o termo “doença sob controle”, como bem esclareceu um dos maravilhosos médicos da Ana Luiza. E apesar de ter a doença sob controle hoje, o amanhã sempre permanecerá desconhecido. Na verdade esse é o mistério da vida. O amanhã sempre será desconhecido, tendo câncer ou não."

    Disse tudo querida!

    Que Deus abenmçõe vcs! bjus

    ResponderExcluir
  33. Carol, você é um ser HUMANO grandioso,que tem uma percepção enorme pra ter forças em meio a tantas tempestades que ocorreram na sua vida! Comecei a admirar e ser sua fã apartir do momento que iniciei a leitura do seu blog, a Ana Luiza é uma criança, um anjo abençoado por ter tido uma mãe maravilhosa e o "Pui" ao lado dela, DEUS vela e consagra todos os dias de vocês. Beijos no coração, com carinho.Sam

    23 de julho de 2011 18:10

    ResponderExcluir
  34. de fato a perspectiva muda tudo, assim como a ideia de que a sabedoria vem com a idade! a Ana Luiza, de 7 aninhos, sabia muito mais do q muitos mais velhos por ai!

    ResponderExcluir
  35. Deus bençoe vcs. A lição de vida que vcs nos passam é maravilhosa. Obrigada por cada ensinamento.

    ResponderExcluir
  36. Carol me admiro cada dia mais com a sua força, não sei se fosse comigo se suportaria tantas coisas!
    Ana Luiza vive em seu coração.
    Vc já ouviu falar sobre criança indigo?
    Acho que a Ana é uma delas!
    Força e fique com Deus!

    ResponderExcluir
  37. Oi carol.

    Tenho acompanhado a história da pequena a um tempo. A grande Ana Luisa nos deixou um legado muito grande de exemplo, virtudes como o carinho, a alegria, a disposição, a confiança, a força, a garra, a coragem, e principalmente, a vontade de viver. Sei que ela deixou bem mais que essas pequenas qualidades/virtudes. Como deve ter sido maravilhoso conviver com esse grande anjinho. Lendo seus relatos, posso perceber que quando enfrentamos as dificuldades com confiança e alegria, tudo fica mais ameno.
    Carol, Não esqueça que DEUS não desampara ninguém e ele é bom e justo. Sei q muitas vezes não temos como entender, não dá para entender seus desígnios, mas sempre acontece o melhor. Estou orando para que vocês tenham muita força para superar esse momento e q a pequena concerteza está em um lugar mil vezes melhor e amparada pelos espíritos de luz. Agora é enviar muitos pensamentos positivos para a pequena, para q ela seja muito feliz e se adapte a sua nova vida. Um dia vocês irão se reencontrar, com certeza.
    Desejo força para você continuar escrevendo e assim, transmitindo o grande legado da guerreira Ana Luisa. ajudando as pessoas com seu exemplo. E força para seguir em frente....
    Que DEUS abençoe a você e o Marcos. Grandes pessoas!
    Obrigada por me ensinar tantas coisas... Com a Ana Luisa, estou aprendendo que todos os problemas se tornam mais amenos, quando se tem vontade, alegria e confiança em nosso Criador.
    Mesmo sem conhece-la pessoalmente, te admiro muito!
    Parabéns pela #FORÇAANALUISA!
    Um grande abraço.
    Sabrina Mangrich de Assunção (sabri)
    #PRASEMPREANALUIZA

    ResponderExcluir
  38. Carol que texto lindo e emocionante! quando leio quase posso vizualizar...... mas saiba que sua Ana luiza está num lugar tão lindo e curada! Ana luiza era realmente uma criança especial forte guerreira e decidida.

    ResponderExcluir
  39. Carol,

    Tenho certeza que a Ana Luiza "passou essa temporada" aqui na terra para nos ensinar muita coisa.

    Sua filha sempre sempre foi um anjo.

    Bjs e força

    ResponderExcluir
  40. Oi Carol...Ainda não tinha lido sua postagem tão detalhadamente como hj...Tudo que narra de certa forma para mim infelizmente não é novidade pois como ja disse algumas vzs no Força Giulia e Ana Luiza sei o tamanho da Dor por tb ter vivenciado esta peregrinação...Lendo sua narrativa meu pensamento em determinados momentos iam mais rapidinhos tendo a certeza do que vc escreveria na linha seguinte pq tudo é exatamente igual...Incertezas angustias...momentos de alivio qdo termina o ciclo de uma sessao de radio ou quimio...o "poder" respirar um pouquinho qdo naquele momento as coisas parecem sob controle( quadro sem evolução por algum tempo)...Surreal...Impactante...Revoltante as vzs...mesmo qdo temos anjinhos a nos repreender qdo fraquejamos com nossas incertezas...Eles se tornaram nossas Fortalezas não é mesmo???Ficava boquiaberta qdo via meu sobrinho entrar naquele aparelho de ressonância com aquela mascara que parecia asfixia lo e me sentia tão pequena e Imobilizada frente a realidade e a impossibilidade de nada fazer....Como vc se refere no seu texto!!Somos tão pequenos e frageis...Meu Deus!!!E qta gente ainda usa o termo..."_Mas vc sabe com quem esta falando"?kkkkkkkk....As vzs tenho até um pouco de Inveja de pessoas q se "acham" aki neste nosso mundinho...Sim pq estas pessoas tem a Ilusão de que sao Poderosas e que podem resolver qq tipo de problema que a Vida lhes trouxer...Nós que vivenciamos a Fragilidade Humana e infelizmente sabemos o que é isto...Não temos mais Ilusões!!Reconhecemos a Vida como ela é...Nao sei te dizer se isto é valido..Neste caminho de perda..Sofro a mais tempo q vc e tb do que a Soraya nesta ausência e neste silêncio...Ainda nao encontrei respostas do "para que"....Perder na minha opiniao nao nos faz Crescer...Aprendi muitas coisas com a perda de meu sobrinho e de meu irmão pra esta doença Cruel....Deus me livre...Mas acho que nao precisava ser assim...Alias acho muito Cruel ao ser Humano ter q passar por esta sentença de "Morte Anunciada"..E vou parando por aqui pq meu Objetivo ja´esta desfocando...A minha intenção em te escrever é apenas Agradecer a sua Coragem em narrar e ajudar pessoas com a sua Luta que foi a minha um dia e continuará sendo..Pq por mais q queira esquecer a minha história deixando-a no passado...Sempre me pego tentando ajudar alguem que esteja passando por isto....Abraços...Força..Marcia Almeida!!!

    ResponderExcluir
  41. dia 16/05 minha grande amiga/irmã, também se foi, perdeu a batalha contra o câncer de mama, menos de um mês antes dela partir uma prima também faleceu vitima da doença no pulmão. Acompanhei o tratamento da minha amiga com muita fé e esperança, ela descobriu a doença, tratou e teve uma vida normal, durante cinco anos e ai a doença voltou no final do ano passado. Mostrei seu blog , a força e coragem da Ana Luiza para incentiva-la . Agora utilizo a historia da Ana Luiza e da Julinha como exemplo para a mâe da minha amiga Vanda de quase oitenta anos que sofre muito com a perda da filha. A mãe de minha prima Dagmar tem 83 anos e como você não saiu da AC Camargo durante os ultimos dias de vida de sua filha e cuidava dela.
    A Vanda e a Dag não se conheciam, fiz uma cirurgia em outubro e as duas vieram me visitar na minha casa no mesmo dia e eu as apresentei. Jamais imaginava que pouco tempo depois as duas não estariam mais aqui. A vida é cheia de mistérios mesmo.
    Parabéns Carol por que mesmo em meio a tanta dor você consegue servir de exemplo de fé e força, Com certeza você foi a melhor mãe que a Aninha poderia ter.

    ResponderExcluir
  42. "Os encontros mais importantes já haviam sido combinados pelas almas antes mesmo, que os corpos se vissem."

    ResponderExcluir
  43. Carol, seu blog nos deixa sentir um amor e admiração ainda maior pela figura humana q foi sua filhota Ana Luiza. Eu me orgulho de ter contato c uma mãe poderosa cmo vc. Estarei sempre por aqui, no face e já repassei o link do seu blog a vários amigos, p q tomem conhecimento de sua história e das aventuras da pqna Ana. Uma menina especial demais!!!
    Qto a Giulia, filha da Soraya, outra mulher forte e admirável pra mim, eu sinto mto essa dor também, eles parecem ser uma família mt unida, isso é mt importante nessas hrs. Minha filha de 7 aninhos disse (ciente das duas perdas q acompanho ultimamente): "mãe pelo menos os pais da Giulia tem uma outra filha e os pais da Ana Luiza?" Bem, eu desejo paz no coração de vcs, todos. Um beijo e força! Tô c meu coração apertadinho dps desse texto seu minha amiga.

    ResponderExcluir
  44. Obrigada pelo sopro de vida que vc e a Ana Luiza nos dão.. é um aviso que eu interpreto assim "Curta sua vida, aproveite ao máximo, não se preocupe com problemas/coisas pequenas e irreais... amanhã talvez seja tarde! Carpe diem!
    AACA

    ResponderExcluir
  45. É difícil para nós entendermos que o corpo se vai mas a vida continua em outro plano e logo logo nos encontraremos com os que se foram!! A dor da presença física é tamanha, eu sei, mas acreditar que a vida é eterna conforta um pouco mais nossos corações!! Força, querida Carolina, e creia que um dia você terá sua pequena em seus braços, sem sofrimentos, desfrutando a paz de Deus. Ela estará bem e te esperando com a mesma alegria!!! Que Deus acalente seu coração, te dando paz e fazando-a ter certeza de tudo o que te disse. Beijos no seu coração!!

    ResponderExcluir
  46. Muito lindo o texto...
    parabéns pela serenidade, evoluçao espiritual, maturidade.

    bjs
    Suely

    ResponderExcluir
  47. Que Deus continue te dando muita força!!!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  48. Ela é um anjinhoo !
    Muito linda e inteligente :)
    fico impressionada com a força,mesmo no momento mais dificil ela estava preparada.

    beeeijos

    ResponderExcluir
  49. Es que os filhos são herança do SENHOR.
    um forte abraço .

    ResponderExcluir
  50. Ola Carol, sou do piaui, moro na capital Teresina,comecei a ler o blog depois que perdi uma grande amiga/irmã com o mesmo C.A. da Ana luisa, ela tinha 18 anos viveu um ano e quatro meses com a doença,ela é e sempre foi linda era modelo, estuda iria prestar vestibular pra medicina antes de descobrir a doença,mesmo doente sempre estudava e fazia as provas de vestibular,tendo aprovação pro curso de farmacia na Universidade Federal do Piaui,mais não chegou a iniciar por que ela faleceu agora no dia 29 de junho, li o blog e me emocionei varias vezes,evitava ter grandes conhecimentos da doença pra me poupar de mais sofrimento já que as chances de cura "quase" não existe.Eu acompanhei pelo twitter varias mensagens suas e do marcos também,fiquei muito triste e conformada com a passagem da Ana luisa para outro lado, dias antes da Bia(minha amiga/irmã) fui visitar no hospital e por mais otimista e confiantes,dificilmente se queixava de dores para não preocupar os outros ela me falou>: suzi estou tão cansada(com um olhar que diz eu não aguento mais tanta dor,me desculpa)dois dias depois disso ela ficou quatro dias em coma tendo já morte cerebral,mais optaram por esperar o coração para de bater,ainda é tudo muito doloroso,por que a saudade é imensa,mais eu queria que você continuasse confiante,e que um dia você e ana luisa vão se encontrar e ai a verdadeira vida"eterna" vai começar...enfim desejo muita paz,conforto e felicidade pra você e pra sua familia inteira,a pequena agora deve tá descansando/recuperando do outro lado do caminho.

    ResponderExcluir
  51. Olá Carol,

    Confesso que é muito dificil pra mim estar aqui no blog, pois começo a chorar...

    As pessoas que convivem comigo conhecia a Ana de tanto eu falar dela, foi muito horrivel quando via noticia que nunca queria ter visto.. Fico olhando as fotinhas dela e ainda não acredito...

    Amava sem conhece-la... Mas Deus a quis pra ele, e cabe a nós aceitar, mesmo que dolorosamente.

    Que Deus possa fortalecer o coração de vocês, só ele pra ajuda-los. Tudo com o tempo vai ficar melhor... Ela sempre estará em nossos corações, disso eu tenho certeza..

    Obrigada por dar a oportunidade de conhecermos uma pessoa tão linda como a sua filhinha... Amei conhece-la.

    Beijos e sempre estarei com ela no meu coração!

    ResponderExcluir
  52. Oi Carol, continuo acompanhando o blog, e a estória de vcs não saí da minha cabeça, penso em vcs e na Ana, todos os dias. Carol, eu gostaria de saber, como nós cidadãos comuns, podemos fazer para entrar na luta do cancêr infantil, pois infelizmente quem não passa por isso não tem noção de como fazer para ajudar. Beijos e não nos abandone

    ResponderExcluir
  53. Ei carol, não aguentei quando soube que o senhor levou a ana, chorei, e chorei muito, e ainda choro... como vc mesmo escreveu nada que possamos dizer ameniza a dor dessa perda, tenho um bb de quase 7 meses e não sei como um pai ou uma mãe pode suportar tamanha dor.. mas saber o tamanho dessa alegria que sua filha tinha e como foi amada ajuda um pouco, pra mim e como se eu a conhecesse e sinto uma dor tamanha, orei por ela todos os dias e cria em sua recuperação, se doi tanto em mim, não posso nem imaginar tamanha a sua dor, mas peço ao senhor força a toda familia, gostaria muito de te enviar um livro,tem como? um abraço forte e demorado, fique com Deus.

    ResponderExcluir
  54. Uma linção de vida....emocionante.
    Deus abençoe.

    ResponderExcluir
  55. Carolina,

    Tenho acompanhado seu blog depois que o Wolty colocou o link no blog dele.... nao tenho realmente palavras. A Ana é maravilhosa. Nunca deixará de ser. Tbm nao sei o que te dizer, pq o cancer mata as pessoas tao lentamente, tao cruelmente, mas acho que aprendemos com a situacao. Perdi a minha mae dia 31/05/11 tbm de cancer no pulmao. É duro. Só quem passa pra saber mesmo. Duro tbm é saber de historias de criancas que precisam carregar o mesmo fardo. Mas no final, Deus sabe o que faz. Tudo isso aqui transcede os planos que Ele tem pra todos nós.
    Que Deus te de forcas pra suportar a dor, os dias, meses, e anos por vir.

    Um beijao Carol.

    Priscila

    ResponderExcluir
  56. nossa e impossível ler o seu bolg e não se emocionar. parabéns pela vitoria com sua filha, espero que logo, logo vcs estejam em casa. felicidades sempre e muita saúde a toda sua família.

    ResponderExcluir
  57. Clênia vasconcelos25 de julho de 2011 06:15

    me sentindo infinitamente pequena para poder te oferecer uma palavra de conforto,mas como mãe me sinto capacitada para te dizer que realmente sinto tanto o seu sofrimento...oro a cada minuto para que Deus em sua infinita sabedoria te fortaleça a cada dia mais,e que a lembrança dessa doce e linda criança seja a cada hora mais feliz,que possamos aprender de toda sua luta a não valorizar pequenos problemas,meus sentimentos e orações por vcs,bjos.
    Clênia

    ResponderExcluir
  58. "Mas será uma derrota mesmo? Pelo que testemunhei, o importante é lutar dignamente. É conseguir aprender em meio ao sofrimento. É a reflexão. E isso jamais poderia ser considerado uma derrota. Derrotado é aquele que viveu e nunca foi capaz de refletir, tendo sofrido de câncer ou não."

    esse trecho foi o q me tocou profundamente...

    li tudo emocionada e chorei no relato da Giulinha...

    mas sei q elas estão bem hj, sem dores, juntas e felizes, creio nisso!

    força Carol, força Marcos!

    Bjs
    da Li
    com mto carinho

    ResponderExcluir
  59. Minha nossa senhora! você está judiando da gente Carol. Impossivel não se emocionar!
    Carol

    ResponderExcluir
  60. Carol, sou sua fã (mais uma). Não tenho palvras pra dizer o quanto sua filha Ana Luisa e você nos ensinaram e ensinam a cada post que escreve. Verdadeira lição de vida. Sempre me emociono muito.

    Um grande abraço em você e em seu marido.

    Selma Pereira

    ResponderExcluir
  61. Ana Luiza será sempre um exemplo de FORÇA e FÉ ... grata a você Carol por continuar a escrever esse blog que me emociona e me faz pensar em como posso ser um ser humano melhor!!! Que Deus derreme bençãos em suas vidas!!!

    ResponderExcluir
  62. Carol,
    primeiro quero dize que foi uma lição de vida pra mim estar aqui nesse blog lendo tudo isso.Obrigada por me ensinar que devo agradecer todos os dias, obrigada por me fazer enxergar que por tras da minha "vidinha" tenho uma vida e que devo olhar pros lados.Obrigada por me fazer conhecer essa pessoinha tão linda que era a Ana,obrigada.
    peço a Deus q lhes conceda muuuita força, a vc e ao Puí ...Deus os abençoe...obrigada

    Walquíria - @walzita

    ResponderExcluir
  63. Você é uma pessoa especial e não canso de dizer isso.

    A Ana Luiza é um anjo sim.

    É impossível não se sentir pequeno diante da sabedoria e força da Ana Luiza e de toda a família.

    Você não faz ideia da força de tudo que você escreve e da força que esse anjo passa e de como ela mudou minha vida.

    Muito obrigada por me ensinar tantas coisas.

    ResponderExcluir
  64. Eu acompanhava de longe o caso da Ana Luiza, e foi por acaso, no Twitter. Não me conformo com sua partida. Por isso venho aqui, para vê-la. Porque você sempre a manterá viva, seja do que jeito for.
    Que você e seu marido tenham certeza de que criaram e cuidaram de uma filha maravilhosa, que nada mais é do que um reflexo de vocês dois.
    Que Deus os abençoe, sempre. E a Ana, agora uma estrelinha, também cuidará de vocês.

    ResponderExcluir
  65. Tal mãe tal filha. Com certeza a força de Ana Luiza veio da mãe. Não sei se eu conseguiria relatar o que vc relata.

    Passei a ler o seu blog a pouco tempo e é impossivel não se emocionar. Olha, te confesso uma coisa: torço muito pra que eu consiga ter uma filha(o) com a maturidade da sua menina. Ela não deixava de ser criança mas tbm nao deixava de ser madura. Parabens pela perfeita educação que deste a sua pequena. Parabens pela linda filha, parabens pela sua força.

    Que Deus continue abençoando a sua familia e que dê muita força a voces. Ana Luiza continua do ladinho de voces... tenho certeza!

    Um enorme beijo!
    Fiquem na Paz!
    Força sempre!

    ResponderExcluir
  66. Oi Querida... não vim para lhe dizer o mesmo que todos.
    Mas que a missão da ana luiza foi de transmitir amor,solidariedade,exatamente oq ela fez ate os ultimos dias.Mta gente lendo o blog,face,twitter.. aprendeu a ver a vida de maneira diferente,imagine agora quantos leitores ajudam mais,se doam mais pelo proximo...e quanto isso fará a diferença em suas vidas.Mtas pessoas vivem longos 100 anos e não ensinam nada aos que ficam,não contribuem para nada.. Ana Luiza partiu porque Deus sabia que ela fez aqui muito mais do que adultos fazem,fez muito mais do que muitos mereciam,pois foi com a dor dela que aprendemos...Grande missao tinha esta criança,é com dor que ficamos..mas ela foi em paz,sem dor,sem sofrimento...pois acredito que ela mesma sabia que sua missão aqui chegava ao fim.

    ResponderExcluir
  67. Carol fico tão feliz de ver Ana Luiza bem,orei por ela assim que soube dessa luta. Mas me entristeci em saber sobre a Giulia,acompanhei o caso dela quando li uma postagem sua,fiquei muito triste pela morte dela,fico pensando como deve estar os pais dela,que dor deve ser perder um filho,fico aflita só de imaginar. Peço a Deus que conforte o coração deles.

    Bjokas em vcs

    Carla e Miguel

    ResponderExcluir
  68. Carol não tem palavras q confortem neste momento, pois só quem tem o poder para confortar assim é o SENHOR! Moro em Manaus, e não sei como nem onde, mas estou disposta a ajudar na luta contra o câncer no q estiver ao meu alcance. Deixo o meu email para contato patynog_7@hotmail.com

    Deus abençoe e conforte vc e o Marcos e todos os familiares!

    ResponderExcluir
  69. Olá Carol / Marcos (Puí)...

    Leio o Blog e ainda fico com uma esperança de o final ser diferente!!!

    Bjs e força sempre!

    ResponderExcluir
  70. Força, saiba que vc é uma mulher guerreira, fico muito preocupada, sera que todas as mães teriam essa força?
    Espero que seu coração esteja em paz, pois vc foi uma mãe nota 1000, soube conduzir de forma sabia os momentos de aflição que sua filha passou.. parabens por ser uma mulher batalhadora e determinada.

    ResponderExcluir
  71. Vc é uma grande mãe, uma grande mulher! Acho que vc deveria ter outro filho, sabia?!? Não para ocupar o lugar da Ana, de jeito nenhum, mas acho que a criança que nascer de vc vai ser tão bem cuidada, tão amada e vai se espelhar na pessoa maravilhosa que vc é e vai contribuir para o mundo ser um pouco melhor. Força Carol!

    ResponderExcluir
  72. Olá Carol,
    Que Deus abençoe e conforte vc e seus familiares.

    ResponderExcluir
  73. Oi Carol, vc é uma mãe maravilhosa!!! A Ana deve ter muito orgulho de vc..
    Bjs

    ResponderExcluir
  74. Oi Carol, Sou Noiva do primo de Felipe....ja ha algum tempo leio este blog.....desde que soube da Ana Luiza pelos pais de Felipe...e ai vim em busca de saber noticias SEMPRE.....CONFESSO que fiquei arrasada com noticia da partida da princesa que com tanta força me passou muitas liçoes de vida,passei alguns dias sem dormir direito....e como vc disse nao é normal de jeito nenhum continuarmos com nossa vidinha diante de um historia desta e tantas outras que existem por ai....Me emocionou bastante este ultimo post....como sao loucos nossos sentimentos,lendo com tristeza por saber que Ana luiza não está mais aqui com a gente,rindo as coisas ditas por ela,e impressionada com força da mãe"folgada'' e do pui....vcs são abençoados e escolhidos por nosso Deus para ensinar as pessoas....parabens e força....'' é sempre necessario uma despedida até que nos encontremos novamente'' é isso ai....demos só um até logo a Aninha e em breve a encontraremos na vida eterna!!!!Minha vó tem 85 anos e perdeu 2 filhos e meu avó (seu marido) pro cancer...ela sempre me fala que é uma dor que nunca passa,mas que ela aprendeu a conviver com ela sem afetar a vida de outras pessoas...DEUS CONTINUE ABENÇOANDO VCS...E FORÇA....com carinho Deborah Campos.

    ResponderExcluir
  75. Carol,
    O exemplo que a Ana Luiza deixou de entrega é a coisa mais fantástica que já conheci.
    É impossível com seus relatos, não aprender e se emocionar com cada atitude dela...
    Me sinto honrada em conhecer esse exemplo de vida...
    Mas como diz meu mestre: não somos deste mundo!!
    E pensando nisso, um dia nos encontraremos novamente, com mais entregas, exemplos e muito amor...
    Beijos e muita força para vocês.
    Drica

    ResponderExcluir
  76. Que Deus continue a consolar o teu coração.Bjuss
    Aprendi muito com esses relatos.
    Mulher de coragem e força.

    ResponderExcluir
  77. Carol juro a vc que fico sem palavras toda vez que venho ler no seu blog uma parte do que vc viveu com sua filha! Vc é um exemplo de mãe, de amor, de vida! Parabéns!

    ResponderExcluir
  78. Cada dia que venho aqui e leio sua história, tenho a infinita certeza sobre o tema do meu TCC e mas a certeza de que vc será meu braço direito pra essa pesquisa! Como faço pra entrar em contato com vc?

    Carol esse blog tem que virar um livro! Sua história e a força da pequena Ana Luiza é um exemplo de vida.

    Um forte abraço em vc e no Marcos! Pais exemplares! Parabéns.

    ResponderExcluir
  79. Sei que ela nao gostava de choros, mas as lagrimas brotam.
    Iluminada Ana Luiza, Iluminada mae, especial que é vc.
    Deus esteja com vc.

    ResponderExcluir
  80. Oi Carol,

    Sinta-se abraçada, é o q gostaria de fazer agora após ler o seu post. Ana Luiza continua ensinando muito..obrigada por dividir conosco sua história!

    Fica com Deus..luz..

    Cris

    ResponderExcluir
  81. Carol e Marcos, um abraço fraterno de muita tristeza, mas feliz em conhecer uma estrelinha com tanto brilho que é a Ana Luiza, ela sempre brilhará no colo de Deus.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  82. Impossível ler seu blog sem chorar. Conheci seu blog alguns dias depois que a Ana Luiza tinha partido e sinto saudades dela sem nunca ter conhecido esse anjo. A saudade é a mesma que sinto da minha irmã que faleceu dez anos atrás e na época deixou uma filhinha de 6 anos, chamada Isabela. Pois foi justamente a Isabela quem consolou minha mãe, quando soubemos da morte da minha irmã, depois de ficar 40 dias em uma UTI, dizendo “Não chora mais vovó, a mamãe está bem e feliz porque lá no céu não tem hospital”.
    Eu acredito que as crianças são anjos enviados dos céus para nos auxiliar a enfrentar esse mudo. Alguns são tão especiais que Deus chama de volta mais cedo. A Ana Luiza é um desses anjos especiais.

    Um abraço forte!!!

    ResponderExcluir
  83. Você é A MÃE! Poucas mães são tão companheiras e guerreiras como você é! Deus te conforte. A Aninha está em paz, com certeza!

    ResponderExcluir
  84. Olá Carol,
    Te escrevo desde Portugal. Sigo seu blog há algum tempo e só hoje me apercebi do terrível desfecho. A esperança de que a Ana Luiza vencesse esse monstro era tão grande que me recusava a ver outra hipótese a não ser a cura.
    Admiro muito você porque em meio da maior de todas as dores, como é a partida de um filho, encontra tempo para nos relatar e nos dar a conhecer a luta que é a vida das pessoas que sofrem desta famigerada doença. Todos nós já perdemos alguém para ela, no meu caso foi um sobrinho e afilhado que partiu aos 24 anos. Aqui revivi tantos momentos de luta, de dor, de esperança. Com o mesmo resultado. Eles nos foram levados.
    Desejo a você toda a força do mundo para que consiga suportar tamanha dor.
    Deus te abençoe
    Maria

    ResponderExcluir
  85. Cláudia Monteiro28 de julho de 2011 10:56

    Como não se emocionar, não fazer parte dessa dor.
    Ana luiza , desde que te conheci, passei a pensar nos outros bem mais, me tornei melhor... Pena que vc não pôde me conhecer, pra ver como estou melhorando, esse lado egoísta, mesquinho, que nós adultos temos e que a gente acha normal.
    Carol, vc mudou e continuará mudando, teve a sorte de ser mãe da Ana e ser bem melhor que foi um dia.
    Força na caminhada.
    Obrigado pelas lições que estou aprendendo e pondo em prática, aos poucos eu chego lá!!!
    Força e fé.

    ResponderExcluir
  86. Boa tarde, Carol, não me contive e quis fazer uma pequena homenagem à Ana no site recanto das letras (http://www.recantodasletras.com.br/homenagens/3084235). Você e Marcos mudaram minha maneira de ver a vida. Obrigado.

    ResponderExcluir
  87. Não sei o que dizer numa hora tão triste, mas acho que como mãe e pai fizeram tudo que estava ao alcance e sempre ao lado dela, dando todo o amor do mundo.... amor que muitos pais não dão aos filhos saudáveis, seja por estarem trabalhando, seja por acreditarem que tem uma vida inteira pela frente...e isso pode não ser real, a vida pode deixar de ser normal e ser uma vidAnormal. Fizeram o melhor por ela! Continuem fortes e unidos, pois este será o melhor presente para a Ana.

    ResponderExcluir
  88. Nivea Helena Miranda29 de julho de 2011 08:51

    Carol, eu estava preocupada com a falta de notícias. Quero lhe dizer que sempre li o blog e sempre me emocionei, mas hoje eu chorei, chorei de verdade, com lágrimas mesmo. Vc e sua filha são seres humanos muito evoluídos. Espero poder passar esse tipo de valor ao meu filho, quando chegar minha hora de educar uma criança. Saiba que os filhos são reflexos dos pais, tanto nas coisas boas quanto nas coisas ruins. Portanto vc deve sertir-se duplamente orgulhosa de sua Ana Luiza, pois ela é uma pessoinha muito confiante e bem humorada e isso ela deve ter aprendido no convívio familiar.
    Abraços e que Deus continue abençoando suas vidas.

    ResponderExcluir
  89. Ana Luíza veio dar o seu recado por aqui e deu bem dado. Voltou a ser uma estrelinha, das mais brilhantes, no céu.
    Agora, Carol, tu é um exemplo de SER HUMANO. Perto de tu eu sou um cisquinho carregado pelo vento. Te admiro muito, continue escrevendo que sua forma de escrever é muito particular. Um beijo e fica no conforto possível de D'us.
    Anna Elisa

    ResponderExcluir
  90. Carol, nao sei se vc via ter tempo ou cabeca de ler todos os commentaries, mad queria deixar registrado que a historia da Ana Luiza mudou a minha vida e que hoje ao saber do falecimento dela eu chorei, chorei mto por saber que lea tinha perfido essa batalha, mas me confortei ao pensar que ela veio pra mudar tantas vidas e que Deus em sua infinita bondade achou que ja era hora dela parar de sofrer.
    Carol obrigada por ter compartilhado seu anjinho conosco. Vcs estao em nossas oracoes.bjo

    ResponderExcluir
  91. Carol, vc é um exemplo a ser seguido!!
    Tenho profunda admiração por sua força e coragem!
    Obrigada por dividir conosco sua dor e fazermos enxergar o verdadeiro valor que se deve ser dado ao ser humano!

    Você sempre estará em minhas orações!
    Abraços, Fernanda.

    Uberaba - MG

    ResponderExcluir
  92. Carol
    Boa Noite

    Não sei bem o que dizer… Sua história e de Ana Luiza foi uma experiência totalmente fora de tudo o que já passei ou ouvi falar.
    Acompanhar o dia a dia, me regozijar com sua alegria, sentir o mesmo aperto na garganta, torcer pela cura, acreditar nela como vc acreditou…
    Como ler um livro, por um lado parecia uma história emocionante, por outro sentir o susto de saber que era tudo verdade.
    A internet mudou radicalmente a vida das pessoas e o twitter trouxe a vida a cada minuto, para dentro de nossas casas e de nosso coração.
    Eu, de longe, vivi com vc, me entristeci e me alegrei, cheguei a sentir o cheiro do cabelinho da Ana Luiza nesse post!
    Foi uma experiência muito vívida, até mesmo assustadora em certos momentos.
    Quando li o malfadado tuíte do seu marido, dando conta de que ela havia se ido, fiquei desnorteada. Por mais de 2 semanas cheguei a ficar com nojo do twitter, da internet e até do computador.
    Depois fiquei feliz em ver como foi linda a cerimônia e senti com vcs o conforto de voltar para casa, para sua cidade, para as coisas familiares, que lembravam a Ana Luiza antes da doença e desse vendaval que mudou suas vidas.
    Posso dizer que foi surreal; antes da internet, seria quase uma sensação paranormal.
    A força que vcs encontraram em seus familiares e no amor dos dois, e que lhes deu coragem para continuar, de alguma maneira alcançou a mim também e consegui fazer as pazes com meu computador.
    Desejo sorte na luta mais do que justa que encetaram agora, para conseguir um tratamento humano e profissional aí mesmo no Amazonas, para as crianças com essa infeliz doença.
    Desejo felicidade aos dois e que seu amor permaneça. Acredito, como Guimarães Rosa, que "O mundo é mágico. As pessoas não morrem, ficam encantadas."
    Ana Luiza, como uma fadinha benfazeja, está encantada agora, esperando o momento em que reencontrará a mamãe e o puí, nos braços de Deus.
    Muitas bençãos para vcs e suas famílias.
    Fiquem com Deus e adeus.

    ResponderExcluir
  93. Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo d como amar alguém além de nós mesmos, d como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e d aprendermos a ter coragem. Isso mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato d coragem q alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza d estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado, ainda que não te dê valor. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo! Saramago

    ResponderExcluir
  94. Querida achei seu Blog por acaso, mais quando comesse-ei a ler ñ aguentei mim emocionei sabe pq por sua filha era preciosa pra Deus la veio com uma missão essa missão ela com prior na terra, foi passar amor pra as pessoas coisa que falta no ser humana ela mostrou a confiança que ela tinha em Deus, isso é uma lição de vida pra a gente que com qualquer coisa reclama ou já se aborrece, depois que li toda sua história percebe que Deus marcou isso pra mim poder ler e ver que ele cuida de quem ama verdadeiramente e ele amouuu por demais a tua pequena e creia que ela está em um lugar bem melhor que o nosso que é ao lado de Deus, sei que nesse momento palavras são vazias mais saiba que estarei orando por voc~e pra que a cada dia Deus conforte teu coração e a cada dia voce fique feliz pq ele te deu um privilegio de ter gerado um anjo e ter aprendido muito com ela, creio eu que ela te ensinou muito nós momentos que vocês passaram juntas, fica com a santa paz de cristo, que Deus abençoe vocÊ e sua familia.bjoss

    ResponderExcluir
  95. OI Não tive o prazer de conhecer vcs e a Aninha, moro em São Paulo mas acompanhei tudo pelo facebook e hoje ao dar uma aula a aluna me mostrou um texto que tinha digitado e imediatamente me lembrei da Aninha e resolvi enviar...desculpe a invasão bjs e força:

    A Morte não é Nada " Santo Agostinho "


    "A morte não é nada.
    Eu somente passei
    para o outro lado do Caminho.

    Eu sou eu, vocês são vocês.
    O que eu era para vocês,
    eu continuarei sendo.

    Me dêem o nome
    que vocês sempre me deram,
    falem comigo
    como vocês sempre fizeram.

    Vocês continuam vivendo
    no mundo das criaturas,
    eu estou vivendo
    no mundo do Criador.

    Não utilizem um tom solene
    ou triste, continuem a rir
    daquilo que nos fazia rir juntos.

    Rezem, sorriam, pensem em mim.
    Rezem por mim.

    Que meu nome seja pronunciado
    como sempre foi,
    sem ênfase de nenhum tipo.
    Sem nenhum traço de sombra
    ou tristeza.

    A vida significa tudo
    o que ela sempre significou,
    o fio não foi cortado.
    Porque eu estaria fora
    de seus pensamentos,
    agora que estou apenas fora
    de suas vistas?

    Eu não estou longe,
    apenas estou
    do outro lado do Caminho...

    Você que aí ficou, siga em frente,
    a vida continua, linda e bela
    como sempre foi."

    ResponderExcluir
  96. Ana Luiza está nos braços de Deus,
    não descansando mas vivendo a plenitude
    da verdadeira vida.
    Para os que ficam..., vivam a sua dor, mas sempre lembrando que Ana Luiza é um ser de luz profunda e para ela a tristeza não existia.
    Pai e mãe, vcs são verdadeiros pais na plenitude da palavra, não é atoa que Ana Luiza escolheu vocês para seram os pais dela.
    Um fraterno abraço.

    ResponderExcluir
  97. Olha, meus parabéns por tudo o que tens feito por ela, e parabéns a ela, por estar sempre com o sorriso no rosto, não desistindo. fiquei muito emocionada com a historia de vocês, e vou colocar as duas em minhas orações. Que Deus de forças, pra que ela fique boa logo, e que te mantenha nesse caminho. e obrigada, por me fazer 'cair na real'

    ResponderExcluir
  98. Agnes, a Ana Luiza, é nosso anjo agora, nossa linda anjinha esta ao lado de nosso Deus, sem dor, com cabelos e brincando muito... PARA SEMPRE ANA LUIZA... Te amo linda princesa...

    ResponderExcluir
  99. Carol, acompanho a história da sua pequena há meses. Sei que já se aproxima de um mês que a Ana se foi, embora sua luz permaneça aqui.
    E foi Dela e de você que lembrei ao assistir o filme 'Cartas para Deus', tudo tudo lembra a sua pequena, a força, o sorriso, a luta diária e principalmente o quanto ela conseguiu tocar a tantos outros.
    Coloco o link do filme aqui com a esperança de que você possa assistir, você realmente MERECE!
    http://3000filmes.com/cartas-para-deus-legendado-assistir-online/

    ResponderExcluir
  100. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  101. Carol,
    Conheci seu blog ha três dias.
    Não consigo mais parar de ler.
    Sofro, choro, me emociono.
    Sua pequena é tão especial, tão linda.
    Parabéns por dar e receber tanto amor.
    Que Deus vos abençoe.
    Silvia

    ResponderExcluir
  102. Deus está contigo, Ana Luiza tb!
    Sei o quanto difícil eh, mas desejo que a alegria de Ana Luiza tome conta de vc, e vc continue a fazer como ela. Mta força!

    ResponderExcluir
  103. Que a morte é certa, todos sabem. todos terão o mesmo destino. mas o que fica é a pergunta: de quantas pessoas vc pode dizer isso? quantas pessoas fazem vc se sentir raro, puro e especial?

    ResponderExcluir
  104. Oi, Carol! Eu sou Maria Emilia, irma mais velha do Celso Casadio... somente hoje consigo te escrever para agradecer pela tua abençoada interferencia junto ao pessoal da companhia aérea, por ocasiao do tramite do corpo do Celso, q quase fica em Manaus por causa de um cachorro! Muito obrigada! Sempre q leio o teu blog me emociono muito com tudo e oro, para q o Senhor Jesus nos ajude a continuar nossa caminhada sem os nossos amados, que conseguiram "fugir" em seus baloes, né? A boa noticia é q o Celso confessou a Jesus Cristo como seu Salvador e Senhor, antes de partir! Isso nos conosola muito por saber q estaremos juntos na vida eterna, um dia... Nao te conheço pessoalmente e somente vi tua mae e teu pai durante o funeral do Celso, mas amo vcs e desejo conhece-los se Deus permitir. Q Deus te rodeie e te preencha de Seu inimaginavel e palpàvel amor e consolo, dia apòs dia aqui, até q estejamos todos juntos na Sua Glória! Paz!

    ResponderExcluir
  105. Carol, o que aconteceu?
    Tudo estava indo tão bem,Ana Luiza ótima.
    Li seu blog inteirinho,post por post,que batalha.
    Só posso dizer que sou outra pessoa, a todo momento tento rever os meus conceitos.
    A vida deve ser vivida com simplicidade e humildade, como se bão houvesse amanhã.
    Uma abraço
    Silvia

    ResponderExcluir
  106. Ontem eu descobri seu blog através de uma comunidade no orkut e resolvi ler o blog.Me surpreendi com o seu relato de coragem,das duas. E eu preocupada com o tratamento de endometriose que estou a começar,a Zoladex é nada! Chorei o tempo todo e li o blog todo ontem,fui dormir 4 horas da manhã e hoje mostrei para meus filhos as fotos e a história de sua linda Aninha que deve virar um livro! Você escreve muito bem e consegue passar a emoção através das palavras.Parabéns! Não se importe com os que os criticam por estarem na midia,acredito que tudo tem seu proposito e de vocês será levar a história de Aninha para ajudar outras famílias.Que fiquem com Deus,porque Aninha com certeza está!

    ResponderExcluir
  107. VIRGINIA ID'S ANN COULTER.
    IRA ID'S ALEC BALDWIN.
    ECERYONEVCOMING TOGETHER TO FUCK THE QUEEN & HER TORTURE ROOMS IN MAINE WITH EDWARD MEESE.
    PETWOOD- OSIRIS- HYDRA-
    ALL ARYAN NURSE & OBS BEING DELIVERED TO FEDS!
    BUNN- BALL- ROSS.
    JUMP " SHIPS".

    ResponderExcluir
  108. Que notícia maravilhosa!! Não vi a última atualização e teve quase um mês. Fico feliz com a vitória da Aninha. É impressionante como ela tem esse espírito irreverente, sempre de bem com a vida. Chorei muito com as histórias dos amigos que se foram, mas tb de alegria por ver que a Aninha é muito bem resolvida.
    Aproveitem esse momento ao máximo. E sempre mandem notícias quando puderem. Ficamos felizes em saber!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Ana faleceu em julho de 2011.

      Excluir
  109. Carol,
    Que Deus conforte seu coração de mãe.
    Sua menina com certeza era muito especial.
    Sinto saudades sem te-la conhecido.
    Sinto saudades da alegria e da força.
    Beijo

    ResponderExcluir
  110. Meus sentimentos!
    Ela agora está ampara (e curada!).
    Sua pequena foi muito feliz e te quer feliz.
    Tenha certeza que chegará o dia do reencontro.
    Com amor,

    Aline (Brasília)

    ResponderExcluir
  111. Nossa, é emocionante ler o q vc escreve, estou lendo desde o inicio, nao consigo segurar as lagrimas. Que Deus dê muita força a todos nessa hora, conforte seus corações e saibam q tem mais uma estrelinha no céu vendo todos e do lado do Papai do céu pedindo por todos. Um forte abraço

    Angélica Silva

    ResponderExcluir
  112. Gente , alguem tem noticias da Ana Luiza, tem algum tempo q a Carol nao escreve, cada um fala uma coisa, fica dificil.........Bjos em todos.

    ResponderExcluir
  113. Oi... tive conhecimento do seu blog, da sua dor, da sua filha somente esta semana. Quão guerreiras!!
    Também sou mãe e sei o que é o amor, querer trocar de lugar pelo nosso filho!
    Hoje recebi por e-mail uma mensagem sobre filhos e pensei em compartilhar com vc.

    Definição de filhos por José Saramago:

    "Filho é um ser que nos "emprestaram" para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem.

    Isto mesmo!

    Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado.

    Perder?
    Como?
    Não é nosso, recordam-se?
    Foi apenas um "empréstimo"".

    Para mim, é um lindo "empréstimo" DIVINO!
    Que Deus acalme seu coração e abençoe vc, seu esposo e sua família.
    Um forte abraço,
    Priscila

    ResponderExcluir
  114. Só hoje soube que dessa triste noticia que a Ana Luiza faleceu! muita força, luz e Deus para iluminar e guiar sua familia!

    ResponderExcluir
  115. Bom dia, amigos!!!!!!!!!!
    Nossa é uma perda muito grande, nessa hora nem sei oq disser a essa mãe!!!!!
    DEUS conforte o coração de vcs e ilumine o caminho da nossa querida Ana Luiza, agora um anjinho.....
    Bjos em todos.

    ResponderExcluir
  116. Querida que Deus console seu coração de mãe.
    Que o sorriso lindo de Ana Luiza fique brilhe eternamente em seu coração.
    Eu sinto muito Carol, sinto muito.
    Beijo

    ResponderExcluir
  117. ‘’Os ventos que às vezes tiram algo que amamos, são os mesmos que nos trazem algo que aprendemos a amar.. Por isso não devemos chorar por algo que nos foi tirado, mas sim, aprender a amar o que nos foi dado.’’

    Enquanto existir amor sei que todos lembrarão de Ana Luiza. Sei que ninguém jamais esquecerá deste anjinho. Não tive a oportunidade de conhecê-la, como eu queria tê-la abraçado para poder ter pego um pouquinho da dor pra mim. Como eu queria poder ter feito alguma coisa que pudesse amenizar o sofrimento. Este anjinho que nem me conheceu e me ajudou tanto. Me deu a luz, me fez sonhar. Me fez amar. Foi pra mim, foi tudo e mais um pouco enfim. Foi um anjinho tão forte, tão linda... Tão Ana Luiza. Essa pequena transbordava felicidade e com um coração maior que ela mesma. Acompanhei tudo, sofri, chorei, sorri,rezei, amei. E hoje sinto falta, rezo pelo bem da alma desse anjinho. Eu só queria que ela vivesse mais, a vida levou. E deixou todos que juntos acompanharam, aqui. E o que esse anjinho me ensinou é o que me faz feliz. Que Deus dê um bom lugar, e guarde um pra mim. E quando for a minha vez... Encontrá-la por aí. Eternamente grata por você ter compartilhado tudo que viveu, Carol. Parabéns por ter sido tão forte. Parabéns por ter tido a oportunidade de viver com este anjinho e ter sido a mãezinha escolhida. Parabéns por aguentar o mundo caindo e ,mesmo assim, ter segurado nos seus ombros. Parabéns por ter lutado todo este tempo, Ana luiza precisava de você e você fez isso por ela. Eu rezo para que você possa superar, superar a perda, superar tudo. Lembre-se que você não pode parar de lutar e nem cair aos pedaços. Por mais que você pense que nada faz mais sentido, muitas outras pessoas precisam de você. Assim como este lindo anijinho precisou. Você precisa continuar sua vida caminhando, forte , tentando ser forte não só por você, mas também por Ana Luiza e todas as outras crianças que a vida levou. E que hoje te olham e agradecem de peito aberto por sua luta. Você lutou até o último minuto. Você lutou como uma guerreira, como uma verdadeira mãe. Não há palavras que descrevem como eu, você e todas as pessoas conheceram este anjinho se sentem. Só queria uma palavra que pudesse descrever como me sinto agradecida por ter compartilhado sua luta conosco. Sei que Ana Luiza está brilhando, onde quer que ela esteja. Este anjinho continua nos protegendo, amando, cuidando, mostrando como ser feliz, como resistir por mais que a dor seja forte. Ana Luiza está com todos nós.

    '' Voa minha ave, voa sem parar, viaja pra longe, te encontrarei em algum lugar. Permaneço em ti, como sempre foi, mais perfeito e mais fiel. Mesmo sozinho eu sei que estas perto de mim quando triste olho pro céu. Quando eu te vi o sonho aconteceu. Quando eu te vi meu mundo amanheceu. Mas você partiu sem mim, eu sei que estas em algum jardim, entre as flores. Anjo tão amado anjo, bem sei que estas e eu dobrando sono, ei de acordar para teus olhos ver uma vez. ''

    ResponderExcluir
  118. Deus é piedoso, ele nao esquece de nós. Muita forca nesse momento ainda tao cheio de dor. Hoje minhas oracoes sao para voces.

    ResponderExcluir
  119. Carol sabermos que Deus está acima de todas as coisas e somente N'ele encontramos conforto e consolo por perdas principalmente de filhos. Deus esteje com vc e com seu marido Marcos.
    Estarei orando por vcs e por seus familiares.

    ResponderExcluir
  120. Carolllll. saudades!
    Volta a escrever. Imagino sua dor mas precisamos de vc aqui.
    Bjsssss

    ResponderExcluir
  121. A Ana Luiza me faz querer ser alguem melhor, toda vez q vejo o blog me emociono com tamanha força, e isso só aumenta minha fé em Deus, q a nos mandou pra nos dar essa GRANDE LIÇAO DE AMOR...

    ResponderExcluir
  122. Carolina,

    já estou algumas semanas para escrever algo... mas o que dizer diante do que foi sua princesa. Por alguns meses aqui frequentei silenciosamente suas alegrias e preocupações, sabendo que não se tratava de um filme ou uma novela fictícia. Era a dura e crua realidade. Como pai de uma menina de 4 anos senti um "pequeníssimo" pedaço imaginando como deveria ser sua dor e dos familiares com a menina encantadora que era a Ana Luiza. Hoje passado alguns meses de sua partida resolvi falar algo que estava no meu coração. Não tive o prazer de abraçar sua filha, nem tampouco conhece-la mas Ana cumpriu sua missão aqui. Assim como eu muitos sentem a sua partida, até choramos com a sua ida... e o que impressiona é que não conhecíamos pessoalmente. Mas passamos a conhece-la graças a você que nos proporcionou a oportunidade de aprender com este anjinho tão lindo e tão cativante que foi a Ana. A "Aninha" não perdeu a batalha contra o câncer, isso aprendi com você:
    "Pelo que testemunhei, o importante é lutar dignamente. É conseguir aprender em meio ao sofrimento. É a reflexão. E isso jamais poderia ser considerado uma derrota. Derrotado é aquele que viveu e nunca foi capaz de refletir, tendo sofrido de câncer ou não."

    Fiquem com Deus. E obrigado mais uma vez por nos apresentar a Ana Luiza, foi um grande prazer.

    Eber Ventura dos Santos
    Petrópolis-RJ

    ResponderExcluir
  123. Oi Carol,
    Passei uma semana sacrificando meu trabalho pra ler tudo o que vc escreveu, ler e chorar com seu relato, mas também rir e me emocionar com a Ana Luiza...
    Este é o ultimo post e não sei como ela está, mas rezo do fundo do meu coração que ela esteja bem. Realmente sua "pequena" é muito especial e vcs tb são por tudo que passaram.
    Moro em Sorocaba, onde existe o GPACI, o Grupo de Pesquisa e Apoio ao Cancer Infantil. Sempre procurei ajudar de alguma forma (eles tem renda revertida e uma lojinha que vende produtos - quadros principalmente - feitos pelas crianças internadas) comprando produtos que revertessem o dinheiro da venda pra eles, doando sangue (meu avô faleceu de complicações de uma leucemia, e sou doadora regular de sangue e tb sou doadora de órgãos e tecidos, inclusive medula óssea) mas agora, depois de ler tudo o que vc disse, percebi que é necessário muito mais, e mesmo sem saber direito o que fazer não pretendo mais ficar "de braços cruzados".
    Que Deus abençoe muito vcs, e que Ele permita ainda muitos milagres pra Ana Luiza.
    Bjs
    Patrícia

    ResponderExcluir
  124. Tenho pensado muito em vcs. Mande notícias

    ResponderExcluir
  125. Texto lindo, filha linda, família linda...
    Com toda a certeza do mundo, essa criança teve uma missão: a missão de mostrar que GRANDES ATOS necessitam de GRANDES pessoas. Que Deus dá o frio, conforme o cobertor! Então melhor se munir de alegria, custe o que custar, porque a vida é muito mais do que corpo físico.Tô encantada! Com o texto, com a Ana, com a garra de vocês, pai e mãe. A lição dessa pequena faz crescer não só vocês, mas num único texto, faz crescer qualquer um... Obg por compartilhar a história de vcs!
    "Temos que continuar dando forças e continuar tendo fé, mesmo ao ver um corpo fraco e extremamente debilitado. O espírito precisa se manter forte e temos capacidade de fortalecê-lo com nossa fé."

    ResponderExcluir
  126. Depois que conheci vocês nunca mais pude esquece-los.
    Que Deus abençoe vcs.
    Silvia

    ResponderExcluir
  127. Carol, li esse blog e fiquei mto emicionada... nao tenho nem palavras para dizer o qnto isso faz a diferença na vida de tantos q leem... nos torna mais humanos, nos permite ser mais decentes!! Quem sabe essa história( mto bem escrita por sinal) nao vire um livro q possa beneficiar o Instituto ALGUEM.. pense nisso!
    bjus fiquem com Deus
    Rafaela

    ResponderExcluir
  128. Boa noite Carol,

    Mesmo não conhecendo vc pessoalmente, me considero já parte desta história triste da sua vida, porém que nos deixa uma grande lição.Sou mãe de 3 filhos, um de 15, 13 e 4 anos, e senti cada dor que vc relatava como se fosse minha. Li sua historia quando soube do falecimento da Ana Luiza, e desde então li, capitulo a capitulo até onde vc parou. Me emocionei, ri, sofri, como se fosse minha filha...Sempre tive uma vida normal, com pais, filhos, maridos e irmãs saudáveis sem nenhum episódio de doença na familia. Por coincidencia, 1 mes depois meu pai se tornou um paciente oncológico, foi um grande susto, é como se o vc ficasse sem chão. Definitivamente não estamos preparados para perder ninguem, mesmo esta, sendo a lei natural da vida. Ele tem um cancer urotelial e se instalou no rim direito, teve que fazer uma nefrectomia e 1 mês depois, haviam metastases que precisavam ser retiradas. Foi qdo viemos parar no AC Camargo, tudo parecia tão intimo pra mim, já conhecia cada pedaço do lugar, com quem quer que eu comentasse sobre a Ana Luiza, todos a conheciam e relatam a tristeza que ficaram qdo ela veio a falecer. Quero que vc saiba que vc tem sido minha força de inspiração para passar por esta doença, tentando tirar algo de positivo nisso tudo. Saiba que não é só em Manaus que não tem hospital para cancer, sou de Brasilia e meu pai teve que se deslocar para São Paulo e ser operado lá no AC, pelo Dr. Ademar Lopes e sua equipe, sempre tão atenciosos. Fiquei encantada com o hospital, o qto são humanizados no atendimento, tanto ao paciente, quanto a familia. Tenho uma tia que perdeu uma filha de 18 anos (descobriu com 15) com Leucemia e ela é um exemplo de superação, escolheu ser feliz e é a pessoa que eu mais admiro.
    Espero que seu caminho seja sempre iluminado pelo seu anjo que, tenho a certeza, está com vc em todos os momentos. Me apaixonei pela forma como vc conseguiu expor um momento tão delicado da sua vida...me apaixonei por sua filha, e cada dia, é um dia de superação assim como ela te ensinou tão bravamente. Um forte abraço
    Adriana

    ResponderExcluir
  129. Carol e Marcos, com grande tristeza acabo de saber através de outro blog da partida de Ana Luiza.
    Acompanhei a luta de vocês de longe, rindo e chorando, sempre rezando pela cura da pequena guerreira e, a contar pelo último post, acreditava que vocês estavam em casa.
    Sei que nada do que se diga em nenhum momento vai acalmar a dor que vocês estão sentindo e sentirão por um bom tempo, mas terem sido os escolhidos para serem os pais de Ana Luiza e terem aprendido tanto com ela tornou vocês seres muito melhores. E pode ter certeza que a sua grandeza em compartilhar a luta dela contra essa doença cruel transformou a vida de muita gente, transformou a minha vida!
    Um forte abraço e que Deus console o coração de vocês!
    Lorena
    Salvador/BA

    ResponderExcluir
  130. Acredito que o blog deva continuar, pra ajudar tantas outras pessoas que passam ou passaram por esta luta. Não deixe este ser o último post!

    ResponderExcluir
  131. Muito emocionante...sem palavras um beijão que deus receba ela com muita luz e conforte vc e sua familia, mesmo sem conhece-la senti muita emoção , sou mãe de uma criança especial com 11 anose 9 meses que ñ anda , mas graças a deus que a saude dela é perfeita , ñ tem nem dor de barriga , sei o que vc passou...Um beijo, Railda

    ResponderExcluir
  132. Carolina, há algum tempo acompanho a história de vocês, em oração. Deus nos sustenta e segura pela mão nos momentos mais difícies. Meu cunhado precisará fazer tbém o transplante autólogo em SP p/ uma recidiva de câncer de pâncreas. Queria trocar informações c/ você. Se possível, peço q reponda pelo e-mail: flaviadorenan@hotmail.com.Muito obrigada! Deus os abençoe! Flávia

    ResponderExcluir
  133. Assim que eu fiquei sabendo pelo Facebook, entrei nesse blog e li toda a história. Fiquei triste com a doença e ao mesmo tempo encantada com a Ana Luiza, pela força que ela tinha, que mesmo passando por tudo o que ela passou, ela vivia sorrindo, alegre e cativando as pessoas ao seu redor. Eu não tenho filhos, mas eu tenho uma sobrinha de 3 anos e já perdi minha melhor amiga para a Aneurisma Cerebral. Ela lutou por 7 meses num CTI, mas infelizmente não resistiu. Não sei qual é a dor de perder um filho, mas sei a preocupação que se tem com uma criança e a dor de perder uma pessoa querida. Tenho acompanhado também sobre o Instituto ALGUEM. Achei bela a iniciativa das duas mães. Espero que você, Carolina, esteja bem e confortada, pois tenho certeza que a Ana Luiza está bem e feliz assim como ela era aqui na Terra. Eu ainda aguardo o Post com o final dessa história. Que você e sua familia fiquem bem.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  134. Eu confesso ter chorado muito, apesar de fazer parte de um de meus trabalhos, de divulgação sobre todos esses assuntos, é inevitável. Não importe quantas vezes eu fique sabendo é sempre muito triste para mim.
    É, Carol, como vou te dizer isso.
    Já existe a cura para o câncer, e para a Aids.
    Acho que poderá não acreditar.
    Mas se quiser saber detalhes, em prol de boas causas, escreva para: garantindogeracoes@gmail.com
    Nossa divulgação, um dia chegará lá!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  135. Carol, o texto "Emprestada" nos fez refletir sobre a importância de se DOAR verdadeiramente para os filhos e ter a consciência tranquila. bjs

    ResponderExcluir
  136. Oi Carol!
    Como está a Ana Luiza agora?
    Força, um beijão.

    ResponderExcluir
  137. Sempre lembro de vocês e acredite, gostaria que você continuasse a estória de Ana Luíza... sei que dói muito mas talvez contar te ajude e ajude mais pessoas.
    bj

    ResponderExcluir
  138. Estou muito emocionada com a historia desta pequena guerreira que lutou o quanto pode....Que Deus abençoe muito vocês e que ela esteja junto a

    ResponderExcluir
  139. comcei a acompanhar seu blog por ter o mesmo nome de sua filha.
    Sei mto bem que nada que seja falado podera acalmar seu coracao.
    Mas me senti parte de sua familia com toda a historia e estou aqui mesmo sendo uma desconhecida para te dizer que sua filha foi uma guerreira, e q vc foi e sempre sera uma mae exemplo para todos q acompanharam sua historia.
    A Ana Luiza nesse momento esta em paz e presente do seu lado em todos os momentos!
    O tempo dara conta de amenizar a sua dor.
    Sinta-se privilegiada por ter sido mae dessa preciosade que viveu ao seu lado durante esses anos.
    Ela foi emprestada a vc por Deus , mas por ser boa demais pra esse mundo, teve sua missao cumprida aqui na terra e dara continuidade em outro plano.
    Que Deus abencoe vcs todos, e parabenS por ser essa pessoa taO linda.
    Um beijo Grande

    Ana Luiza.

    ResponderExcluir
  140. O que dizer (escrever)? Não sei se tenho esse direito. Perdi uma filha com apenas 1 mês de idade. Logo após tive outra que hoje está com 4 anos. Sei que não deveria escrever isso aqui. Posso ser mal interpretada e até a acusada. Mas não consigo não ser sincera: não consigo encontrar Deus quando essas coisas acontecem. Não consigo conceber isso acontecer com uma criança e seus pais. Choro e sofro muito por isso. Fico feliz que a fé ajude as pessoas a enfrentar tudo isso. Melhor assim... Quero dizer que amo muito a Ana Luiza também. E que quero muito que realmente exista um lugar em que ela esteja muito, muito feliz!! O medo que aconteça algo com minha filha ou qualquer outra criança é enorme. Mas sei que não tenho o poder de mudar qualquer coisa que possa vir a ocorrer. Sei também que não aguentaria. Mas agora a única coisa que devo e quero dizer é isso não poderia - deveria ser totalmente proibido de acontecer - todo esse sofrimento (que a cada dia se repete). Mas não fiquem revoltados com meu desabafo. É claro que concordo que a vida desse anjo foi absolutamente necessária para que pessoas como eu entendam que tem a obrigação de serem felizes... e também obrigação de trazer alguma felicidade a quem precise. Apesar de reconhecer que nada fazemos para isso. Um beijo mãe, pai e Ana. Sim, pois ela está viva em muitos corações e mentes...

    ResponderExcluir
  141. Não me canso de ler esse relato, essa mãe escreve de forma magnífica, transforma sua dor em palavras que inspiram, que penetram na nossa alma...Carol, já pensou em escrever um livro? Seria uma singela homenagem à sua pequena Ana Luiza, uma forma de eternizar a memória!

    ResponderExcluir
  142. e aó carol, já passou tanto tempo, vem terminar a historia da ana luiza.

    ResponderExcluir
  143. Acabei de saber dessa história, nem sei quanto tempo faz, mas eu vim dizer que eu envio muita força e energia positiva a você e sua família. Me parece que a Ana Luiza era uma menina maravilhosa, tenho certeza de que ela é (não convém dizer foi) um presente em sua vida. Eu também me chamo Ana Luiza e torço sinceramente que a família da minha xará continue firme para continuar a transmitir uma boa mensagem para todos que cruzarem o seu caminho.

    ResponderExcluir
  144. Só esta semana conheci essa história que mexeu muito comigo, pois por dez anos viví a mesma situação e há três também perdemos nosso filho Lucas Kennedy, que também se tratava no AC Camargo...apesar da dedicação de Dr Paulo e sua equipe, e da força de vontade de meu pequeno , Deus precisava de mais um anjo e levou Ana Luíza e meu filho...Hoje escreví um livro em que conta toda nossa tragetória e a fé de meu pequeno grande guerreiro, que sofria sem reclamar...acho que eles vieram nos ensinar muitas coisas e mostrar a todos que não devemos reclamar por pequenas coisas....Á voce Carol , mãe de Ana Luiza pode ter certeza seu anjo está a seu lado em todos os momentos, assim como meu Luquinhas está cuidando de nós ...Oneida

    ResponderExcluir
  145. Carol desejo muita paz para vc e todos que de alguma forma esteve presente na sua vida nesses momentos dificeis.A Ana Luiza é mesmo um anjo que Deus colocou em sua vida e vc nem imagina a mudança que vc fez em minha vida hj,fui diagnosticada com câncer de mama a 1 mês e hj amanheci triste mas diante de tudo que li aqui acredito que estou mais fortalecida que nunca com cada palavrinha sua,quanto a cada palavrinha da sua filha meu coração se enchia e tirava um sorriso que a dias estava sumido.Fique com Deus

    ResponderExcluir
  146. Estou chocada e com as lágrimas sufocadas dentro do meu peito...ainda ontem ao fazer meu Evangelho no Lar pedi que Deus ajudasse sua filha a se curar...apesar de ser Kardecistaida e saber que a vida da ana Luiza não terminou fico triste pq posso imaginar sua dor....fé e luz divina..Que Deus conforte seus corações....

    ResponderExcluir
  147. carol... não vai escrever mais aqui não?

    ResponderExcluir
  148. liliane joaçaba-sc27 de janeiro de 2012 08:05

    amada todos querem saber como vc esta...nos preucupamos e não temos outro meio de te contatar...querida força da onde???Não sei .....MAs fé reze muitoooo...bjs
    Lili

    ResponderExcluir
  149. Independente das dores do mundo, voce e sua familia sao muito amados. A morte nao eh capaz de destruir uma familia como a sua.

    ResponderExcluir
  150. Carol, por favor volte para nos dar notícias de vc e do Puí! Precisamos de notícias, estamos com saudades...Que Deus te abençõe e te dê forças sempre!

    ResponderExcluir
  151. Carol, alem destas palavras, receba um abraco forte e sinceramente carinhoso. Quando puder, e se nao puder nao se violente, venha e nos traga noticias. Voce e sua famili se tornaram inesqueciveis. Yeda

    ResponderExcluir
  152. A morte não é nada.
    Eu somente passei
    para o outro lado do Caminho.

    Eu sou eu, vocês são vocês.
    O que eu era para vocês,
    eu continuarei sendo.

    Me dêem o nome
    que vocês sempre me deram,
    falem comigo
    como vocês sempre fizeram.

    Vocês continuam vivendo
    no mundo das criaturas,
    eu estou vivendo
    no mundo do Criador.

    Não utilizem um tom solene
    ou triste, continuem a rir
    daquilo que nos fazia rir juntos.

    Rezem, sorriam, pensem em mim.
    Rezem por mim.

    Que meu nome seja pronunciado
    como sempre foi,
    sem ênfase de nenhum tipo.
    Sem nenhum traço de sombra
    ou tristeza.

    A vida significa tudo
    o que ela sempre significou,
    o fio não foi cortado.
    Porque eu estaria fora
    de seus pensamentos,
    agora que estou apenas fora
    de suas vistas?

    Eu não estou longe,
    apenas estou
    do outro lado do Caminho...

    Você que aí ficou, siga em frente,
    a vida continua, linda e bela
    como sempre foi."

    Santo Agostinho.

    ResponderExcluir
  153. Quantas saudades! A imagem do sorriso da Aninha jamais saira da minha alma, pois a memoria se apaga, mas a alma eh imortal. Fabiola

    ResponderExcluir
  154. Carol, que Deus conforte o coração de vocês, sua filha é um anjo de Deus, me emocionei muito com o seu relato.
    E muito obrigado por compartilhar com a gente.
    Fica com Deus

    ResponderExcluir
  155. Deparei-me com seu blog ao acaso ao acessar um outro que mencionava o seu,ao le-lo fiquei tão impactada que naquela noite não consegui dormir a imagem de sua filha ,seu sorrizo e tudo que vocês passaram ficaram me remoendo por dentro,crianças não deveriam sofrer,nem sei o que dizer,acho que nem existem palavras capazes de dimensionar tudo o que eu queria falar ,ver partir aqueles que amamos é dolorido demais.Queria que soubesse que meus pensamentos são por você com todo carinho e desejo de força e fé .

    ResponderExcluir
  156. Sem palavras. Chorei lendo isso.
    Força mãe... força.

    ResponderExcluir
  157. Carol, conheci sua história este ano, e como mãe conheci uma mistura de dor,indignação, aprendizado, exemplo entre outras coisas,pra mim esta doença maldita era coisa que acontecia apenas com pessoas rancorosas,maldosas, ou que tinham algo muito terrível a pagar, mas mesmo com o choque e sem encontrar explicações ou um por que isso aconteceu com você, a sua menina me deu uma lição de vida,entre outras coisas, ela é abençoada tenha certeza disto,e hoje está no mínimo com os anjos no céu. Espero que mesmo com a saudade que sei que vai ser eterna, você esteja bem, e que seu coração esteja confortado. Parabéns por ter transformado sua dor, em atitude e solidariedade, pois já conheço o seu trabalho.
    Que Deus abençoe você e sua família

    Fabiana Ribeiro de São Paulo

    ResponderExcluir
  158. oi, eu sempre acompanhei toda a sua luta, pela vida de sua filha, mas Deus quis ela, e hoje ela estar em um lugar especial, um anjinho. Desejo a você muita força, que a cada dia vc se fortaleça e continue a ajudar outras criancas que precisam de apoio, linda a sua iniciativa de criar o instituto alguem. Gostaria de saber se vc nao vai colocar textos aqui no blog, sinto falta, pois vc é para mim um exemplo de força. Espero lê mais textos seu. eu sei que ainda doi, mas fica com Deus.

    ResponderExcluir
  159. Primeiro, peço a Deus que dê resignação a você e a toda sua família.
    Confesso que, ao tomar conhecimento desta história me senti extremamente envergonha e pedi a Deus perdão por não agradecer a Ele todos os dias pela minha vida. Tenho "sofrido" com alguns problemas que são insignificantes diante de problemas reais.
    Sua filha me fez refletir sobre o tipo de vida que tenho levado, pois tenho saúde, e não vivo apenas vegeto por vontade própria.
    Recebi uma mensagem com as fotos de Ana Luiza contando resumidamente sua história, desde então procuro uma forma de ter notícias, queria saber como ela estava agora, mas infelizmente descobri que ela se foi.
    Imagino a dor de vocês, e nada do que digam poderá apagar ou confortar esta dor.
    Ela era tão especial que Deus a quis mais próxima Dele.
    Força.
    Guardo o sorriso lindo que ela tinha, um exemplo para todas as pessoas.
    Fica com Deus.

    ResponderExcluir
  160. As vezes volto aqui, para aliviar a saudade. Siga em frente, Carol, voce tem um anjo magnifico todo seu. E, se conseguir, volte a escrever, por favor, assim ajuda muita gente. A mim, inclusive.

    ResponderExcluir